questões manuscritas

Gays na corte de D. João VI

A correspondência entre Lord Strangford, embaixador inglês no Rio de Janeiro em 1810, e o conde de Funchal, então embaixador português na Inglaterra, tinha seu lado oficial e formal, mas era também composta por cartas confidenciais. Em muitas delas, Strangford pede que Funchal destrua sua carta. Mas o diplomata português desobedeceu o pedido, pois encadernou depois num volume todos os originais dessa correspondência privada. Esta permanece inédita, 200 anos mais tarde, e nos permite hoje uma visão privilegiada sobre os extraordinários acontecimentos dos primeiros anos de D. João IV no Brasil, quando Strangford negociava aquele que muitos consideram o acordo mais desfavorável já assinado pelo Brasil: o Tratado de 1810 com a Inglaterra.

26fev2014_19h00

São inúmeras as cartas antigas que chegam até nossas mãos com o aviso “por favor queime esta carta logo após tê-la lido”. Isso significa que o destinatário ignorou o pedido de seu correspondente e arriscou que seus segredos fossem mais tarde revelados.

Entre diplomatas, as comunicações oficiais sempre responderam a regras estritas e são exemplos de formalidade e prudência na redação. Mas quando existe amizade, ou mesmo intimidade entre representantes de potências amigas, o tom pode ser muito livre e, às vezes, francamente escrachado.

A correspondência entre Lord Strangford, embaixador inglês no Rio de Janeiro em 1810, e o conde de Funchal, então embaixador português na Inglaterra, tinha seu lado oficial e formal, mas era também composta por cartas confidenciais. Em muitas delas, Strangford pedia que a carta fosse destruída. Mas o diplomata português o desobedeceu e encadernou todos os originais dessa correspondência privada num volume.

Esta carta aqui reproduzida permanece inédita, 200 anos mais tarde,  e nos permite hoje uma visão privilegiada sobre os extraordinários acontecimentos dos primeiros anos de D. João IV no Brasil, quando Strangford negociava aquele que muitos consideram o acordo mais desfavorável já assinado pelo Brasil: o Tratado de 1810 com a Inglaterra. Na longa negociação do Tratado, Strangford defendeu brilhantemente os interesses de seu país, contando com aliados poderosos: seu correspondente, o conde de Funchal e seu irmão, o conde de Linhares, influente ministro de D. João. Para ambos, o que era bom para a Inglaterra era bom para Portugal.

No Rio de Janeiro da época, os conselheiros de D. João, sempre muito hesitante, dividiam-se entre aqueles que defendiam um alinhamento completo com a Inglaterra e outros, furiosamente pró-franceses. Eram naturalmente esses últimos os maiores adversários do Tratado, que Strangford tanto se empenhava em impingir ao príncipe Regente D. João. Por isso, suas cartas são cheias de rumores, fofocas e julgamentos extremamente severos, ou mesmo grosseiros, quanto aos seus inimigos.

A carta de Strangford reproduzida nesta página é rara por comentar um assunto do qual se não tratava sequer em correspondências secretas: a sexualidade alheia.

No lugar da menção inicial “confidencial”, “secreta” ou “muito secreta” a carta abre com a linha: “secreta e suja”, deixando clara a intenção do diplomata inglês quanto a seu conteúdo. Nela, Strangford identifica em D. João de Almeida, conde de Galvêas, novo ministro de D. João VI e no núncio apostólico, representante do Papa, o bispo Caleppi, os lideres de uma facção homossexual pró-França, que o inglês considera claramente desprezível: “Seu irmão e eu enfrentamos toda esta canalha. Não se engane a respeito do núncio. Nunca um filho de Sodoma foi mais detestável e mais detestado. Conta-se a seu respeito uma historinha impagável de um jovem mensageiro do qual o núncio fez seu amante. Nunca a pederastia foi tão pujante. O núncio e Almeida são os seus apóstolos de maior zelo”.

São raríssimas as menções explícitas à homossexualidade na correspondência do período ou nos documentos disponíveis para os historiadores. Mesmo as cartas mais íntimas só aludem de maneira oblíqua a qualquer questão dessa natureza e mesmo assim muito ocasionalmente.

Esta carta é excepcional por mostrar não só a grande liberdade entre Strangford, Funchal e Linhares, que lhes permitia abordar qualquer assunto, como por evidenciar o intenso preconceito de Strangford, que não hesitava em manifestá-lo claramente a dois diplomatas estrangeiros, ainda que amigos e aliados.

O conjunto de cartas de Strangford a Funchal foi adquirido nos anos 1950 por um importante industrial carioca numa livraria-antiquária de Londres. Seus descendentes o venderam a seu atual detentor, que tem o projeto de publicar por inteiro essa fascinante correspondência, que permite acompanhar os bastidores de uma das negociações mais importantes da história do Brasil.

Leia também

Últimas

Garras olímpicas

Mais presentes nos pódios brasileiros do que em edições passadas, unhas decoradas também são parte da história dos jogos

A noite mais fria, na capital mais fria

As histórias de quem vive nas ruas geladas de Curitiba  - e por que muitos ainda recusam acolhimento nos abrigos públicos

O limbo brasileiro em Cannes

No maior festival de cinema do mundo, protestos contra Bolsonaro e apreensão com o futuro dos filmes no país

Após o fogo, o remendo

Um dia depois do incêndio em galpão da Cinemateca Brasileira, governo publica chamada aguardada há quase um ano para tentar resolver crise da instituição; proposta inclui até cobrança de taxa para quem quiser guardar filmes no acervo

Foro de Teresina #161: Bolsonaro, o Arenão e suas obras

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos