questões de poder

Generais agora miram chanceler

Presidente do Senado também engavetou nomes sugeridos por Araújo para embaixadas

Thais Bilenky
09maio2019_15h52
O chanceler Ernesto Araújo: embaixador vive conflito aberto com ala militar
O chanceler Ernesto Araújo: embaixador vive conflito aberto com ala militar INTERVENÇÃO DE PAULA CARDOSO SOBRE FOTO DE PEDRO LADEIRA/FOLHAPRESS

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo, passou o último domingo, dia 5, em uma chácara na região de Planaltina (DF). Estava entretido com os filhos e netos, fazendo serviços domésticos como limpar o mato nos arredores da casa. Por volta de 17 horas, entrou em seu carro e dirigiu até o Palácio da Alvorada, onde mora o presidente Jair Bolsonaro. Saiu da reunião cerca de uma hora depois acenando, mas sem falar com jornalistas que faziam campana na portaria.

Naquela noite, a permanência de Santos Cruz, a quem está subordinada a estrutura de comunicação do Palácio do Planalto, foi questionada. Uma campanha por sua saída foi orquestrada nas redes sociais por grupos do governo identificados com as ideias do polemista e guru de extrema direita Olavo de Carvalho, que atacou e insultou o general.

No dia seguinte, porém, a notícia seria a queda, não de Santos Cruz, mas de uma das peças fundamentais do olavismo no governo, apontada pela equipe do ministro como uma das responsáveis pela movimentação por sua saída. A empresária Letícia Catelani foi demitida de uma diretoria Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, a Apex, no ato da posse do novo presidente do órgão, um militar – o contra-almirante da Marinha Sergio Segovia.

Espécie de escudo do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, na Apex, Catelani era o primeiro alvo da ala militar do governo para, em seguida, atingir o próprio chanceler. Sem ela, os esforços para derrubar Araújo já começaram. Ligado a Olavo de Carvalho, Araújo avalizou a indicação de Catelani em concordância com o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, e foi também identificado pelo grupo militar como insuflador, nos bastidores, da campanha #foraSantosCruz nas redes sociais.

As tensões entre militares e a chamada ala ideológica do governo, onde estão os olavistas, se acumulam. A Ordem de Rio Branco, honraria concedida pelo governo brasileiro a pessoas consideradas merecedoras de reconhecimento, condecorou Olavo com a medalha máxima na semana passada. Um conselho do qual faz parte o  Gabinete de Segurança Institucional (GSI) decide os homenageados. Mas o general Augusto Heleno, chefe do GSI, não foi consultado sobre os homenageados deste ano.

Na ala ideológica, Araújo é hoje a peça mais frágil. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, e o secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, são vistos como gestores mais competentes e que têm relação mais estreita com Bolsonaro, pela atuação na campanha eleitoral em 2018. Por sua vez, o chanceler, cujo nome apareceu depois da vitória do presidente, tem uma agenda de política externa vista com ressalvas não apenas pelos militares, mas também pelos políticos tradicionais. A atuação do Brasil na Venezuela, a cooperação de Araújo com os Estados Unidos e o estrategista americano Steve Bannon e a defesa do “canal direto com o povo” feita pelo seu grupo causam arrepios no Congresso Nacional. Teme-se uma guinada autoritária mesmo entre deputados e senadores de direita simpáticos a parte da agenda de Bolsonaro.

Sem expressividade nacional até fevereiro, quando se elegeu presidente do Senado, o amapaense Davi Alcolumbre (DEM) quer dar protagonismo à Casa mesmo que, para isso, cause indisposições políticas. Tornou-se, pois, um aliado de ocasião para os militares do Planalto. Alcolumbre tem se mostrado inclinado a desfazer a imagem de que o Senado sempre chancela, sem questionamentos, os embaixadores indicados pelo governo federal. Há meses, porém, acumulam-se nomes apontados por Bolsonaro para ocupar postos internacionais e, como disse o presidente, substituir aqueles que “não estão vendendo uma boa imagem do Brasil no exterior”. Cerca de dez indicações dormem na gaveta de Alcolumbre, que confidenciou a aliados a pretensão de “fazer parte do processo”, discutir os nomes com o governo e avaliá-los no Senado.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), depois de discussões públicas com Bolsonaro, teve o seu conselheiro diplomático Hélio Ramos indicado para a prestigiosa embaixada em Roma.

Cabe ao presidente do Senado “ler o nome” do embaixador para a Mesa Diretora, isto é, dar ciência da indicação. Só assim o processo segue para a Comissão de Relações Exteriores, onde o diplomata é sabatinado e, se aprovado, submetido ao plenário, que deve chancelá-lo ou não. Alcolumbre ainda não leu cerca de dez nomes e, quando abordado sobre o tema, apenas ri.

Na Casa ao lado, a queda de Catelani também foi comemorada na Câmara por deputados como Alexandre Frota (PSL-SP), que finalmente conseguiu uma audiência na Apex, passados dois dias da saída da diretora. Ele se ressente do fato de ela ter se negado a discutir com o Sindicato da Indústria Audiovisual do Estado de São Paulo (Siaesp) a renovação de um convênio antigo de patrocínio de empresas brasileiras em eventos internacionais. O então presidente da Apex, Mario Vilalva, combinou com o sindicato de estender o contrato por 40 dias para permitir a participação no festival de Cannes, mas Catelani interferiu. O embaixador foi demitido da presidência da agência, e o contrato ficou em suspenso. Foi retomado nesta semana com a posse de Segovia.

O motivo da recusa em negociar, segundo Frota, é o filme Marighella, da O2 Filmes, uma das maiores do país, dirigido por Wagner Moura, sobre um dos símbolos da luta contra a ditadura militar.

“Também sou contra o Marighella e o Wagner Moura, é a história de um assassino, bandido, terrorista. Até aí tudo bem”, disse Frota à piauí. “Mas a O2 produz uma série de outras coisas. O importante é o governo andar pra frente e não ser patrulhado ideologicamente”, criticou.

A Apex se tornou o primeiro campo da batalha entre militares e olavistas. Ligada ao Itamaraty, a agência registra sucessivas baixas desde o início do mandato de Bolsonaro. Além de Catelani, outro diretor, Marcio Coimbra, teve sua exoneração, pedida na semana anterior, confirmada. O que se seguiu nos dias seguintes foi a ocupação de postos-chave por militares e o retorno de alguns que tinham sido demitidos na gestão anterior. Os nomes ainda não foram oficializados.

Catelani protagonizou embates estridentes com o então presidente da Apex, embaixador Mario Vilalva, que deixou a agência acusando-a de promover interesses pessoais no cargo. Para a piauí, ele classificou a agência como um “jardim de infância” do olavismo no governo e chamou a ex-diretora de Negócios de “infantil e despreparada”. Ao jornal Folha de S.Paulo, Vilalva disse que tinha proximidade com os militares do Palácio do Planalto e afirmou que o chanceler não tinha sido leal. Pegou assim uma senha para a fila de potenciais substitutos de Araújo no Itamaraty caso os esforços dos militares para remover o olavista deem certo.

Procurada, a assessoria do Itamaraty não respondeu até a conclusão desta reportagem.

 

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Irlandês – memória e maldição

Filme de Scorsese alcança grandeza ao fazer acerto de contas do diretor com sua obra

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

Ruptura de bolsonaristas com PSL ganhou asas no Twitter

Disputa por controle do partido impulsionou menções a Eduardo e Joice na rede

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

Silêncio na “República de Curitiba”

Com Lula solto, acampamentos de militantes se desfazem, e capital paranaense volta à rotina

Mais textos
1

Trégua negociada atrás das grades

Documento do sistema penitenciário mostra como chefes do tráfico presos em Rondônia disputam à distância o controle da Rocinha

2

Bolsonaro, Marielle e a tempestade no Twitter

Entre os voos para Brasília e a presença do então deputado na Câmara, tempo apertado afasta hipótese de que Bolsonaro estivesse no Rio para receber acusado de matar vereadora  

3

A chicana

Uma floresta contra o autódromo de Crivella e Bolsonaro

4

Fragmentos de vida e morte

Os 300 dias de luto e espera das famílias de pessoas engolidas pela lama em Brumadinho

5

A vida dos outros e a minha

Memórias de uma estudante brasileira fichada pela Stasi

7

O estelionatário

O brasileiro que enganou um mafioso italiano, políticos panamenhos e Donald Trump

8

Foro de Teresina #77: Lula solto, crise na Bolívia e o novo partido de Bolsonaro

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

9

Scorsese pede para se explicar

Quem sonha em fazer filmes enfrenta situação brutal, afirma cineasta

10

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira