FHC critica proibição de cigarros aromatizados

14mar2012_18h27

JAMAICA – Envolto em densa névoa, Fernando Henrique Cardoso criticou a proibição do uso de aditivos aromatizados em cigarros. "A Noruega e a Suíça legalizaram a mistura de orégano, hortelã, páprica e cominho ao fumo. Nossa legislação está muito atrasada", disse o ex-presidente, enquanto mordia uma respeitável fatia de bolo de chocolate com requeijão e doce de leite. A declaração foi prontamente apoiada por Marcelo D2, Fernando Gabeira e pelas ONG Hortaliças Radicais e Aromas do Novo Milênio. Soninha prometeu circular nua de bicicleta polvilhando a cidade com sementes de girassol.

Na contramão de FHC, o Ministério da Saúde anunciou um plano de erradicação do fumo, de Michel Teló e do PMDB até a Copa do Mundo. "O segredo é cortar o mal pela raiz. Depois que o vício se desenvolve, fica muito mais difícil. Vejam só o topete do Roberto Justus e o figurino do Faustão", exemplificou.

Fiel ao amigo FHC, José Serra acolheu prontamente a causa do fumacê aromático em sua campanha. "Vamos quebrar as patentes de todos os aromas. Prometo falar pessoalmente com o Fernando Henrique", vaticinou. Ao ser informado de que não era mais o ministro da Saúde e que FHC não era mais o presidente da República, Serra ficou assustado e perguntou: "Mudou?"

Leia também

FHC pede para ser chamado de THC

Marcelo D2 defenderá a descriminalização do ketchup na pizza

Falsa grávida abrigava candidatos tucanos

Sérgio Cabral anuncia medidas para conter ressacas

Arquivo
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009
O The piauí Herald não é uma seção noticiosa, mas exclusivamente de humor, com sátiras da realidade política do Brasil.