Com dólar beirando R$ 4,20, Alexandre de Moraes é escalado para cortar a moeda

28ago2018_17h05
O candidato João Doria tem estudado mudar o nome para João Dólar para tentar subir nas pesquisas de voto
O candidato João Doria tem estudado mudar o nome para João Dólar para tentar subir nas pesquisas de voto

BAD TRIP – “É uma declaração de guerra. Guerra ao dólar. E essa guerra se combate no front, então a minha presença aqui é simbólica e necessária”, afirmou o ministro do STF Alexandre de Moraes, enquanto usava um facão para decepar zeros e cortar indexações na Bolsa de Valores de São Paulo. “Fui chamado porque todos viram os resultados vitoriosos das minhas ações na guerra às drogas. Mas agora o inimigo é outro, parceiro. E o inimigo, assim como a maconha, é verde”.

Moraes se referia ao famoso episódio ocorrido quando ainda era ministro da Justiça – e resolveu deixar o posto, em Brasília, para destruir pessoalmente uma plantação de maconha. “Me chamavam de Lex Luthor, mas ali eu mostrei que eu nasci pra ser Rambo”, relembrou, orgulhoso. “E agora, com o dólar chegando a R$ 4,20, foi a vez de dar prosseguimento a esta saga da masculinidade.” Desde que escalado para combater o dólar, Moares só tem se referido ao mercado como “elemento”. “Se o elemento acordar agitado amanhã, meto um saco plástico na cabeça da Selic que a taxa desce rapidinho, parceiro.”

Analistas indicam que grupos já agem nos bastidores para barrar as ações de Moraes. Esses grupos estão ligados ao lobby dos parques de diversões nacionais que, com a alta do dólar, vêm tendo altos números de visitantes. “Ninguém aguenta mais a competição com a Disney. Agora o Beto Carrero e o Beach Park já conseguem até pagar o Whindersson Nunes pra descer em toboágua. São nossos melhores tempos”, disse um advogado ligado aos parques.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

1

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

2

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

3

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

6

Aluguel do PSL custa R$ 1,8 milhão à campanha de Bolsonaro

Ex-presidente do partido, Luciano Bivar recebeu sozinho, até agora, 28% dos gastos da cúpula nacional da sigla que cedeu ao ex-capitão

7

O mínimo e o justo

Menos Estado gera mais justiça social?

8

SUS salva Bolsonaro por R$ 367,06

Pago pelo sistema público brasileiro, cirurgião de veias e artérias de Juiz de Fora é tirado de almoço de família para achar e conter hemorragia no candidato

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras