Bolsonaro planeja levar exemplar de O Pequeno Príncipe para próximo debate

29ago2018_19h01
“Esse Pequeno Príncipe é uma mistura de comunista com monarquista e um péssimo exemplo pra juventude”, afirmou o candidato.
“Esse Pequeno Príncipe é uma mistura de comunista com monarquista e um péssimo exemplo pra juventude”, afirmou o candidato.

ESCOLINHA DO PROFESSOR MOURÃO – “É livro de criança transviada. Livro em que menino homem usa cachecol e capinha vermelha. Livro de moleque macho falando com rosa. Cadê a masculinidade? A virilidade? O gogó se formando? O bigode nascendo? Como fica a família brasileira diante dessa ameaça?” Foi com essas frases que o candidato Jair Bolsonaro anunciou que pretende levar um exemplar de O Pequeno Príncipe para o próximo debate na televisão. “E já anuncio também que quando eu for presidente, vou condecorar policial que matar 20 exemplares de cada livro subversivo.

A declaração veio depois de Bolsonaro criticar mais uma vez o livro Aparelho Sexual & Cia durante entrevista no Jornal Nacional de ontem. O candidato afirmou que o livro fazia parte do que batizou de “kit gay” distribuído pelo governo federal a escolas, apesar do livro não constar na lista de distribuição do Ministério da Educação. Sobre seus futuros alvos, afirmou: “É esse aí, O Pequeno Príncipe, que fica falando de moleque jardineiro na Lua, coisa de maconheiro pederasta. Tem também o Almanacão da Turma da Mônica, pois todo mundo sabe que a Mônica é uma clara alusão à Dilma”.

Do outro lado dessa briga estão as editoras, que vêem uma explosão na venda de livros para criança a cada protesto do candidato. Muitas editoras já estão lançando livros contando com a possibilidade de irritar o ex-capitão – na esperança de que, assim, as obras sejam difamadas em rede nacional, e ganhem algum fôlego no combalido mercado editorial. Entre os futuros lançamentos estão a segunda versão de Aparelho Sexual & Cia e a Constituição.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Bolsonaro e Haddad vão ao JN, bombam no Twitter e crescem

Jornal Nacional foi evento mais tuitado das campanhas dos candidatos do PSL e do PT; apresentadores viraram o assunto após as entrevistas

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein