Velório da CLT terá missa terceirizada

30ago2018_18h42
A CLT recebeu a extrema unção no começo do ano
A CLT recebeu a extrema unção no começo do ano

CEMITÉRIO DO JUCÁ – “É um novo conceito em missa, totalmente sustentável”, explicou o marqueteiro e padre do Planalto, Frei Elsinho Mouco de Nazaré. “A reza vai ser transmitida ao vivo, por streaming, direto de um call center de padres em Macau. E se o padre for ruim, é só fechar a aba e tentar outro, sem gastar um centavo a mais. É custo zero pro erário!”

Mouco se referia à firma contratada, pelo governo federal, para coordenar o velório da CLT, morta hoje, após votação no Supremo que decidiu pela terceirização irrestrita dos trabalhadores. “Ela era uma boa pessoa, claro”, contemporizou o marqueteiro de Deus (e de Temer). “Mas já tinha virado um fardo, como aquele avô que insiste em não morrer depois dos 90 anos. Tava sempre repetindo aquele blablablá de direitos do povo, causando constrangimento no jantar de Natal da família do cidadão de bens”.

Apesar de a cerimônia ter sido confirmada, o sepultamento ainda está em aberto, devido à demissão dos coveiros do cemitério de Brasília. A banda marcial que acompanharia o cortejo fúnebre também foi terceirizada, sendo substituída por uma gravação do Coral dos Canarinhos de Petrópolis. A agenda do serviço ainda contará com um show de um grupo de roqueiros freelancers, formado por Lobão, Roger do Ultraje a Rigor e Henrique Meirelles, o famoso Ozzy Osbourne da Faria Lima.

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Bolsonaro e Haddad vão ao JN, bombam no Twitter e crescem

Jornal Nacional foi evento mais tuitado das campanhas dos candidatos do PSL e do PT; apresentadores viraram o assunto após as entrevistas

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein