Novela vai mostrar o primeiro beijo fascista da TV brasileira

11out2018_18h21
Kim Kataguiri negou boatos de que seja ele na foto
Kim Kataguiri negou boatos de que seja ele na foto

TREVAS, CÂMERA, AÇÃO – Momento histórico para a teledramaturgia nacional. Em decisão inédita e corajosa, a rede Record anunciou, ontem, que sua próxima novela, “Meu homem de bem, meu mal”, vai mostrar um casal dando um beijo fascista. A decisão gerou um longo debate na cúpula da emissora. “Havia a dúvida se o Brasil estava pronto para ver um casal hétero se beijando durante um linchamento de índios, quilombolas, estrangeiros e homossexuais”, explicou a emissora por meio de nota. “Mas ficou decidido que isso passou a ser algo plenamente aceito pela sociedade, que tem progredido muito em termos de dar espaço para as maiorias xenófobas.”

“O fascismo não é uma escolha, é algo que você carrega desde o nascimento”, comentou, comovido, o youtuber e deputado Vovó Fascistei. “Por muito tempo esse grupo foi perseguido e negligenciado pelos governos comunistas, que transformaram o Shopping Cidade Jardim numa Cuba. Mas hoje digo, com orgulho, que os fascistas têm tido a coragem de sair do armário. Já podemos sair na rua xingando mulheres e gays, ou fazendo arminha com a mão de crianças. Nada mais natural, portanto, que as novelas retratassem essa realidade.” O também deputado e ex-ator pornô Alexandre Frota viu a medida com bons olhos: “Cheguei a me oferecer pro papel, mas a cúpula da emissora me achou pudico demais para contracenar com a mocinha da história, que vai ser a Joice Hasselmann.”

A Record também aproveitou o evento para anunciar seu novo manual de redação, que passou a vigorar depois que o bispo Edir Macedo declarou apoio ao candidato Jair Bolsonaro. Termos da ditadura gayzista, como “homossexual”, passam a dar lugar a palavras mais adequadas, como “viadinho” e “pederasta”. “É um marco importante para o país, que passa por um momento de fascismo reverso, em que tem havido tanta intolerância à nossa intolerância”, afirmou um fascista anônimo por meio de caixa de comentários de um portal de notícias.