Temendo retorno à Terra, sonda da NASA pede asilo em Marte

28nov2018_16h59
Um marciano ficou chocado ao saber, pela sonda, que Olavo de Carvalho emplacou dois ministros no governo Bolsonaro: “Nem em Plutão uma coisa dessas aconteceria”
Um marciano ficou chocado ao saber, pela sonda, que Olavo de Carvalho emplacou dois ministros no governo Bolsonaro: “Nem em Plutão uma coisa dessas aconteceria”

BUILD A GREAT GREAT WALL-E – Crise diplomática na Via Láctea. Em um movimento inesperado, a sonda Mars InSight, da NASA, pediu asilo político dois dias depois de pousar em Marte. A decisão, repassada à agência espacial por código morse, foi tomada depois de a máquina saber que poderia ser enquadrada como imigrante no retorno à Terra. “Mil vezes o exílio em Marte a ser imigrante durante o governo Trump”, explicou o aparato, que passou a ser chamado de “esquerdista, comunista, maoísta, gramscista, petista e gayzista” pela rede de tevê Fox News.

Fontes deste The piauí Herald em Marte contam que a escolha da Mars InSight foi feita depois de uma longa conversa com a sonda Mars Pathfinder, que vive no planeta vermelho desde 1997. Pathfinder teria convencido a novata das vantagens de se viver num planeta que não corre o risco de ter o pastor Marcos Feliciano ou o cantor Magno Malta à frente de um ministério. O argumento definitivo para convencê-la teria sido o seguinte: “0001001111001010111101010101.”

“É claro que essa sonda falaria mal da nossa equipe, não é à toa que foi morar no planeta vermelho. Deve ser parente dos navios-sonda da Petrobras”, disse o presidente eleito Jair Bolsonaro, diante das críticas do equipamento. “Além do quê, é melhor não voltar mesmo, porque depois sai dizendo fake news de que a Terra é redonda, e o povo acredita”. A briga entre a sonda e Bolsonaro foi comemorada pelo futuro ministro da Ciência, o Astronauta Brasileiro Marcos Pontes, que chegou a temer perder seu lugar no futuro governo: “Ela ia vir super preparada, porque Marte é que nem Brasília; nada lá tem muita gravidade.”