Dias Toffoli é canonizado no STF após ressurreição do auxílio-moradia

18dez2018_18h39
O anúncio do milagre fez com que milhares de juízes formassem filas na porta do gabinete de Toffoli em busca de bênçãos e auxílios antes considerados impossíveis
O anúncio do milagre fez com que milhares de juízes formassem filas na porta do gabinete de Toffoli em busca de bênçãos e auxílios antes considerados impossíveis

JUSTIÇA DIVINA – “É o quarto segredo de Fátima”, balbuciou, aos prantos, o frade do STF Ricardo Lewandowski, após a votação desta terça, no CNJ, que restituiu o auxílio-moradia da magistratura. “Foi uma aparição divina, não tenho dúvida. Na semana passada, o auxílio não existia. E agora voltou a aparecer na conta bancária dos meus irmãos em Corte. Um milagre desses não acontece todo dia.”

A ressurreição do auxílio-moradia após três semanas de sua morte fez com que o frei Luiz Fux expedisse uma liminar canonizando o atual presidente do STF, o abade Dias Toffoli, responsável por colocar o tema em pauta no CNJ. “O procedimento correto seria pedir a canonização ao Vaticano, mas a liminar tem a vantagem de ser mais rápida, e de poder ser revogada sempre que surgir a necessidade de uma nova chantagem”, explicou frei Fux. “Agora a gente diz que tem dois Messias em Brasília. Um no Planalto e outro no STF”.

Para celebrar o milagre já foi encomendado um afresco que será pintado por Romero Britto no teto do plenário do STF. A imagem contará a história da criação e multiplicação dos penduricalhos, além de ilustrar a dura vida dos magistrados durante a travessia pelo deserto dos Reais, quando foram obrigados a viver apenas com um salário de R$ 39 mil. A verba para a obra foi aprovada por unanimidade em sessão extraordinária.