“Pra esculhambar o STF, basta um auxílio-moradia e uma liminar”, diz Marco Aurélio

19dez2018_19h02
“Quando eu penso que estou fora eles me puxam de volta”, afirmou o Ministro Marco Aurélio parafraseando Michael Corleone
“Quando eu penso que estou fora eles me puxam de volta”, afirmou o Ministro Marco Aurélio parafraseando Michael Corleone

UNIVERSO PARALELO – “Pra esculhambar o STF, basta um auxílio-moradia e uma liminar”, explicou o ministro do STF Marco Aurélio Mello, durante uma palestra, hoje de tarde, em que ensinou técnicas de desmoralização da suprema corte. “Não é desmerecer o auxílio-moradia, nem a liminar”, continuou, mencionando também o aumento salarial dos ministros, sancionado por Michel Temer no mês passado. “Foram três decisões muito bem executadas, de forma a dar ao Supremo o desprezo popular que ele merece. Uma república de bananas como o Brasil só pode funcionar se tiver um STF à altura da esculhambação geral.”

Apesar da aparente união dos ministros em prol de um Supremo pior, Marco Aurélio revelou, durante a palestra, que a liminar que ele expediu hoje, determinado a soltura de todos os presos condenados em 2ª instância, acabou por gerar um racha na corte. Até ontem, Dias Toffoli acreditava que a volta do auxílio-moradia o havia colocado como líder natural da implosão jurídica do país. Agora paira no ar um medo de um possível revide de Gilmar Mendes ou Ricardo Lewandowski, que poderia trazer consequências inimagináveis ao plenário.

A movimentação recente do Supremo também causou preocupação no traficante Marcola, líder do PCC, que tem receado perder a dianteira no ranking das máfias mais organizadas do país. “Pô, eu sou um só comandando tudo. Aí os caras vêm com onze de uma vez, tática de guerrilha, cada um atirando pra um lado. Como é que eu vou competir?”, desabafou Marcola, num áudio enviado para os seus comandados. “E como é que eu vou fazer o povo na rua ter medo de mim se eles têm muito mais medo da próxima liminar?”

Arquivo
O The piauí Herald não é uma seção noticiosa, mas exclusivamente de humor, com sátiras da realidade política do Brasil.