Miliciano é cancelado por se fantasiar de presidente

19fev2020_10h54
O presidente Jair Bolsonaro pretende tombar a arminha de mão como patrimônio imaterial reconhecido pelo Iphan, o Instituto do Policial Histórico e Artístico Nacional
O presidente Jair Bolsonaro pretende tombar a arminha de mão como patrimônio imaterial reconhecido pelo Iphan, o Instituto do Policial Histórico e Artístico Nacional
LUGAR DE BALA – Polêmica no carnaval. Um miliciano do Rio de Janeiro foi cancelado (não confundir com fuzilado) por seus companheiros de crime ao se fantasiar de presidente da República. A fantasia caiu como uma bomba (fabricada pela Taurus) no grêmio estudantil de Rio das Pedras, encabeçado por um grupo de ex-PMs conhecidos pelo ativismo em áreas como gás, gatonet e assassinato de aluguel.
“Nós passamos décadas lutando para ter um lugar de fala, impondo a nossa cultura para conseguir ser respeitado por aquilo que nós somos”, explicou o ativista paramilitar Lobato. “Aí vem esse sujeito, em pleno carnaval, e resolve vestir uma fantasia que não condiz com os nossos valores.”
Para Lobato – que chegou a ser cotado para ministro da Casa Civil -, o mais duro é ver que o cidadão continua fazendo uso de termos e práticas típicos da milícia – como queima de arquivo, insulto a mulher e agressão arbitrária – mesmo negando a indumentária característica do grupo. “Ele precisa se decidir sobre quem é. Precisa honrar os antigos, sem medo de defender nossa tradição. Se não vai continuar cancelado.”
Arquivo
  • 2020
  • 2019
  • 2018
  • 2017
  • 2016
  • 2015
  • 2014
  • 2013
  • 2012
  • 2011
  • 2010
  • 2009
O The piauí Herald não é uma seção noticiosa, mas exclusivamente de humor, com sátiras da realidade política do Brasil.