questões cinematográficas

Jean-Luc Godard – um seguidor fiel

Recebi de Armando Freitas Filho, godardiano confesso, o email transcrito a seguir, em que ele comenta o texto publicado na piauí deste mês sobre o documentário “Godard, Truffaut e a Nouvelle Vague”. 

Eduardo Escorel
18jun2010_11h22

Recebi de Armando Freitas Filho, godardiano confesso, o email transcrito a seguir, em que ele comenta o texto publicado na piauí deste mês sobre o documentário “Godard, Truffaut e a Nouvelle Vague”.

*

From: armando freitas filho
Date: Sun, 13 Jun 2010 17:51:46 -0300
To: Eduardo Escorel
Subject: GODARD AGAIN AND EVER

Esperei para ler sua apreciação depois de ver o filme. Afinal, não custa nem que seja por duas horas apenas, ser um “puro” como Jean-Luc, para o bem e para o mal. Um suíço que só acredita no seu relógio e o fabrica a vida inteira. Mesmo que seja um suíço sui generis, que dá uma martelada em cada Pateck, para o fazer de novo, novamente, um novo. Sua resenha está boa e fiel ao que se vê na tela. Entrei no cinema decidido: vou tentar não ler as legendas, tão sequioso eu estava pelas imagens nunca vistas de Jean Luc. Não deu muito certo: vou ter que comprar o DVD para ter em casa. Perdi nos dois campos: saí do cinema exausto, fiquei até sonolento no meio do filme, não achei o pão seco que levo no bolso sempre que vou assistir um filme desde o advento das pipocas: foi parar debaixo da cadeira e só quando a luz acendeu o recuperei. Brigas como essas (Sartre x Camus, Carlos Drummond x João Cabral, Mario x Oswald, Jean Luc x Truffaut) que nascem de um amor profundo e de uma vigilância do outro ou pelo outro apaixonada, não podem permitir perdão. Se ele não é como eu, se ele é como jamais poderei ser, ele me deve, ao menos uma fidelidade... impossível. Aí, quando essa constatação se instala, o espelho perde o caixilho, deixa de ser especulação e trai, e quebra, e vira o vero retrato de Dorian Gray no nosso quarto irremediável, e que não pode ter reparação. É Godard, com sua cara de trabalho, com a barba por fazer como sempre, com um filme por fazer como sempre, com um incrível robe de chambre vermelho, chamuscado ou adamascado e rosto alucinógeno e François, bem posto, escanhoado, de jaqueta de couro fashion, ou antes, ao lado de Cocteau colaboracionista (ou quase) de smoking. Só não concordei com ‘mesquinharia e insolência’, compreendidos como fraquezas de caráter; elas são, para mim, as armas possíveis numa era de insolvência, na falta de outro nome. Sim, eu sou um dos poucos “fiéis que restam”. Mas do que isso: sou fanático mesmo. Se não pude ser como ele, entrelaçando obra e vida, com tamanha fé como um relojoeiro maluco, continuo aplaudindo e saindo pela rua embargado da mesma maneira que saí do Riviera nos anos 60, depois de ver “Acossado”, de um desconhecido, das duas às seis - única vez que vi um filme assim em duas sessões contínuas. A embriaguês foi tanta que fui num bar e pedi para telefonar: me veio um telefone preto pegajoso com gosto de alho e hálito de caverna. Disse então para um amigo: “acabei de ver um filme de um tal de Godard que vai desbancar Bergman e Antonioni”. Truffaut foi mais certeiro ou mais fanático: "há o cinema antes de Godard e depois de Godard". Se é assim, tudo lhe é devido mesmo. Grande  abraço. Armando.

 

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Polícias fraturadas

PM adotou padrões de risco distintos ao coibir protestos deste domingo; na PF, fronteiras entre segurança e política são ainda mais tênues 

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

Foro de Teresina #102: Tensão máxima no Planalto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Rebelião contra Aras

Ao protestar contra inquérito das fake news, chefe do Ministério Público Federal deflagra reação na instituição

3

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

4

Bolsonaro seduz policiais militares com promessas, cargos e poder

Entre o capitão e os governadores, é preciso saber para onde irá a Polícia Militar

5

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

6

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

7

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

8

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

9

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

10

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores