questões do futebol

Jogo do Deita

Depois do Jogo do Senta, acontecido há quase setenta anos e tema do post publicado na última quarta-feira, semana passada tivemos o Jogo do Deita. Sem receber salários há dois meses e direitos de imagem há quatro, os jogadores do Grêmio Barueri decidiram não ir a campo para enfrentar o Operário de Mato Grosso, pela série D. Em solidariedade, os onze do Operário deitaram no gramado, dando boa contribuição ao repertório de protestos criativos lançados pelo Bom Senso FC, a fim de denunciar o atraso na organização do futebol brasileiro, pressionar a CBF por mudanças, neutralizar a Bancada da Bola e pedir ao governo que pare de se fingir de morto.

Jorge Murtinho
26ago2014_15h54

Depois do Jogo do Senta, acontecido há quase setenta anos e tema do post publicado na última quarta-feira, semana passada tivemos o Jogo do Deita. Sem receber salários há dois meses e direitos de imagem há quatro, os jogadores do Grêmio Barueri decidiram não ir a campo para enfrentar o Operário de Mato Grosso, pela série D. Em solidariedade, os onze do Operário deitaram no gramado, dando boa contribuição ao repertório de protestos criativos lançados pelo Bom Senso FC, a fim de denunciar o atraso na organização do futebol brasileiro, pressionar a CBF por mudanças, neutralizar a Bancada da Bola e pedir ao governo que pare de se fingir de morto.

Ano passado, os jogadores entraram em campo com faixas, fizeram minuto de silêncio, cruzaram os braços após o apito inicial, sentaram no gramado e, na mais bacana de todas as ações, trocaram bolas de um lado a outro do campo, de um time para o outro, durante quase um minuto. O gesto dos jogadores do Operário valeu pela simbologia: mostrar um futebol que parece deitado em berço não tão esplêndido.

Além disso, o fato de ter acontecido por um problema com o Grêmio Barueri é sugestivo, e poderia ser a senha para o Bom Senso enquadrar os clubes de aluguel, esses estranhos jabutis depositados na árvore do futebol brasileiro e entre os quais o Grêmio Barueri é um dos destaques. Estreou na série A em 2009, e não fez feio. Surpreendentemente, na temporada seguinte o time mudou de nome e de cidade, virou Grêmio Prudente e se desfez de nove titulares. Não houve o menor cuidado em disfarçar que não se tratava de um clube, e sim de um balcão de negócios. No final de 2010 o Grêmio Prudente caiu para a segundona e, talvez por não se adaptar à culinária do oeste paulista, retornou a Barueri e recuperou o nome de batismo. O regresso à terra natal de nada adiantou, o time continuou despencando e hoje disputa a série D.

Numa tarde de sábado de 2009, eu estava em frente à tevê no jogo em que o Guarani garantiu sua volta à primeira divisão. Em meio à festa, um repórter perguntou ao então treinador Vadão quais eram os planos para 2010. Vadão respondeu que não tinha plano algum, já que nenhum dos jogadores pertencia ao clube e ele não sabia com quais poderia contar. Aquele Guarani apenas emprestava sua camisa – que já conquistara um Campeonato Brasileiro, em 1978, além de um vice em 1986 – para vestir os investimentos de um grupo de empresários. Da mesma forma que o Grêmio Barueri, ou Grêmio Prudente, ou seja lá que nome tenha o time quando você estiver lendo esse post, o Guarani voltou para a segundona em 2010 e caiu para a terceira em 2012, onde segue patinando (em 2013 terminou em 14º lugar e este ano faz campanha medíocre).



O Ipatinga, que também já passou pela série A do Brasileirão, em 2013 fez as malas e partiu para Betim, adotando o nome de sua nova cidade. Sofrendo de crise de identidade, voltou para Ipatinga mas manteve o nome de Betim, e hoje faz companhia ao Grêmio Barueri na série D. E por aí vai. São inúmeros os tais “clubes-vitrines” (irônico nome oficialmente adotado por quem deles se utiliza), que servem aos interesses de fundos de investimento, de prefeitos que enxergam no futebol um meio de melhorar a percepção de suas administrações ou de arrivistas que tudo o que querem daquele time é uma efêmera passagem pela primeira divisão, suficiente para enriquecer o currículo de seus contratados e, a curto prazo, os próprios bolsos. Clubes, torcidas e tradição que se danem.

Provavelmente não resolveria de vez, mas uma das saídas seria rever o critério de subida e descida entre a primeira e a segunda divisões. Poderíamos pelo menos pôr em discussão outras fórmulas existentes, como a que leva em conta a média dos pontos conquistados nas três últimas temporadas. Ou pensar em algo semelhante a um torneio da morte, promovendo confrontos diretos, ou triangulares, ou quadrangulares, seja o que for, para decidir se alguém cairá ou subirá. Tornar mais lento e trabalhoso o acesso à série A dificultaria a vida de quem só pensa em lucros imediatos, já que os clubes teriam que ralar alguns bons anos até alcançar a visibilidade garantida pelos jogos contra os grandes.

Sim: não há espaço para uma discussão como essa no futebol do século XXI, em que o dinheiro virou senhor absoluto e atua sem que se pergunte de onde ele vem ou a que está servindo. Mas não precisamos de mais coisas que puxem o nosso futebol para baixo.

Também não é justo exigir do Bom Senso solução para tudo, sob o risco de daqui a pouco cobrarmos uma posição do grupo em relação aos baixos níveis da reserva da Cantareira. No entanto, conhecidas as propostas iniciais do movimento e – batidinhas na madeira – obtidas suas primeiras vitórias, talvez seja o caso de apontar o foco para essas aberrações que hoje inundam o futebol brasileiro.

Jorge Murtinho

Jorge Murtinho foi autor do blog questões de futebol no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marcadores do destino

Marcadores presentes no sangue podem aumentar ou diminuir os riscos do paciente infectado pela Covid-19 em desenvolver casos graves da doença

De puxadinho da Universal a queridinho da direita

No espaço deixado pelo PSL, Republicanos dobra número de prefeitos e se torna partido com mais vereadores eleitos em capitais

Foro de Teresina #128: As urnas, o racismo e o vírus

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Teatro político

Ricardo Nunes, vice da chapa de Bruno Covas, faz encontro em teatro que recebeu repasse de 150 mil reais autorizado pela prefeitura de São Paulo

Confiança no SUS tem crescimento recorde na pandemia

Pesquisa inédita do Ibope mostra que, em 2020, a população passou a confiar mais em quase todas as instituições – menos no presidente e seu governo

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Mais textos
3

Na cola de quem cola

A apoteose da tecnologia e o adeus aos estudos

6

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

7

Janelas para o passado

Vêm da Inglaterra iniciativas interessantes lançadas na internet esta semana que ajudam a entender melhor duas civilizações antigas. Um projeto disponibiliza na rede fragmentos de papiros egípcios da época da ocupação grega, incluindo textos de Platão, Heródoto e Epicuro, e convida os internautas para ajudar a decifrá-los. Foi inaugurada também uma biblioteca digital de manuscritos de Avicena e outros nomes da medicina árabe do período medieval.

8

Miriam

Miriam, a mulher com um problema na garganta

9

PMDB decide apoiar Obama e Raúl Castro

"Abaixo o capitalismo e o socialismo! Viva o fisiologismo!", discursou Temer