questões manuscritas

Kennedy esquece quem pagou o seu carro

No momento em que se celebra os cinquenta anos de um dos eventos mais traumáticos do século XX, o assassinato do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, o documento reproduzido nesta página permite evocar sua figura aos trinta e oito anos, quatro antes de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Filho de um empresário milionário que havia sido embaixador dos Estados Unidos na Inglaterra logo antes da guerra, Kennedy, apelidado Jack, foi o presidente eleito mais moço e o primeiro e único católico.

Pedro Corrêa do Lago
19nov2013_23h37

No momento em que se celebra os cinquenta anos de um dos eventos mais traumáticos do século XX, o assassinato do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, o documento reproduzido nesta página permite evocar sua figura aos trinta e oito anos, quatro antes de ser eleito.

Filho de um empresário milionário que havia sido embaixador dos Estados Unidos na Inglaterra logo antes da guerra, Kennedy, apelidado Jack, foi o presidente eleito mais moço.

O jovem Kennedy havia se casado com uma das moças mais bonitas e glamurosas dos Estados Unidos, Jacqueline Bouvier, depois conhecida como Jackie Kennedy. Formavam juntos um casal que logo impressionou o resto do mundo, pois a elegância de Jackie e a boa aparência de Jack ajudaram a criar uma mística em torno da Casa Branca, cuja memória marcou gerações e perdurou por décadas.

Este documento é uma carta dirigida a Kennedy pelo advogado e administrador de seu pai, Thomas Walsh, que supervisionava as finanças da família. Walsh submete a Kennedy as despesas dos primeiros nove meses do ano de 1955: as quantias são altíssimas, pois um dólar de 1955 é equivalente a mais de 20 dólares atuais em ternos de poder aquisitivo.



As despesas médicas são as mais elevadas, acima de vinte mil dólares (o equivalente hoje a cerca de quatrocentos mil), pois a saúde de Kennedy era delicada e suas costas o fizeram sofrer toda a vida, após um acidente grave durante a Segunda Guerra Mundial.

A segunda despesa mais alta é de “lojas de departamentos”. Pode-se imaginar que a jovem Jackie gastasse livremente em roupas, sapatos e acessórios e teria dispendido assim o equivalente a quase duzentos e cinquenta mil dólares em nove meses.

Mas a despesa que mais surpreende é a do automóvel, que custou na época menos de dois mil e quinhentos dólares, o equivalente hoje a cinquenta mil.

Kennedy faz uma observação manuscrita ao lado da menção da compra do carro, pois parece lembrar-se que a desembolso não foi dele: “Tom, isto está errado. Acredito que papai já tenha dado um cheque para pagá-lo. Jack”.

Aparentemente, Kennedy lembrou-se que seu pai já lhe havia dado de presente o carro que usava e que essa despesa deveria ser descontada da relação de seus gastos até setembro de 1955.

Kennedy já era senador e pode-se imaginar que com sua confortável fortuna não medisse despesas para satisfazer os caprichos de Jackie ou os gastos  que sua condição de saúde lhe impunha, mas é curioso que não tenha sequer certeza de quem pagou seu automóvel.

Os documentos escritos ou assinados por Kennedy têm sido cobiçados por muitos colecionadores desde a sua morte, mas tornaram-se mais abundantes nas últimas décadas, à medida que morriam seus correspondentes e suas cartas eram oferecidas no mercado.

São hoje bastante mais comuns, mas aquelas de conteúdo mais interessante ainda suscitam disputa em leilões.

Pedro Corrêa do Lago

Pedro Corrêa do Lago é mestre em economia pela PUC - Rio. Foi autor do blog questões manuscritas no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Virada eleitoral: missão (im)possível?

Só uma em cada quatro disputas de segundo turno teve reviravolta em relação ao primeiro nas últimas seis eleições municipais

Parente é serpente, visse!

Disputa ferrenha no Recife expõe influência da viúva de Eduardo Campos na campanha do filho João; aliança pró-Marília Arraes reúne de Lula a figuras próximas do bolsonarismo

A morte de um cinema de rua

Empresário que administrou por dez anos o Cine Joia, em Copacabana, relata crise que levou o cinema a fechar as portas após oito meses de pandemia

Assassinato no supermercado

Inépcia e inoperância do governo federal desautorizam expectativas favoráveis em qualquer frente - inclusive no audiovisual

Derrota por correspondência

Filho de imigrantes brasileiros, gay e conservador, o republicano George Santos já se considerava eleito deputado federal por Nova York – até chegarem os votos retardatários pelos correios

O novo Tio Sam e o Brasil

Biden terá que reatar tratados e rever estratégia de acordos bilaterais; guerra comercial é desastre para exportações brasileiras

Foro de Teresina ao vivo no segundo turno

Saiba como acompanhar a transmissão

Mais textos