questões cinematográficas

Los Perros – virtudes e insuficiências

Longa da chilena Marcela Said impressiona críticos pelo viés feminista, mas tem dificuldade para convencer o público

Eduardo Escorel
19jul2018_00h50
“<i>Los Perros</i> impressiona por seu alto padrão da fatura, em especial a qualidade das interpretações de Zegers e de Castro”, escreve Escorel
Los Perros impressiona por seu alto padrão da fatura, em especial a qualidade das interpretações de Zegers e de Castro”, escreve Escorel FOTO_REPRODUÇAO LOS PERROS

Depois de ter estranhado o título em português – Cachorros –, verifiquei que o original, em espanhol, começa com o artigo “Los” que faz toda a diferença. Na Europa, Los Perros foi batizado de Mariana, uma boa opção por ser o nome da personagem principal. Só Cachorros, solto assim no vácuo, além de não servir como atrativo, ainda causa certa estranheza que é preciso vencer para ir assistir ao filme escrito e dirigido por Marcela Said.

Said, chilena radicada na França, dirigiu três documentários – Eu Amo Pinochet (2001), Opus Dei (2006) e O Menino (2011) –, todos de temática política, como deixam claro os títulos dos dois primeiros. O terceiro é enigmático, mas o filme retrata um faz-tudo que trabalhava em um centro de tortura durante os anos de ditadura, no Chile (1973-90).

Los Perros, segundo longa-metragem de Said, é um filme sobre a opressão. Mariana (Antonia Zegers) é oprimida por um vizinho, por seu marido e por seu pai. Burguesa petulante de meia-idade, ela canaliza seu afeto para cachorros (los perros, do título original) e cavalos, vítimas por sua vez, como as mulheres, da opressão dos homens.

Insatisfeita, Mariana atiça homens improváveis – um policial, com quem chega a ter uma relação fugaz, e Juan (Alfredo Castro), seu professor de equitação, antigo oficial da cavalaria, sob investigação por violação de direitos humanos cometida durante a ditadura Pinochet.

Los Perros impressiona por seu alto padrão da fatura, em especial a qualidade das interpretações de Zegers e de Castro, mas também a fotografia e o modo de filmar, ao mesmo tempo preciso, sóbrio e eficiente. Menos satisfatório, porém, é o perfil da personagem central que tem algo de Branca de Neve – Mariana parece ter ficado desacordada por mais de vinte anos, desde o fim da ditadura, sem que o filme indique, porém, como foi que ela começou a despertar para os crimes do passado.

Ainda assim, há algo que Los Perros compartilha, apesar de suas insuficiências, com certos filmes chilenos e argentinos, e que chama atenção de quem acompanha de perto o cinema brasileiro. Primeiro, o simples fato de lidarem com os crimes e criminosos dos anos de ditadura, o que não ocorre, ou ocorre pouco entre nós. Depois, e tão ou mais importante, o fato de tratarem do tema de maneira adulta, enquanto nosso cinema parece estacionado, em grande parte, na adolescência e mesmo, em alguns casos, na infância.

Said teve seu primeiro longa-metragem de ficção, O Verão dos Peixes-Voadores, exibido na Quinzena dos Realizadores, em 2013, e Cachorros na Semana da Crítica, em 2017, ambos eventos do Festival de Cannes. Essas credenciais parecem ter impressionado demais alguns críticos brasileiros, que aplaudem o filme mais por seu viés feminista do que por qualquer outra coisa. O público, porém, se mantém arredio. Nas duas primeira semanas, depois da estreia em 5 de julho, 2 935 ingressos foram vendidos em quatro cinemas – resultado sofrível que o filme certamente não merece.

Curiosamente, no domingo, 15 de julho, depois da lamentável derrota da Croácia para a França, a sala do NET Rio estava lotada na sessão das 17h50 – difícil saber se haveria alguma relação entre um fato e outro.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Moro em baixa, Bolsonaro em alta

Monitoramento revela que, após demissões e vazamentos da Lava Jato, sentimento positivo do Twitter sobre o presidente atinge ponto mais alto desde a posse

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4
5

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

7

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

8

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

10

Democracia corrompida

Políticos, empresários e partidos em vertigem no documentário de Petra Costa