A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Este é o time de conselheiros da Lupa

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
15.out.2015 | 09h04 |

A Lupa trouxe para o Brasil um modelo de jornalismo inovador que já se provou relevante em diversos países. Mas, para adaptá-lo à realidade nacional, convidou um grupo de jornalistas que admira para integrar seu conselho editorial e consultivo. Com o time, costuma trocar ideias, debater estratégias, discutir pautas e também colher críticas – sempre buscando aprimorar seu jornalismo.

Conselho 2017-2018:

Dorrit Harazim, Daniela Pinheiro, Chico Otavio, Ricardo Gandour, Marcelo Lins*, Fernanda da Escóssia*, Gilberto Scofield, Jefferson Barbosa e José Brito.

*Atualização: no início da campanha eleitoral de 2018, Fernanda da Escóssia assumiu o posto de ombudsman da Lupa, e Marcelo Lins precisou se afastar por questões profissionais.

Dorrit Harazim é colunista do Globo, Prêmio Gabriel García Marquez e Maria Moors Cabot. Conheceu Cristina Tardáguila, nossa diretora, quando trabalhavam na revista piauí (2011-2015). Com frequência, Dorrit sugere pautas e compartilha links sobre o avanço do fact-checking no mundo.

Daniela Pinheiro, hoje diretora de Redação da revista Época, viu a Lupa nascer também na piauí. Tem o costume de sugerir checagens e estimular nossas parcerias comerciais.

Ricardo Gandour, atual diretor executivo de Jornalismo da Rede CBN, entrou para o conselho da Lupa quando ainda dirigia o jornal Estado de S.Paulo. Apoiou a Lupa de forma consistente quando a empresa decidiu inovar e ser a primeira agência de notícias do país a fazer checagens em rádio.

Chico Otavio é repórter especial do jornal O Globo e tem sido o conselheiro mais ativo da Lupa. Opina em pautas, sugere fontes e participa ativamente na seleção do corpo de profissionais – uma vez que também trabalha como professor de Jornalismo da PUC-Rio. Chico também acumula a função de conselheiro administrativo da agência.

Jefferson Barbosa é o mais novo do conselho. Ainda estuda Jornalismo na PUC-Rio e já trabalha como Coordenador da Voz da Baixada, uma plataforma que tem por missão trazer à tona notícias sobre áreas do Rio de Janeiro que não costumam ser cobertas pela grande mídia. É um militante das causas das minorias e nos ajudará a jamais esquecê-las.

José Brito é gerente de Distribuição do Canal Futura. Entra para o conselho da Lupa para apoiar o projeto LupaEducação, braço da agência responsável por treinamento de profissionais de comunicação e interessados em fact-checking como um todo. Com a ajuda dele, a Lupa chega às escolas de Ensino Médio.

Gilberto Scofield é chefe da assessoria de comunicação e marketing da Agência Nacional do Cinema (Ancine). Costuma ser publicamente crítico à imprensa, apontando novos caminhos, dando novas ideias. Tem especial interesse no universo digital e é especialista em marketing digital.

Conselho 2015-2016:

Dorrit Harazim, Daniela Pinheiro, Chico Otavio, Ricardo Gandour, Marcelo Lins, Sergio Davila, Ascanio Seleme, Antônio Gois, Luiz Fernando Viana e Fernando Barros Silva.

˜Somos muito agradecidos aos jornalistas que integraram a primeira edição do conselho. Alguns deles deixam a posição pelo volume de trabalho que acumularam. São pessoas que dirigem grandes redações e que estarão diante de novos desafios. Outros passaram a viver fora do Brasil ou a cuidar de projetos que não estão intimamente ligados ao hard news. Suas sugestões e críticas continuam sendo muito bem-vindas. Se a Lupa avançou é porque todos eles contribuíram para isso. Nossa gratidão não tem tamanho”, diz Cristina Tardáguila, diretora da agência.

(Atualização feita em 21 de dezembro de 2018)

Mas de onde vem o fact-checking?

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo