A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

 O ministro da Saúde, Marcelo Castro, durante balanço da mobilização contra o Mosquito Aedes Aegypti (Elza Fiuza/Agência Brasil)
O ministro da Saúde, Marcelo Castro, durante balanço da mobilização contra o Mosquito Aedes Aegypti (Elza Fiuza/Agência Brasil)

Zika: Ministro tem mais certeza que OMS

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
16.fev.2016 | 17h31 |

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou em entrevista coletiva concedida na segunda-feira (15/2) que o Ministério da Saúde não tem dúvidas sobre a relação do vírus zika com a microcefalia. Ao falar sobre o combate travado pelo governo federal contra o mosquito Aedes aegypti, Castro declarou:

“Para nós, os cientistas brasileiros, os nossos pesquisadores, não há nenhuma dúvida desde o dia 29 de novembro, quando foi declarado de maneira peremptória pelo Ministério da Saúde que a epidemia de microcefalia, que nós estamos vivemos hoje no Brasil, é consequência direta, tem como causalidade, a epidemia do vírus zika”.

AINDA É CEDO PARA DIZER

A comunidade científica brasileira não possui opinião unânime sobre o assunto. Em 17 de novembro, o Instituto Oswaldo Cruz, concluiu diagnósticos laboratoriais que constataram a presença do vírus zika em amostras de duas gestantes do estado da Paraíba, cujos fetos foram confirmados com microcefalia. No entanto, o instituto afirmou que a descoberta não era suficiente para “estabelecer uma relação causal entre o vírus zika e os casos de microcefalia nestas gestantes.”

O próprio Ministério da Saúde ainda trata, em seu site, a situação como uma hipótese provável.

Apesar de alguns estudos, como um publicado recentemente pelo “The New England Journal of Medicine” , apontarem nesta direção, a Organização Mundial de Saúde (OMS), principal órgão de fiscalização sanitária do mundo, também ainda não chancelou que o vírus zika é a causa da má-formação cerebral de bebês.

No site da OMS, o órgão afirma que “tem-se observado uma possível associação entre o invulgar aumento de casos de zika e casos de microcefalia no Brasil”.

O órgão trata o tema com cautela.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo