Tem certeza que deseja sair da sua conta?
Eleição de Eduardo Cunha para presidência da Câmara (Agência Brasil)
Eleição de Eduardo Cunha para presidência da Câmara (Agência Brasil)

Foro privilegiado: 57 parlamentares são réus no Supremo Tribunal Federal

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
04.abr.2016 | 08h40 |

Na primeira semana de março, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por unanimidade abrir processo por corrupção e lavagem contra o presidente da Câmara, o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ao comentar a decisão dos ministros da Corte, Cunha disse que a abertura da ação penal não mudava sua situação, que não sentia qualquer constrangimento. Lembrou que já tinha sido réu no Supremo e que fora absolvido. Em seguida, completou:

“Tem mais de 70 ou 80 parlamentares que são réus (no STF)”

EXAGERADO

A Lupa obteve com exclusividade junto ao Supremo a lista de todas as ações penais que tramitavam na Corte até a última quarta-feira (30). Nela, foram identificados 81 processos que têm 57 parlamentares da atual Legislatura como réus.

Na Câmara, 51 dos 513 deputados (10%) respondem por 70 ações penais. Já no Senado, seis dos 81 senadores (7,4%) respondem por 11 processos. São eles: Ivo Cassol (PP-RO, com 3 ações penais), Valdir Raupp (PMDB-RO, com 2), Dário Bergher (PMDB-SC, com 2), Sérgio Petecão (PSD-AC, com 2), Jader Barbalho (PMDB-PA, com 1) e Telmário Mota (PDT-RR, 1 ação penal).

Cunha ainda não aparece na lista de parlamentares réus por que o acórdão da decisão proferida no dia 3 de março ainda não foi publicado. A informação é da assessoria de imprensa do tribunal. Assim que isso acontecer, o presidente da Câmara se tornará o 58º membro do Congresso nesta situação.

O parlamentar com maior número de processos tramitando na Corte até a última quarta-feira era o deputado Roberto Góes (PDT-AP), com cinco ações penais. Nesse mesmo ranking, quatro congressistas empatavam em segundo lugar, com três ações penais cada um. Eram eles: o senador Ivo Cassol (PP-RO), o deputado Marco Reategui (PSD-AP), a deputada Professora Dorinha (DEM-TO) e o deputado Alberto Fraga (DEM-DF).

RÉUS POR PARTIDO

Deputados e senadores de 16 partidos figuram na lista de réus do STF. O PMDB lidera o ranking, com 12 parlamentares respondendo a ações penais. Em seguida, está o PDT, com 7 congressistas réus, e o PSD, com 6.

Veja agora como é a distribuição dos parlamentares que respondem ações penais no STF por estado. O Rio de Janeiro lidera o ranking, com um total de seis congressistas réus. Confira:

A COMISSÃO DE IMPEACHMENT

Dos 65 membros da comissão do impeachment da presidente Dilma Rousseff, 8 deputados são réus no Supremo. Paulo Maluf (PP-SP) responde por dois processos. Os demais são Washington Reis (PMDB-RJ), Benito Gama (PTB-BA), Junior Marreca (PEN-MA), Édio Lopes (PR-RR), Paulo Magalhães (PSD-BA), Weverton Rocha (PDT-MA) e Roberto Britto (PP-BA). Todos esses sete respondem, cada um, por uma ação penal.

OS ASSUNTOS MAIS COMUNS

A maioria dos processos tem como “assunto” os chamados “crimes previstos na legislação extravagante”, ou seja, não foram previstos no Código Penal, mas sim tipificados por outras leis posteriores. Entre eles, está o crime de responsabilidade, previsto na Lei de Responsabilidade Fiscal. No total, há 52 ações do tipo “extravagante” em trâmite no STF.

O segundo “assunto” mais comum é “crimes praticados por funcionários públicos contra a administração geral”. Ao todo, são 21.

Nessa análise, é comum ver que os congressistas costumam responder por mais de um crime.

Na lista, ainda existem 16 ações por peculato e 15 crimes por crimes contra a Lei de Licitações.

Foi possível identificar em “crimes contra a paz”, 10 ações penais em trâmite, com acusação de formação de quadrilha. Já sobre “crimes eleitorais”, existem 12 processos abertos no STF.

*Esta checagem também foi publicada pela Revista Época, na edição que chegou às bancas no dia 2 de abril de 2016.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo