Tem certeza que deseja sair da sua conta?
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

Quais deputados têm pendência judicial e votaram contra Dilma na comissão?

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
12.abr.2016 | 17h11 |

A aprovação do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff ontem (11), na comissão especial da Câmara dos Deputados, fez pipocar nas redes sociais uma série de análises sobre as pendências judicias dos parlamentares. Viralizaram informações tanto sobre aqueles que votaram contra a aceitação do pedido como sobre aqueles que se posicionaram a favor da admissão dele.

Com o apoio da Transparência Brasil e do Supremo Tribunal Federal (STF), a Lupa cruzou a lista dos 65 parlamentares que votaram ontem com os perfis públicos mantidos sobre eles no site Excelências e também no sistema de buscas do Supremo (até o dia 30 de março). Veja abaixo as conclusões:

1. Dos 65 parlamentares que votaram na Comissão Especial do Impeachment na segunda-feira, 37 têm “ocorrências na Justiça e/ou nos Tribunais de Contas”. Juntos, eles acumulam 129 registros. Em 25 casos, um mesmo parlamentar possui mais de uma ocorrência. Veja a tabela completa aqui.

2. Dos 38 parlamentares que votaram pela admissão do pedido de impeachment, 21 apresentam “ocorrências na Justiça e/ou nos Tribunais de Contas”. Veja aqui a tabela dos deputados “sim”.

3. Dos 27 deputados que se posicionaram de forma contrária ao pedido de impedimento, 16 têm “ocorrências na Justiça e/ou nos Tribunais de Contas”. Agora, veja a tabela dos deputados “não”.

4. Quatro dos 65 deputados que votaram ontem já foram condenados por improbidade administrativa e recorrem da sentença. São eles: Paulinho da Força (SD-SP), Marcelo Squassoni (PRB-SP), Marcos Montes (PSD-MG) e Paulo Maluf (PP-SP). Os quatro votaram pelo prosseguimento do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Confira seus nomes nas tabelas inseridas ao final deste post.

5. Onze dos 65 parlamentares da comissão estão sendo investigados por improbidade administrativa. Oito deles votaram com o parecer do relator, aceitando o pedido de impedimento.

6. Entre os 65 titulares da comissão, há sete réus no Supremo Tribunal Federal. Cinco deles se posicionaram contra o impeachment. Foram eles: Edio Lopes (PR-RR), Junior Marreca (PEN-MA), Paulo Magalhães (PSD-BA), Roberto Britto (PP-BA), Weverton Rocha (PDT-MA). Votaram a favor da aceitação do processo de impedimento os deputados Benito Gama (PTB-BA) e Paulo Maluf (PP-SP). Releia matéria publicada pela Lupa na semana passada.

7. Entre os sete deputados que são réus no STF, quatro respondem por crimes eleitorais. Dois foram com Dilma, e dois, com a oposição na última segunda-feira.

8. Outra pendência recorrente entre os 65 membros da comissão especial, é a reprovação de contas de campanha. Doze deputados aparecem nos registros oficiais com esse tipo de ocorrência.

*O deputado Benito Gama (PTB-BA) não aparece com ocorrências judiciais no site Excelências, que não contabiliza queixas relativas a calúnia e difamação. Mas, no STF, ele responde à Ação Penal 920 por esse tipo criminal.

A verificação da Lupa foi feita na manhã desta terça-feira, 12 de abril. O site Excelências é uma plataforma com atualização frequente, feita a cargo da Transparência Brasil.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo