A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). Foto: Geraldo Magela /Agência Senado
A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO). Foto: Geraldo Magela /Agência Senado

#LupaAqui: Kátia Abreu exagera em três dados ao falar sobre desemprego

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
18.jul.2016 | 14h07 |

“Qual foi a taxa de desemprego nos anos finais dos governos Fernando Henrique, Lula e Dilma?” No último dia 11, o leitor D.S. (que pediu para não ser identificado) procurou a Lupa com uma sugestão de checagem. Queria saber se os dados sobre desemprego apresentados pela senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) seis dias antes, numa das sessões da Comissão de Impeachment do Senado, estavam corretos.

No dia 5 de julho, a senadora havia dito que:

“O desemprego no último ano do governo FHC era de 18,5%; Lula, 10%; e Dilma, 13,9%”

(No vídeo, a partir de 5min48s)

A Lupa foi buscar dados referentes ao assunto junto ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) e constatou que Kátia Abreu exagerou nos três números apresentados. As informações contidas nesta apuração foram referendadas pela assessoria de imprensa do IBGE.

EXAGERADO

Segundo dados da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que foi feita pelo IBGE entre fevereiro de 2002 e fevereiro de 2016 em seis regiões metropolitanas e que é considerada a mais importante do país sobre o assunto, o cenário do desemprego nos últimos anos de governo de FHC, Lula e Dilma é o seguinte:

Em 2002, no último ano de FHC, a taxa de desemprego oscilou entre 10,5% (em dezembro) e 12,9% (em março). Em momento algum, atingiu os 18,5% apontados pela senadora.

Em 2010, no último ano da gestão Lula, o índice variou entre  5,3% (dezembro) e 7,6% (março). Os 10% citados por Kátia Abreu também estão bem acima do dado real.

O último dado da PME para 2016 é de fevereiro, três meses antes do afastamento da presidente Dilma Rousseff. Naquele mês, a taxa de desemprego nas seis regiões metropolitanas observadas era de 8,2% – também abaixo dos 13,9% apontados pela peemedebista na comissão do impeachment.

Se analisado o ano de 2015 como um todo, a informação da senadora continua sendo exagerada. De acordo com a PME, no ano passado, a taxa de desemprego do país oscilou entre 5,3% (em janeiro) e 7,8% (em outubro). Bem distante dos 13,9% ditos por Kátia Abreu.

Para evitar qualquer dúvida, ainda vale ressaltar que, em maio, no mês em que Dilma foi afastada da presidência, o IBGE divulgou índice de desemprego calculado a partir de uma outra pesquisa, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua). Trata-se de um índice trimestral. Mesmo assim, a senadora exagerou ao falar do governo Dilma. Entre fevereiro e abril de 2016, o desemprego encontrado foi de 11,2%. 

Assim sendo, os índices mais altos de desemprego mensal no último ano de cada governante foram, respectivamente, 12,9% para FHC; 7,6% para Lula; e 8,2% para Dilma.

Nota 1: O IBGE começou a verificar a taxa de desemprego pela PME em fevereiro de 2002. Divulgou o primeiro dado dessa pesquisa em março daquele ano. Por esse motivo, não é possível fazer uma média anual do último ano do governo Fernando Henrique. Dessa forma, a Lupa baseou sua checagem nas maiores e menores taxas de desemprego encontradas num mesmo ano.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo