A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Marcelo Crivella foi o terceiro a ser entrevistado pelo RJTV - 1ª edição | Crédito: Reprodução Globo Play
Marcelo Crivella foi o terceiro a ser entrevistado pelo RJTV - 1ª edição | Crédito: Reprodução Globo Play

Marcelo Crivella erra ao dizer que saiu de partido quando ‘surgiu o mensalão’

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
21.set.2016 | 19h33 |

Em entrevista concedida ao RJTV 1ª edição, o candidato do PRB à Prefeitura do Rio, Marcelo Crivella, foi questionado por ter apoiado os governos Lula (PT) e Dilma (PT) mesmo depois das denúncias de corrupção.  Ao se defender, o candidato, disse:

“Na época que surgiu o mensalão, eu e (o ex-presidente) José Alencar saímos do PL (Partido Liberal) e fundamos o PRB (Partido Republicano Brasileiro)”

FALSO

Crivella só se desfiliou do antigo PL em setembro de 2005. O primeiro episódio do mensalão ocorreu em maio de 2005, quando a revista Veja divulgou um vídeo que mostrava o então diretor dos Correios, Maurício Marinho, recebendo propina e apontando o então deputado Roberto Jefferson (PTB) como o chefe de um esquema de corrupção na instituição.

Ou seja, a desfiliação de Crivella no PL aconteceu três meses depois da primeira denúncia ligada ao mensalão.

Nesse período – entre a primeira denúncia e a saída de Crivella do partido, Roberto Jefferson declarou que eram feitas compras de votos pelo PT no Congresso (junho), a CPI dos Correios foi instaurada (junho) e o publicitário Marcos Valério foi apontado como articular financeiro do esquema. Roberto Jefferson prestou depoimento no Conselho de Ética e afirmou que seis ministros sabiam da compra de votos. José Dirceu foi apontado como chefe do esquema e renunciou ao cargo de ministro da Casa Civil. O então tesoureiro do PT, Delúbio Soares, e o então presidente do partido, José Genuíno, também renunciaram. Lula fez um pronunciamento público se dizendo “traído” (julho).

Segundo o próprio site do PRB, o partido inicialmente se chamava Partido Municipalista Renovador (PMR) e foi criado em agosto de 2005. Em vídeo publicado na página, é possível ver a filiação de Crivella junto com José Alencar em setembro do mesmo ano. Segundo o registro de filiação, disponibilizado pelo TSE, Crivella se filiou ao PRB em 30 de setembro de 2005.


Na entrevista, Crivella também explicou porque apoiou a gestão do atual prefeito, Eduardo Paes, e, depois, passou a criticá-la:

“Eu apoiei o primeiro governo do Eduardo, porque foi exitoso. Melhorou o Ideb”

VERDADEIRO, MAS

De acordo com a série histórica do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), Crivella está certo em afirmar que o indicador cresceu durante o primeiro mandato de Paes. Nos anos iniciais do ensino fundamental, o indicador teve a seguinte performance: em 2009, era de 5,1. Em 2011, 5,4. Em 2013, 5,3.

Mas, nos anos finais do ensino fundamental, houve um crescimento e, em seguida, uma estagnação no Ideb. Em 2009, o índice era de 3,6. Em 2011, subiu para 4,4, mas, em 2013, permaneceu em 4,4. 

Ou seja, no período final do primeiro mandato de Eduardo Paes, o indicador começou a apresentar queda ou estagnação em relação a edição anterior.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo