A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução de vídeo
Foto: Reprodução de vídeo

Lupa checou ao vivo debate da Record com candidatos a prefeito do Rio

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
26.set.2016 | 00h13 |

A Lupa acompanhou ao vivo na noite deste domingo (25) o debate realizado pela Rede Record e pelo portal R7 com os principais candidatos a prefeito do Rio de Janeiro. O encontro contou com a participação de oito candidatos: Alessandro Molon (Rede), Carlos Osório (PSDB), Flávio Bolsonaro (PSC), Indio da Costa (PSD), Jandira Feghali (PCdoB), Marcelo Crivellla (PRB), Marcelo Freixo (PSOL) e Pedro Paulo (PMDB). Veja abaixo o resultado das checagens.

MARCELO CRIVELLA (PRB)

Ao falar sobre saúde, o candidato Marcelo Crivella (PRB) afirmou:

“Nós últimos quatro anos, se somar 2012, 2013, 2014 e 2015, mais de R$ 700 milhões (deixaram de ser investidos na saúde)”

VERDADEIRO

De acordo com portal Rio Transparente, a diferença entre o “orçamento inicial” e os efetivamente executados pela prefeitura entre 2012 e 2015, dão uma diferença de R$ 1,4 bilhão, valor acima do mencionado pelo candidato.

Se tivesse gastado tudo nesses anos, a cidade teria investido na área R$ 17,4 bilhões. Desse total, no entanto, o Rio executou R$ 16 bilhões.


Crivella também falou dos gastos que a prefeitura teve com propaganda. O candidato afirmou:

“A prefeitura gastou R$ 150 milhões em propaganda”

EXAGERADO

De acordo com o portal de Transparência da cidade, o Rio Transparente, a ação que engloba Publicidade, Propaganda e Comunicação Social da prefeitura do Rio em 2015 contratou serviços no valor total de R$ 127 milhões. Tecnicamente falando, esse foi o valor liquidado.


PEDRO PAULO (PMDB)

Ao falar sobre os avanços na saúde, Pedro Paulo (PMDB) afirmou:

“(Há) 101 Clínicas da Família (no Rio)”

VERDADEIRO

De acordo com o site da Secretaria Municipal de Saúde, Pedro Paulo está certo em afirmar que existem 101 Clínicas da Família.

Somente na última semana, duas delas foram inauguradas. Uma na Zona Oeste e outra em Honório Gurgel, na Zona Norte.


O candidato do PMDB continuou falando sobre o programa de saúde da prefeitura do Rio e afirmou:

“Até o fim do ano, 135 (Clínicas da Família)”

AINDA É CEDO PARA DIZER

O último levantamento de Clínicas da Família mostra que o atual número de unidades é 101. Somente no final do exercício de 2016 é que se poderá checar se a prefeitura atingiu as 135 clínicas anunciadas pelo candidato.


MARCELO FREIXO (PSOL)

O candidato Marcelo Freixo (PSOL), ao criticar o governo do presidente Michel Temer (PMDB), mencionou o projeto de reforma no ensino médio e afirmou:

“Filosofia, Sociologia, Educação Física e Artes não são mais (disciplinas) obrigatórias”

EXAGERADO

O texto da Medida Provisória enviada pelo MEC para o Senado tira a obrigatoriedade de Educação Física e Artes no ensino médio. Isto não quer dizer que as matérias foram extintas, o documento prevê que isso será decidido posteriormente, quando a Base Nacional Curricular Comum for elaborada.

Além disso, o documento não menciona em nenhum momento as disciplinas de Filosofia e Sociologia. O texto afirma que as atuais matérias obrigatórias serão agrupadas em áreas do conhecimento e prevê cinco delas: Português, Matemática, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Formação Técnica e Profissional.


JANDIRA FEGHALI (PC do B)

Ao falar sobre o protagonismo das mulheres na cidade, a candidata Jandira Feghali (PC do B) afirmou:

“(O Rio) É uma cidade de maioria de mulheres”

VERDADEIRO

De acordo com a sinopse do Censo 2010, elaborado pelo IBGE, a cidade do Rio tem 3.360.629 mulheres e 2.959.817 homens.


INDIO DA COSTA (PSD)

Ao falar sobre a falta de vagas nas creches, o candidato Indio da Costa (PSD) afirmou:

“(São) 42 mil crianças sem vagas em creche”

EXAGERADO

Segundo a Secretaria Municipal de Educação, atualmente a demanda por vagas em creche na cidade está em 25.500 crianças. O órgão explica que este cálculo elimina as duplicidades de pedidos de matrículas.


FLAVIO BOLSONARO (PSC)

Ao ser questionado por Alessandro Molon (Rede) sobre o episódio em que Jair Bolsonaro (PSC), seu pai, foi denunciado por pescar em área proibida, Flavio Bolsonaro (PSC) afirmou:

“Esse processo do Jair Bolsonaro já foi arquivado há muito tempo”

VERDADEIRO

O Supremo Tribunal Federal rejeitou a denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República contra Jair Bolsonaro em março deste ano.

Na época, a ministra Cármen Lúcia afirmou que o caso era reprovável, mas que não havia como punir penalmente o deputado por falta de tipicidade. O caso foi rejeitado pelo princípio de insignificância.


ALESSANDRO MOLON (REDE)

Ao falar sobre sua proposta para a área de turismo, Alessandro Molon (Rede) afirmou:

“Vou apostar no setor de bares e restaurantes”

DE OLHO

A Lupa procurou no programa de governo que Alessandro Molon enviou ao Tribunal Superior Eleitoral informações sobre esta proposta, mas não encontrou nenhuma menção sobre o uso de bares e restaurantes para impulsionar o turismo na cidade.


Alessandro Molon (Rede), ao enaltecer sua atuação como deputado, afirmou que deixou sua campanha para prefeito na última segunda-feira para participar da sessão que tratava sobre um projeto de lei que poderia anistiar envolvidos em crime de caixa 2. O candidato afirmou:

“Eu fui o único candidato, que é deputado federal, que largou a campanha e foi lá cumprir meu dever”

VERDADEIRO, MAS

Na última segunda-feira, como mostra o site da Câmara dos Deputados, houve três sessões. Na lista de presenças dessas três (uma às 13h55, outra às 17h57 e uma última às 19h31), Alessandro Molon aparece como presente em duas.

Jandira Feghali e Pedro Paulo, que são candidatos com mandatos na Câmara, não tiveram presença registrada.


CARLOS OSÓRIO (PSDB)

O candidato Carlos Osório (PSDB), ao afirmar que a prefeitura estava em crise, declarou:

“A Prefeitura do Rio desmantelou a rede de proteção social do município”

EXAGERADO

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, que tem a “proteção social” em sua estrutura, teve um crescimento em seu orçamento, de acordo com dados do Rio Transparente.

Em 2009, primeiro ano da gestão de Eduardo Paes, a pasta teve R$ 98 milhões de despesa. Desde então, a secretaria teve um crescimento em seus gastos até 2014 quando teve R$ 228,5 milhões de despesas. No ano passado, a pasta teve uma queda nesse custeio e ficou em R$ 215 milhões, valor superior ao do início do dois mandatos de Paes.

Nota 1: A Lupa abre espaço para as campanhas contestarem as informações e mandarem seus posicionamentos sobre as checagens acima. Por favor, escreva para lupa@lupa.news 

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo