A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Fabio Arantes/Secom
Fabio Arantes/Secom

João Doria e os dados públicos sobre o programa Corujão da Saúde

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
04.maio.2017 | 08h00 |

No último dia 10, o prefeito de São Paulo, João Doria, foi a Porto Alegre para participar do 30º Fórum da Liberdade. No discurso que fez, exaltou uma das principais bandeiras de sua gestão: o Corujão da Saúde. A Lupa estava presente no evento e checou algumas das frases ditas pelo tucano. Veja abaixo os erros e acertos do prefeito:

“Com 83 dias de gestão, nós colocamos a zero o déficit [de exames] da Saúde”

EXAGERADO

A gestão do prefeito João Doria prometeu zerar a fila de espera por exames na cidade de São Paulo em apenas três meses. Para isso, criou o programa Corujão da Saúde. Perto de completar esse prazo, a prefeitura anunciou que havia “praticamente” zerado a fila e que, dos 485 mil exames que aguardavam para serem feitos na cidade até o fim de 2016, apenas 1.706 (0,35%) não haviam sido atendidos. Mas, enquanto a prefeitura trabalhava para sanar a fila antiga, uma nova se formou: a de pessoas que buscaram realizar exames na rede municipal de janeiro de 2017 para cá. No dia 2 de abril, já havia 95.777 exames esperando agendamento.

Procurada, a prefeitura reconheceu a existência da nova fila e disse que ela está “dentro da normalidade”. “Ter de 80 a 120 mil pacientes aguardando é perfeitamente condizente com o objetivo de que esses exames sejam atendidos em um prazo de 30 a 60 dias”.


“Temos que ter a capacidade de atendê-los, todos, no limite de 60 dias”

CONTRADITÓRIO

A proposta do Corujão era zerar a fila de exames e ter o prazo máximo de 30 dias para que um novo procedimento fosse realizado na rede pública de saúde de São Paulo. Em janeiro, o prefeito chegou a prometer que, caso a espera por um exame ultrapassasse 30 dias, o Corujão seria imediatamente retomado. Em nota divulgada na ocasião, a prefeitura foi clara: “ao final do Corujão, nenhum paciente deverá aguardar por exames por mais de 30 dias”.

A prefeitura afirma agora que o prazo normal de atendimento de um pedido de exame é de até 60 dias.


“[Conseguimos doações de] R$ 128 milhões para o atendimento de três meses de produtos necessários para as farmácias públicas”

EXAGERADO

Segundo dados que constavam no Portal da Transparência, a prefeitura havia recebido apenas R$ 6,52 milhões em doações de medicamentos até o dia 28 de abril. Esses valores também tinham sido publicados no Diário Oficial, caracterizando doações efetivamente concluídas. A prefeitura afirma, no entanto, que, além desse total, há cerca de R$ 3,73 milhões em medicamentos que já foram doados, mas ainda aguardavam tramitação para aparecer no sistema público de acompanhamento. Somadas, porém, as duas quantias chegam a R$ 10,25 milhões – bem abaixo dos R$ 128 milhões mencionados pelo prefeito.

Em  nota, a administração municipal diz que cerca de R$ 120 milhões foi uma “estimativa feita, a preços de mercado, pela indústria farmacêutica do que seria necessário doar à prefeitura para fazer frente à situação emergencial encontrada pela atual gestão”.


“476 mil pessoas aguardavam em filas [por exames]”

INSUSTENTÁVEL

Segundo a própria prefeitura, não existem dados públicos sobre o número de pessoas que estavam na fila dos exames antes do início do Corujão da Saúde. O dado que existe diz respeito ao total de exames que precisavam ser feitos. Até dezembro de 2016, eles somavam 485.300.

A prefeitura acrescentou que não trabalha com número de pacientes por considerar que “não há relevância”. Se uma pessoa tiver dois exames para fazer deverá ter dois agendamentos independentes.


“Não teve mais dinheiro [para o Corujão da Saúde] não. O mesmo recurso que estava aqui [foi] colocado no orçamento, tabela SUS”

DE OLHO

De acordo com a própria prefeitura, ainda não é possível saber quanto foi efetivamente gasto no Corujão da Saúde. Por meio de nota, a administração municipal afirmou que os exames do programa devem ser concluídos no final de maio e que, só então, a prefeitura saberá quanto o programa efetivamente custou. Inicialmente, o Corujão foi estimado em R$ 17 milhões. A prefeitura afirma que a verba faz parte do orçamento do SUS, “não se tratando de dotação orçamentária adicional ou extraordinária”.

*Esta reportagem foi publicada na edição impressa do jornal Folha de S.Paulo no dia 4 de maio de 2017.

folha corujão

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo