A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Divulgação
Divulgação

Google News Lab: ‘Façam vocês mesmos suas checagens’

Fundadora | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
06.jul.2017 | 16h05 |

‘Esqueçam os especialistas. Façam vocês mesmos suas checagens’. Foi com essa frase que o espanhol Millán Berzosa, responsável pelo Google News Lab na Península Ibérica, abriu na quarta-feira (5) o Global Fact 4, a maior conferência de fact-checking do mundo.

Diante de 188 checadores e pesquisadores vindos de 53 países, Berzosa apresentou uma série de ferramentas gratuitas que estão à disposição dos checadores  – e também do público em geral – para verificar o grau de veracidade de uma informação. Esteja ela no formato de uma frase, uma imagem ou mesmo um vídeo.

“Nós precisamos trabalhar juntos. Temos tecnologia suficiente para isso”, ressaltou o espanhol ao apresentar no telão do Google Campus de Madri os pilares da Digital Media Iniciative. Nesta parceria, a empresa de tecnologia e os principais meios de comunicação da Europa trabalham juntos para desenvolver boas práticas e aprimorar as ferramentas que podem ser usadas diariamente no jornalismo.

Ao longo de 40 minutos, Berzosa apresentou em detalhes o funcionamento de ferramentas simples como o Google Public Data, base de dados que reúne os resultados de pesquisas feitas em diversos países sobre os mais variados temas, o Google Scholar, que permite navegar entre documentos acadêmicos e científicos, e o Google Earth pro app, que auxilia os checadores de forma gratuita na hora de verificar um evento.

Depois, foi um pouco além. Mostrou ferramentas avançadas que o Google oferece para a checagem de fotos e vídeos. Uma delas é o Google Images.

“Basta clicar na imagem da pequena câmera que está no campo de busca, inserir a URL da foto ou fazer o upload dela a partir do seu computador. O sistema vai revelar informações sobre a imagem e mostrar links em que ela foi usada. Diversas checagens foram feitas assim”, destacou.

Em seguida, Berzosa surpreendeu os fact-checkers da plateia ao questioná-los sobre o grau de veracidade de um vídeo que ficou mundialmente famoso ao mostrar uma mulher esquiando com tranquilidade enquanto é seguida por um enorme urso.

Em seu canal de Youtube, a jovem afirma em letras garrafais que não se deu conta da presença do animal. Trabalho feito por checadores mundo afora revelou, no entanto, que a gravação vista por mais de nove milhões de pessoas se tratava de uma montagem.

“Existem ferramentas que nos permitem analisar frame a frame e que mostram que o urso está muito pixelado, o que indica uma montagem. Há outras que nos mostra quando o vídeo foi originalmente postado e ainda há outras que dizem quando ele foi ao ar pela primeira vez. Uma combinação disso tudo pode render checagens eficientes”, destacou Berzosa. “Não temos por que esperar um especialista. Há ferramentas tecnológicas que podem nos dizer se algo é verídico ou não em poucos minutos. É hora de conhecê-las a fundo”.

Entre aquelas que foram apresentadas pelo espanhol, estão o Picodash.com, que rastreia o Instagram, o Who.is, que revela os donos de um determinado domínio, o Archive.org, que mostra páginas antigas da internet e o SunCalc, que permite identificar o pôr do sol em diversas partes do planeta.

“Com essa ferramenta, você consegue checar aquela pessoa que diz que está falando ao vivo de um determinado lugar por exemplo. Se já não está fazendo sol por lá, trata-se de um falso evidente”, contou Berzosa, arrancando risos da plateia.

O evento, realizado pela International Fact-checking Network (IFCN), vai até o sábado (7) e faz parte do calendário anual de encontros dos principais checadores do mundo. A Agência Lupa é membro verificado da IFCN.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo