A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Elza Fiúza/Agência Brasil
Elza Fiúza/Agência Brasil

Como ficou o programa ‘Mais Médicos’ quatro anos após o lançamento?

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
08.jul.2017 | 06h30 |

Em 8 de julho de 2013, a então presidente Dilma Rousseff  lançou o programa “Mais Médicos”. Em resposta às grandes manifestações de junho daquele ano, a iniciativa foi pensada com o objetivo de levar mais profissionais para regiões do Brasil onde há déficit. O programa também incluiu entre suas ações novas vagas de graduação e residência médica.

Na data em que o programa completa quatro anos, a Lupa conferiu a evolução e o quadro atual do programa ‘Mais Médicos’ a partir de um levantamento obtido através da Lei de Acesso à Informação.

No documento, apresentado há quatro anos, a promessa era de:

“11.447 mil novas vagas de graduação (em medicina)”

FALSO

Segundo dados obtidos através de um pedido de Lei de Acesso à Informação (LAI), até dezembro de 2016 foram criadas somente 7.732 vagas. Procurado, o Ministério da Saúde informou que desde o início do ano ocorreu novo acréscimo e o número de novas vagas em medicina subiu para 8.133. Mesmo assim, faltam 29% das vagas da prometidas originalmente: 3.314.


O governo anunciou que seriam criadas novas vagas de residência médica:

“até 2015, serão 4.000”

VERDADEIRO

As informações do relatório produzido pelo Departamento de Planejamento da Provisão de Profissionais de Saúde mostram que a meta foi batida. O número foi, inclusive, superior e alcançou um total de 4.798 até 2015.


Só que o número total de novos residentes a longo prazo era superior. O anúncio foi de:

“12.372 novas vagas de residência médica”

FALSO

Essa promessa ficou pelo caminho. O documento oficial do Ministério da Saúde aponta que foram criadas até o fim de 2016 somente 6.219 vagas – metade do que foi prometido originalmente. Em 2013, o número foi de 743. No ano seguinte, 2.951. Já em 2014, foram 1.104 e, no ano passado, 1.421. Procurado, o Ministério da Saúde disse que o número aumentou um pouco mais até o fim do ano passado e chegou a 7.652. A pasta, porém, não dispunha ainda dos dados de 2017.


No site do ‘Mais Médicos’, o Ministério da Saúde informa resultados do programa e diz que:

“Relatório elaborado pelo TCU, a partir da avaliação da chegada dos médicos em 1.837 municípios, traduz alguns dos impactos já sentidos pela população: mais 33% nas consultas mensais na atenção básica nesses municípios”

EXAGERADO

O relatório original no Tribunal de Contas de União (TCU) informa que a pesquisa produzida comparou somente as consultas realizadas entre dezembro de 2012 e abril de 2013 (período anterior ao projeto) com as que ocorreram entre dezembro de 2013 e abril de 2014 – cinco meses depois da chegada dos médicos do programa. Ou seja, não é uma avaliação integral sobre todo o período desde 2013 até agora.

O TCU ainda fez outras ressalvas sobre a pesquisa. Explicou, por exemplo, que foi necessário excluir municípios cujos dados tinham inconsistências. Assim, para o período anterior ao ‘Mais Médicos’, foram analisadas as informações de apenas 81,5% dos municípios – 4.562 cidades de um total de 5.596 do país. Já para os dados obtidos após a chegada dos novos médicos, foram analisadas as consultas realizadas em somente 1.837 cidades dos 2.116 municípios que receberam médicos do programa. Apenas nesse grupo e no período especificado é que se verificou um aumento de 33% na média mensal de consultas desses municípios. 

OUTRO LADO

Procurado, o Ministério da Saúde disse que “as metas para criação de vagas de graduação em medicina e residência médica foram estabelecidas na gestão anterior e estão sendo reavaliadas”. Sobre o aumento no número de consultas informado no site do programa, o ministério disse que irá corrigir as informações com o relatório do TCU.

* Esta checagem contou com a colaboração especial do jornalista Raphael Kapa. 

**Esta reportagem foi publicada na edição impressa do jornal Folha de S.Paulo do dia 8 de julho de 2017.

Captura de Tela 2017-07-08 às 06.32.46

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo