A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Imagens Justiça Federal do Paraná
Imagens Justiça Federal do Paraná

Lula não reagiu ao depoimento de Palocci? A acusação não cita a imprensa?

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
14.set.2017 | 13h03 |

Na quarta-feira (13), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestou depoimento ao juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal do Paraná, em Curitiba, por cerca de duas horas. Lula respondeu a questionamentos sobre um suposto esquema de corrupção envolvendo oito contratos, firmados de 2004 a 2012, entre a empreiteira Odebrecht e a Petrobras. Parte das acusações envolve a compra de um terreno onde seria instalado o Instituto Lula. A Lupa checou trechos do depoimento do ex-presidente e também das informações utilizadas pelo juiz Sergio Moro ao longo da audiência. Confira abaixo o resultado:

“Não respondi nada. Não falei nada [sobre o depoimento do Palocci]”

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em depoimento no dia 13/09/2017Recortes-Posts_FALSOPreso desde setembro de 2016, Antonio Palocci disse à Justiça Federal que Lula recebeu o terreno do instituto que leva seu nome como forma de disfarçar propina. Seria parte de um “pacto de sangue” feito com a Odebrecht para levar R$ 300 milhões ao PT. Lula reagiu à fala de Palocci no mesmo dia. O perfil oficial do ex-presidente no Facebook publicou um texto classificando o depoimento como “contraditório” e algo que “carece de provas”. O mesmo texto foi republicado no dia seguinte no portal do Instituto Lula. Entre o depoimento de Palocci e o de Lula, as redes sociais do ex-presidente também compartilharam dois vídeos feitos pela defesa. Neles, são feitas críticas ao depoimento do ex-ministro petista. Procurado, o ex-presidente respondeu por nota que, embora a postagem tenha sido feita em seu perfil oficial, foi “um pronunciamento da assessoria” e “não foi uma fala dele”.


“Esse é um processo que envolve essa acusação específica, não tem nada a ver com Brasília, imprensa”

Juiz Sergio Moro, ao colher depoimento do ex-presidente Lula, em 13/09/2017Recortes-Posts_FALSOA denúncia feita pelo Ministério Público Federal tem 188 páginas. O documento contém referência a pelo menos 10 reportagens publicadas nos últimos anos. Os procuradores citam diversos trabalhos que mencionam a aparente intenção de Lula de construir uma sede para seu instituto em São Paulo ainda durante seu último ano de mandato presidencial. Na denúncia estão elencados, por exemplo, uma coluna da jornalista Monica Bergamo, na Folha de S.Paulo e uma reportagem da Istoé Dinheiro, que relatava a participação do pecuarista José Carlos Bumlai na compra do terreno. Ainda há citações a notícias dos portais UOL e IG sobre o mesmo tema. Procurado, o juiz Sergio Moro não retornou.


“Nunca nenhum empresário deste país discutiu finanças comigo”

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em depoimento no dia 13/09/2017RECORTES-POSTS-CONTRADITORIOEm 2010, pouco antes de deixar a presidência, Lula fez um balanço público sobre a participação de empresários em seu governo. Disse que eles nunca tinham ganhado tanto dinheiro e destacou o seguinte: “Quando teve a crise econômica, não foi apenas a sabedoria do ministro Guido Mantega, a sabedoria do Meirelles, a sabedoria do presidente Lula, não. Nós tínhamos um comitê de crise, e os empresários participaram conosco para decidir as coisas que a gente ia fazer”. Durante sua gestão, Lula participou de diversos eventos com empresários. Em 2005, com o hoje prefeito de São Paulo, João Doria, discursou em um encontro organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide). Em seguida, se reuniu com o presidente da Fiesp, Paulo Skaf. Outros encontros com Skaf foram registrados na agenda presidencial em 2006. Três anos depois, em 2009, Lula também participou de outro evento da entidade.  A Fiesp, aliás, organizou uma exposição em homenagem a Lula em 2011, sete meses após o petista deixar a Presidência. Procurado, o ex-presidente afirmou, em nota, que “é completamente diferente discussões públicas sobre políticas públicas da resposta do presidente (no depoimento), que se refere às finanças das empresas em si”.


“Sou motivo de uma outra ação do MP por causa de uma medida provisória aprovada por unanimidade no Congresso”

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em depoimento no dia 13/09/2017RECORTES-POSTS-VERDADEIROLula foi denunciado por corrupção passiva nesta semana, em caso investigado pela Operação Zelotes. Lula, o ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência Gilberto Carvalho e outras seis pessoas foram acusados pelo MPF de produzir uma medida provisória que favoreceria, sobretudo, o setor automotivo do Nordeste, Norte e Centro-Oeste. Em contrapartida, a acusação diz que lobistas teriam oferecido R$ 6 milhões em propinas para o ex-presidente e intermediários. A MP foi aprovada por unanimidade no Senado, em 25 de março de 2010, e na Câmara dos Deputados, em 16 de dezembro de 2009.


“Eu não fiz denúncia nenhuma [contra Lula]”

Juiz Sergio Moro, ao colher depoimento do ex-presidente Lula, em 13/09/2017RECORTES-POSTS-VERDADEIROAs denúncias apresentadas contra o ex-presidente Lula partiram do MPF – não do juiz federal. Segundo as leis brasileiras, a polícia é responsável por abrir um inquérito e investigar a existência de crimes. O MP também promove investigações próprias ou em parceria com a PF e é o responsável por oferecer as denúncias ao Judiciário. Quando o juiz aceita a denúncia, o investigado vira réu e passa a se defender no tribunal. No fim do processo, é o juiz quem decide a condenação e emite uma sentença. Há espaço para recursos em segunda instância e nos tribunais superiores: STJ ou STF.  


“Tirei o Palocci do meu governo em março de 2006 porque saiu na imprensa que ele frequentava uma casa, e ele não soube explicar”

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em depoimento no dia 13/09/2017RECORTES-POSTS-VERDADEIROSegundo o Ministério da Fazenda, Palocci deixou seu cargo no governo Lula no dia 27 de março de 2006. Na época, havia a CPI dos Bingos, e o então ministro era acusado de se encontrar com lobistas em uma mansão em Brasília. A testemunha da CPI era o caseiro do local, Francenildo Costa. No dia seguinte ao depoimento dele à CPI, seu sigilo bancário foi quebrado. O MPF apontou o envolvimento de Palocci nessa divulgação ilegal. Depois, o Supremo arquivou o processo contra o petista.


“Depois de sair do meu governo o Palocci foi deputado e ficou até 2010”

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em depoimento no dia 13/09/2017RECORTES-POSTS-VERDADEIRO-MASO site da Câmara informa que Antonio Palocci realmente foi eleito deputado depois de deixar o cargo de ministro do governo Lula. Ele tomou posse em 1 de fevereiro de 2007. Mas a mesma página informa ainda que o petista já havia sido deputado federal antes. Sua primeira posse começou em 1 de fevereiro de 1999 e foi até 27 de dezembro de 2000, quando ele renunciou para assumir a Prefeitura de Ribeirão Preto (SP).

*Esta reportagem foi publicada na edição impressa do jornal Folha de S.Paulo no dia 15 de setembro de 2017.

lula moro folha

Leia outras checagens de ‘País’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo