A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Marcos Corrêa/PR
Foto: Marcos Corrêa/PR

Michel Temer teve agenda com 217 deputados desde a 1ª denúncia da PGR

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
25.out.2017 | 12h08 |

As duas denúncias apresentadas pela Procuradoria Geral da República contra o presidente Michel Temer fizeram com que o Palácio do Planalto abrisse de vez as portas para os integrantes da Câmara dos Deputados. Levantamento da Lupa na agenda presidencial mostra que, desde 29 de junho, Temer esteve em 414 encontros públicos com 217 deputados – veja aqui a lista completa. Esses parlamentares votam na tarde desta quarta-feira (25) se a segunda denúncia da PGR também deverá ficar parada até Temer cumprir seu mandato – como já foi decidido em relação à primeira acusação. 

Só no período em que a segunda denúncia – por organização criminosa e obstrução de justiça – tramitou na Casa, 53% das reuniões tiveram a presença de algum deputado. Um total de 145 dos 272 compromissos realizados desde 21 de setembro, data em que a Câmara recebeu a segunda acusação contra o presidente. Nesses encontros, 121 deputados diferentes estiveram com Temer. 

A proporção da presença de deputados no Palácio do Planalto já tinha alcançado número semelhante ao longo da tramitação da primeira denúncia. De 29 de junho a 2 de agosto, dias de análise da primeira tentativa de instaurar processo, 181 de 346 agendas do presidente tiveram deputados – 52% do total.  Nessas reuniões, 137 deputados diferentes participaram dessas agendas.

O mesmo não se repetiu, porém, nos 45 dias entre as duas denúncias.  Entre a primeira acusação barrada e a chegada da segunda à Câmara em 21 de setembro, Temer teve 308 compromissos públicos e apenas 88 foram com deputados – 29% do total. Essas agendas contaram com 89 deputados.

 

E COMO VOTARAM OS DEPUTADOS QUE ENCONTRARAM TEMER?

Na primeira votação, os encontros demonstraram resultados. De um total de 137 deputados que se reuniram com Temer entre a apresentação da denúncia e a votação, 117 votaram a favor do presidente. Outros 15 votaram contra, dois eram suplentes no período, dois estavam ausentes e Rodrigo Maia (DEM-RJ), por ser presidente, não votou.

Desde 21 de setembro até a terça-feira (24), 121 deputados se reuniram com o presidente. A imensa maioria, 107, votou a favor dele na primeira ocasião. Cinco votaram contra, cinco estavam ausentes, dois eram suplentes e um estava licenciado – há, ainda, Maia, que não vota.

Antes da primeira denúncia, o relator original do processo na Comissão de Constituição e Justiça, Sérgio Zveiter (Pode-RJ) não foi recebido nenhuma fez por Temer. Zveiter defendeu o prosseguimento da denúncia. Já Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG), responsável pela elaboração do relatório que sugeria a negação da autorização do processo, esteve com o presidente quatro vezes antes da votação de agosto.

Bonifácio Andrada (PSDB-MG), relator da segunda denúncia, não esteve com Temer em nenhuma das agendas públicas divulgadas.

PRESENÇAS MAIS FREQUENTES

Alguns deputados se tornaram mais frequentes no Palácio do Planalto. Os líderes do governo e do PMDB na Câmara, respectivamente Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) e Baleia Rossi (PMDB-SP), foram os que mais estiveram com o presidente desde a apresentação da primeira denúncia – 29 vezes cada. Beto Mansur (PRB-SP, 25 vezes), André Moura (PSC-SE, 22 vezes) e Carlos Marun (PMDB-MS, 19 vezes) também são presenças frequentes nas agendas do presidente.

Leia outras checagens de ‘País’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo