A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Lupa 2 anos: Para 2018, renovamos nosso (super) conselho editorial

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
18.nov.2017 | 09h00 |

Separamos este sábado (18) para anunciar – com muito orgulho – a renovação de nosso conselho editorial. A partir de hoje, nove jornalistas – seis homens e três mulheres, de idades, currículos profissionais e posições políticas variadas – passarão a guiar nosso trabalho a partir de dois pontos de vista: o estratégico e o editorial. Todos aceitaram fazer parte do conselho de forma voluntária – por acreditarem na importância da checagem de dados e por serem, na verdade, grandes entusiastas da Lupa.

Dorrit Harazim, Daniela Pinheiro, Chico Otavio, Ricardo Gandour e Marcelo Lins integraram a primeira versão do conselho – ativa entre 2015 e 2017 – e concordaram em continuar conosco. Juntam-se a eles: Fernanda da Escóssia, Gilberto Scofield, Jefferson Barbosa e José Brito.

Dorrit Harazim é colunista do Globo, Prêmio Gabriel García Marquez e Maria Moors Cabot. Conheceu Cristina Tardáguila, nossa diretora, na revista piauí. Com frequência, Dorrit sugere pautas e compartilha links sobre o avanço do fact-checking no mundo.

“Em 2017, a agência maturou e  expandiu seu escopo: promoveu cursos no Festival piauí GloboNews de Jornalismo, consolidou sua presença na rádio CBN e na mídia impressa, via Folha de S.Paulo. Inovou ao traduzir material produzido pela vizinha Chequeado (site de checagem argentino) e calibrou melhor o quê checar e como pontuar”, diz. “Para 2018, ano eleitoral, as armadilhas serão muitas. Fiquemos no essencial, no que realmente importa, esqueçamos as afirmações inconsequentes”, sugere Dorrit. E, nós concordamos.

Daniela Pinheiro, hoje diretora de Redação da revista Época, viu a Lupa nascer. Também dentro da piauí. Tem o costume de sugerir checagens e estimular nossas parcerias comerciais. “O ano de 2018 será especialmente atribulado, com uma eleição polarizada, um momento instável e com personagens discutíveis”, alerta. “O trabalho da Lupa será ainda mais necessário para esclarecer eleitores e jogar luz sobre situações e candidatos”.

Ricardo Gandour, atual diretor executivo de Jornalismo da Rede CBN, entrou para o conselho quando ainda dirigia o jornal Estado de S.Paulo. Nos apoiou de forma consistente quando decidimos inovar e ser a primeira agência de notícias do país a fazer checagens em rádio.

“A parceria com a Agência Lupa está em sintonia com o propósito de combater a proliferação de informações não verificadas e a polarização”, explica. “Esse aspecto essencial do método jornalístico será ainda mais importante em 2018. Espero que, juntos, CBN e Lupa avancem neste importante serviço à sociedade”.

Marcelo Lins, jornalista e apresentador da GloboNews, tem sido grande entusiasta da checagem de fatos. Costuma dizer frases como “se você checa os bolsos para ter certeza de que não esqueceu a chave de casa, imagina a importância de checar afirmações de quem vai ficar com as chaves do país em 2018”. Divertido, risonho e muito animado, Lins quer que a agência esteja “de olho em tudo, junto com a gente”.

Chico Otavio é repórter do jornal O Globo e tem sido o conselheiro mais ativo da Lupa. Opina em pautas, sugere fontes e participa ativamente na seleção do corpo de profissionais – uma vez que também trabalha como professor de Jornalismo da PUC-Rio. Chico acumula a função de conselheiro administrativo da agência.

“Nestes dois anos, minha contribuição foi muito mais no sentido de vibrar com os resultados alcançados pela Lupa do que oferecer algum conselho. Fico feliz por continuar ligado a um projeto tão inovador”.

E OS NOVOS CONSELHEIROS?

Fernanda da Escóssia é jornalista e professora universitária. Em 2013, como editora do caderno de política do jornal O Globo, apoiou Tardáguila na fundação do blog Preto no Branco – o primeiro do país a fazer fact-checking de forma sistemática. Desde então, atua como uma embaixadora da checagem jornalística. Já promoveu uma série de encontros e seminários sobre o assunto e mostra prazer em debatê-lo. Sua colaboração, a partir de hoje, será assídua.

“Espero da Lupa um acompanhamento crítico da campanha política de 2018, sempre com um olhar atento a temas importantes da agenda brasileira, como sustentabilidade e diversidade”.

Jefferson Barbosa é o mais jovem do conselho. Ainda estuda Jornalismo na PUC-Rio, mas já trabalha como Coordenador da Voz da Baixada, uma plataforma que tem por missão trazer à tona notícias sobre áreas do Rio de Janeiro que não costumam ser cobertas pela grande mídia. É um militante das causas das minorias e nos ajudará a jamais esquecê-las. “Em um momento tão polarizado quanto um ano eleitoral, a Lupa será uma das mais importantes ferramentas para a sociedade brasileira enxergar a realidade”.

José Brito é gerente do Canal Futura. Entra para o conselho da Lupa para apoiar o projeto LupaEducação, braço da agência responsável por treinamento de profissionais de comunicação e interessados em fact-checking. Como a ajuda dele, a Lupa chegará às escolas de ensino médio.

Gilberto Scofield é gerente de comunicação na Fapes/BNDES. Costuma ser publicamente crítico à imprensa, apontando novos caminhos e dando novas ideias. Tem especial interesse no universo digital e é especialista em marketing. Em seu primeiro dia de conselho, foi direto ao ponto: “a ideia é monitorar esses caras (os candidatos à Presidência da República) já. A partir de agora”. E a Lupa vai seguir à risca essa proposta.

QUEM SAI?

Somos muito gratos aos jornalistas que integraram a primeira edição do conselho: Sergio Davila, Ascanio Seleme, Antônio Gois, Luiz Fernando Viana e Fernando Barros Silva. Alguns deles deixam a posição pelo volume de trabalho que acumularão em 2018. São diretores de grandes redações e também estarão diante de novos desafios. Há ainda os que passaram a viver fora do Brasil ou a cuidar de projetos que não estão intimamente ligados ao hard news. Suas sugestões e críticas, no entanto, continuam sendo muito bem-vindas. Para sempre.

“Se a Lupa chegou aos seus dois anos de vida é porque todos eles contribuíram para isso. Nossa gratidão não tem tamanho”, diz Tardáguila. “Que venha 2018, com os novos conselheiros e todos os novos desafios”.

Leia outras informações institucionais / Home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo