A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação
Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação

Lula defende seu legado político, mas erra ao falar de julgamento no TRF-4

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
24.jan.2018 | 06h00 |

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ter seu futuro político decidido nesta quarta-feira, no julgamento de seu recurso no processo sobre o tríplex do Guarujá na 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre. Ao longo das últimas semanas, ele tem aparecido publicamente falando sobre o processo, seus anos de governo e a situação atual do Brasil. A Lupa checou frases ditas pelo ex-presidente em manifestações e discursos e também em sua conta no Twitter. Veja o resultado:

“O Brasil foi o último país da América do Sul a ser independente”
Ex-presidente Lula em discurso feito no dia 4 de dezembro em Vitória (ES)

FALSO

Dos doze países que integram a América do Sul, seis declararam independência depois do Brasil. O Peru o fez em 20 de setembro de 1822. A Bolívia, em 1825. O Uruguai, em 1828. O Equador e a Venezuela se separaram totalmente da chamada Grã-Colômbia em 1830, e Guiana e Suriname conquistaram suas independências no século 20, em 1966 e 1975, respectivamente.

Procurado, Lula não comentou.


“Tudo o que foi feito neste país para combater a corrupção, todos os mecanismos, foram feitos nos governos do PT”
Ex-presidente Lula em entrevista concedida a veículos internacionais no último dia 19

EXAGERADO

É fato que os governos do PT contribuíram para o combate à corrupção e que, na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, por exemplo, foi criada a Lei nº 12.846/2013, mais conhecida como Lei Anticorrupção. Mas, quando Lula chegou ao Planalto, em janeiro de 2003, ao menos outras quatro leis usadas no combate à corrupção já existiam no país. Em 1992, a de nº 8.429, conhecida como Lei de Improbidade Administrativa, estabeleceu normas para punir agentes públicos que viessem a enriquecer ilicitamente exercendo uma função pública. Um ano depois, em 1993, veio a Lei das Licitações, Lei nº 8.666, estabelecendo regras para realização de contratos pelos diversos Poderes da União. Já em 1995, a Lei nº 9.613 foi sancionada, definindo os crimes de lavagem de dinheiro e ocultação de bens, direitos e valores. Ainda vale ressaltar que, por iniciativa popular, em 1999 foi aprovada a Lei no 9.840 para combater a compra de votos e que o Código Penal brasileiro prevê os crimes de corrupção ativa e passiva e suas respectivas punições desde 1940.

Procurado, Lula não comentou.


“O PT é um partido com mais de 2 milhões de filiados”
Ex-presidente Lula em entrevista concedida a veículos internacionais no último dia 19

EXAGERADO

Dados do Tribunal Superior Eleitoral mostram que, em dezembro de 2017, o Partido dos Trabalhadores tinha 1.585.664 filiados. Um ano antes, em dezembro de 2016, eram 1.586.521. Em dezembro de 2015, 1.590.104 filiados. Segundo a série histórica do ano passado: novembro foi o mês com maior número de filiados em todo 2017, com 1.585.958.

Procurado, Lula não comentou.


“Eu perdi três eleições e nunca instiguei a sociedade a duvidar do resultado”
Ex-presidente Lula em entrevista para mídias internacionais no último dia 19

VERDADEIRO

Em 1989, Lula foi derrotado por Fernando Collor (então PRN) e, em 1994 e 1998, por Fernando Henrique Cardoso (PSDB). De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), entre 1989 e 2001 não houve nenhum pedido por parte de Lula para recontagem de votos ou qualquer questionamento dele sobre o resultado das eleições. Uma busca nos acervos dos principais jornais também mostra que ele não pôs em xeque os resultados das urnas nessas ocasiões.

Quatro dias depois da eleição de Collor, em 1989, ele deu uma entrevista à Folha de São Paulo e afirmou que não questionava o resultado da eleição. “O reconhecimento do resultado eleitoral não significa, em hipótese nenhuma, o reconhecimento da política que o nosso adversário vai usar. Sou oposição intransigente”, afirmou o petista.

Em 1994, durante a apuração dos votos, Lula deu sua mais contundente declaração acerca do tema e questionou a legitimidade dos “métodos” usados por FHC no pleito daquele ano. “É lógico que um candidato eleito com base em métodos ilegítimos tem menos autoridade moral e menos credibilidade do que alguém eleito num processo limpo. Ele sabe disso”. Mas, apesar de ter dito que as eleições não haviam sido limpas, Lula deixou claro que aceitaria o resultado. “Como democrata que sou, na hora que sair o resultado, podemos até discordar dele e denunciá-lo, mas iremos tentar aprimorar o processo para as outras eleições”.

No ano seguinte, em 1995, Lula esteve no Roda Viva, programa da TV Cultura, e creditou sua derrota ao sucesso do Plano Real.  “Eu perdi as eleições. Perdi para uma moeda. Não tive a sensibilidade, sabe, de medir corretamente o valor que a estabilidade teve no imaginário do povo brasileiro e, ao invés de ficar chorando, eu tenho que partir para trabalhar”, afirmou o petista.

Após a segunda derrota para FHC, em 1999, Lula voltou ao programa da TV Cultura. Dessa vez, atribuiu a derrota eleitoral a um erro de estratégia seu. Segundo Lula, ao demorar para anunciar seu desejo de disputar o pleito de 1998, teria colocado seu próprio nome em “depreciação”. “Na medida que eu fiquei quatro meses dizendo que eu não queria ser [candidato a presidente], para eles indicarem outro, eu fui permitindo que passassem para a sociedade a idéia de que existia alguém na esquerda melhor do que eu, quando na verdade não existia naquele momento”.


“Quando eu cheguei à Presidência, esse país devia US$ 30 bilhões ao FMI. A inflação estava a 12,5%”
Ex-presidente Lula em seu Twitter no dia 6 de dezembro

VERDADEIRO

Segundo o IBGE, a inflação de dezembro de 2002, mês que antecedeu a posse de Lula, foi de 12,53%. No final do primeiro ano do mandato de Lula, em dezembro de 2003, havia caído para 9,3%. Vale lembrar que, em outubro de 2002, o Brasil fechou um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) e recebeu US$ 30 bilhões.


“Em 12 anos, nós saímos de 4 milhões para 8 milhões de jovens na universidade”
Ex-presidente Lula em entrevista para mídias internacionais no dia 19

VERDADEIRO

De acordo com o Censo do Ensino Superior, divulgado anualmente pelo Inep, 7.828.013 alunos cursavam alguma graduação em 2014 no Brasil. É mais do que o dobro do alcançado em 2002, quando foram feitas 3.479.913 matrículas. Entretanto, a distribuição desses estudantes não teve alterações significativas no período. Em 2002, 70% dos alunos (2.428.258) estavam matriculados em instituições privadas. Já em 2014, eram 75% (5.867.011 alunos).

Procurado, Lula não quis comentar nenhuma das checagens.

Lupa checou: 
Penhora do tríplex influencia julgamento de Lula no TRF-4?
Lula x TRF-4: bisavô de magistrado matou Antônio Conselheiro?

*Parte desta reportagem foi publicada pela versão impressa do jornal Folha de S.Paulo.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo