A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Beto Barata/PR
Foto: Beto Barata/PR

Temer exalta ‘atenção’ com Ciência e Tecnologia, mas reduz investimento

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
26.jan.2018 | 07h00 |

Depois de quatro anos de ausência, na última quarta-feira (24), um presidente brasileiro voltou a discursar no Fórum Econômico Mundial. Michel Temer falou por vinte minutos em Davos, na Suíça, e, entre outros pontos, tratou da reforma da Previdência e de uma série de dados econômicos. A Lupa checou alguns deles. Veja abaixo.

“Nós temos um ministério especial nesta área, que é o Ministério da Ciência e Tecnologia, para o qual, naturalmente, nós destinamos a nossa atenção”
Presidente Michel Temer em entrevista concedida em Davos, na SuíçaRECORTES-POSTS-CONTRADITORIOApesar da declaração de Temer, o governo federal tem realizado cortes significativos na verba que destina ao setor. Se comparados os orçamentos totais de 2017 e 2018 para o Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, constata-se uma redução de 21,25%, em já valores corrigidos pela inflação.

A verba para investimentos da pasta também caiu neste período: um total de 46,9%. No ano passado, o governo destinou R$ 1 bilhão para investimentos em ciência e comunicações. Para este ano, o previsto é R$ 549,3 milhões.

Importantes instituições para o fomento da pesquisa no país, entre elas o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), também foram alvo de cortes nos últimos anos.

No CNPq, houve um corte de 17,57% no orçamento total da entidade, em valores corrigidos pela inflação. Em 2017, o valor previsto era de R$ 1,7 bilhão. Em 2018, a previsão é de R$ 1,4 bilhão. A queda no valor disponível para investimentos é ainda maior: 58,6%. De R$ 44,1 milhões em 2017 para R$ 18,2 milhões em 2018. A curva em ambos os valores é descendente desde 2015.

Já a Capes, vinculada ao Ministério da Educação, é responsável pela expansão da pós-graduação no país. É a Capes, por exemplo, que periodicamente avalia os cursos de mestrado e doutorado. A redução na verba para investimentos foi de 80%: de R$ 152,8 milhões em 2017 para R$ 29,6 milhões neste ano – também em valores já corrigidos.

No total, a verba da Capes caiu 22,3%: de R$ 5,1 bilhões em 2017 para R$ 3,9 bilhões em 2018. Assim como no CNPq, o orçamento da Capes vem sendo enxugado desde 2015, uma redução total de 48%. Confira o levantamento realizado pela Lupa.

Procurado, o presidente Temer e o Palácio do Planalto não retornaram.


“Como resultado de nosso esforço de ajuste, tivemos, em 2017, um déficit fiscal primário bem abaixo da meta”
Presidente Michel Temer em discurso feito em Davos, na SuíçaRECORTES-POSTS-AINDA-E-CEDODe acordo com o cronograma estabelecido pelo governo federal, o Resultado do Tesouro Nacional de dezembro de 2017 será publicado somente na próxima terça-feira (30). Portanto, ainda não é possível afirmar o valor real.

Há, no entanto, previsões. Em Davos, o Ministro da Fazenda Henrique Meirelles estimou o déficit em R$ 130 bilhões.

A meta fiscal, que inclui o resultado primário, é estabelecida na Lei de Diretrizes Orçamentárias. Para 2017, a meta inicial, aprovada em dezembro de 2016, era um déficit de R$ 139 bilhões. Em setembro, já com o ano fiscal em curso, o governo conseguiu alterar essa meta para R$ 159 bilhões. Assim sendo, se as previsões se comprovarem, o déficit fiscal primário será R$ 29 bilhões menor do que a meta fixada para o ano passado.

Resultado primário é a diferença entre as receitas primárias e despesas primárias, ou seja, sem juros. Na prática, significa quanto o governo consegue economizar para pagar suas dívidas. Quando ela é positiva, há um superávit, e quando ela é negativa, há um déficit.

Procurado, o presidente Temer e o Palácio do Planalto não retornaram.


“O risco-país tem caído consistentemente – de mais de 500 pontos verificados em janeiro de 2016 para o patamar, hoje, de 200 pontos”
Presidente Michel Temer em discurso feito em Davos, na SuíçaRECORTES-POSTS-VERDADEIRO-MASO risco-país é um indicador que mede o “perigo” que o investidores estrangeiros correm ao destinar recursos a países emergentes. Quanto maior o risco, menor é a capacidade do país atrair investimentos externos. Os pontos são o resultado da diferença entre os lucros de títulos da dívida de um país e os lucros dos títulos emitidos pelos Estados Unidos.

E, como disse Temer em Davos, de fato o risco-país do Brasil tem diminuído. Em janeiro de 2016, durante o governo Dilma Rousseff, o índice chegou aos 544 pontos. O último dado disponível (de 23 de janeiro de 2018) mostra que o índice está em 233 pontos.

Mas o que Temer não mencionou em seu discurso em Davos foi o fato de que, no dia 11 de janeiro, a agência de risco Standard & Poor’s (S&P) rebaixou a nota de crédito do Brasil: de BB para BB-. Isso significa que, de acordo com a organização, o país é mais suscetível a dar calote em investidores.

Procurado, o presidente Temer e o Palácio do Planalto não retornaram.

Leia outras checagens de ‘País’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo