A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Duas verdades e três mentiras sobre a hanseníase, uma doença infecciosa

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
15.fev.2018 | 06h00 |

Nos últimos dias de janeiro, o Ministério da Saúde lançou a Campanha Nacional de Luta Contra a Hanseníase 2018 com o objetivo de conscientizar a população sobre os sintomas e o tratamento da doença. Antigamente, a hanseníase era conhecida como lepra, mas, por se tratar de uma denominação considerada depreciativa, o uso desse termo foi proibido pela Lei nº 9.010, em 1995.

A hanseníase é uma doença infecciosa e crônica, que ataca principalmente a pele e os nervos, podendo levar à incapacidade física. Mas, o que mais você sabe sobre essa doença? Cheque a seguir:

“A hanseníase já foi praticamente erradicada no Brasil”Recortes-Posts_FALSOEntre 2006 e 2016 o número de novos casos de hanseníase no Brasil registrou uma queda de 37,1%, segundo o Ministério da Saúde. Embora o órgão comemore a diminuição, os números permanecem altos. Em 2016, houve 25.218 novos casos da doença. Em 2015, foram 28.761. Assim sendo, não é possível afirmar que a hanseníase foi “erradicada no Brasil”.


“Só transmite a hanseníase quem não faz o tratamento”verdadeiroO tratamento da hanseníase é feito pela poliquimioterapia (PQT), associação de medicamentos que mata o bacilo e evita a evolução da doença. Sem a presença do bacilo, a transmissão é interrompida. Por isso, quem faz o tratamento, não transmite a doença.

O Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza os medicamentos de forma gratuita em todo o Brasil. Segundo a FioCruz, o tratamento da hanseníase também precisa ser acompanhado por uma equipe multidisciplinar, que envolve dermatologistas, neurologistas e fisioterapeutas.

A hanseníase é uma doença crônica infecciosa causada por uma bactéria. Ela é transmitida por gotículas nasais e orais. O contágio ocorre por meio do contato contínuo com uma pessoa doente, normalmente entre pessoas que vivem na mesma casa.


“Diagnosticar a hanseníase é muito fácil”Recortes-Posts_FALSOA hanseníase é difícil de ser diagnosticada. A Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) afirma que menos de 50% dos casos são identificados por exames de laboratório. Tanto a SBH quanto o ministério indicam o exame clínico como a forma mais segura de identificação da doença.

A hanseníase tem cura, mas, se demorar para ser diagnosticada, pode provocar sequelas irreversíveis. Alguns sintomas frequentes da doença são manchas esbranquiçadas sem sensibilidade em qualquer parte do corpo, áreas de pele seca e com falta de suor e dor e sensação de choque.

A doença leva de 5 a 10 anos para se manifestar e, segundo a SBH, há alta incidência da doença em menores de 15 anos – o que indica contato com o bacilo causador da doença na infância.    


“O Brasil ocupa o 2° lugar no ranking mundial da hanseníase”verdadeiroEm 2015, segundo a OMS, 210.758 novos casos da doença foram detectados em todo o mundo. De acordo com o Boletim Epidemiológico sobre hanseníase, o Brasil tinha 13% dos casos da doença no mundo em 2015, ficando em segundo lugar no ranking.

Mas, enquanto aqui, segundo a OMS, eram 26.395 novos casos naquele ano, na Índia o número chegava a 127.326, ou seja, quase cinco vezes mais. O país asiático representava 60% dos novos casos da doença em 2015. A Indonésia era o terceiro, com 17.202 ou 8% dos novos casos.


“Uma vez curado da hanseníase, nunca mais sentirei os sintomas da doença”Recortes-Posts_FALSOSegundo a FioCruz, mesmo depois de passar pelo tratamento, é possível que o paciente continue sofrendo com problemas neurológicos – isso ocorre em pelo menos 20% dos casos. Quem teve hanseníase deve seguir com acompanhamento médico por, no mínimo, 10 anos depois de ser considerado curado.

Além disso, cerca de 40% das pessoas que iniciam o tratamento passam pelo chamado “estado reacional”, com um agravamento dos sintomas da doença, como febre, lesões na pele e dores nos nervos. Muitas precisam ser, inclusive, internadas por conta disso.

Leia outras checagens de ‘Saúde’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo