A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Beto Barata/PR
Foto: Beto Barata/PR

No dia 9/2, Planalto propôs retirar R$ 204 milhões da segurança pública

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
20.fev.2018 | 18h30 |

R$ 204 milhões. Esse é o valor que o Governo Federal pretende retirar da Segurança Pública para atender a demandas dos municípios em áreas como saúde, educação e assistência social ao longo deste ano. Elaborada pelo Ministério do Planejamento e encaminhada ao Congresso com a assinatura do presidente Michel Temer, a proposta consta no Projeto de Lei de Crédito Especial (PLN) 1/2018, que tramita desde o dia 9 de fevereiro – uma semana antes de o presidente decretar a intervenção federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro e voltar as forças do governo para essa questão.

Os R$ 204 milhões se referem a ações ligadas à Justiça, Cidadania e Segurança Pública que seriam gerenciadas pelo Ministério da Justiça. E dois dos cortes sugeridos afetariam diretamente o Estado do Rio de Janeiro: menos R$ 5 milhões para a construção de uma nova sede para a Polícia Rodoviária Federal e menos R$ 5 milhões para a aquisição de viaturas e equipamentos para os bombeiros estaduais.

No total, o PLN 1/2018 retira valores de sete ministérios (Educação, Justiça, Saúde, Trabalho, Defesa, Desenvolvimento Social e Direitos Humanos) e os transfere para o Fundo de Participação dos Municípios (FPM) – que, segundo a Confederação Nacional de Municípios, é a principal fonte de renda da maioria das cidades. Uma vez na mão dos municípios, o dinheiro pode ser utilizado para pagar qualquer despesa, seja em saúde, educação, assistência social ou outras rubricas, conforme a necessidade da cidade. Trata-se de um “pacote de bondades”.

Em dezembro de 2017, Temer falou sobre a proposta diante de um grupo de prefeitos que seriam beneficiados por ela. Em troca do andamento do PLN, pediu apoio à tramitação da reforma da Previdência: “Eu peço para que os senhores, a partir de agora, façam contatos com colegas deputados e senadores e digam: ‘olha, a sociedade quer e precisa disso [da reforma da Previdência]’”. Mas, desde a semana passada, com a intervenção no RJ, o Congresso está impedido de votar qualquer Proposta de Emenda Constitucional (PEC), entre elas a da reforma da Previdência. O PLN 1/2018, no entanto, segue tramitando no Congresso. Até a última segunda-feira (19), havia recebido 68 emendas parlamentares.

Procurado, o Palácio do Planalto sugeriu que a reportagem contactasse o Ministério do Planejamento. Em nota, a assessoria do ministério declarou que a proposta foi apresentada “antes da intervenção no Rio de Janeiro” e destacou que os recursos liberados tratavam de emendas parlamentares não-obrigatórias. “Por fim, cabe destacar que os recursos para a intervenção serão oportunamente discutidos e alocados conforme decisão do governo”.

Leia outras checagens de ‘País’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo