A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Arquivo
Foto: Arquivo

E as promessas para segurança que Pezão fez na campanha, hein?

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
24.fev.2018 | 09h30 |

Em 2014, o governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, tentava ser reeleito para o cargo que ocupava até então, em substituição a Sérgio Cabral. Na época, ele afirmava que a segurança seria uma das prioridades de sua nova gestão. Em meio à intervenção feita pelo governo federal no estado, a Lupa voltou às promessas que Pezão registrou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e às primeiras entrevistas que ele concedeu depois de eleito para ver o que, de fato, foi feito. Veja a seguir o resultado:

“[Uma das prioridades é] A ampliação do programa [das UPPs] para novas comunidades”
Programa de governo registrado por Luiz Fernando Pezão no TSE em 2014Recortes-Posts_FALSODesde que foi reeleito, o governador Luiz Fernando Pezão não instalou nenhuma nova Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no Rio de Janeiro. O site da Secretaria de Estado de Segurança do Rio mostra que a última UPP foi implantada na Vila Kennedy no dia 23 de maio de 2014. Ao todo, são 38 unidades espalhadas pela cidade carioca: 23 na Zona Norte, oito na Zona Sul, três na Zona Oeste, três no Centro e apenas uma na Baixada Fluminense. Além disso, no início de fevereiro, o comandante-geral da PM, Wolney Dias, afirmou que está sendo estudado a retirada ou redimensionamento de 18 UPPs.  

Procurada, a assessoria de Pezão afirma que a crise foi a responsável por barrar a implantação de novas Unidades de Polícia Pacificadora no Rio de Janeiro.


“Uma das prioridades da gestão Pezão no período 2015-2018 será o fortalecimento das atuais UPPs”
Programa de governo registrado por Luiz Fernando Pezão no TSE em 2014Recortes-Posts_FALSOAlém de não ter criado nenhuma UPP nova, o governo Pezão foi progressivamente cortando o orçamento para manutenção das unidades existentes. O orçamento aprovado para 2018 (p.176) prevê apenas R$ 23,5 mil para área, e equivale a um total de R$ 618 para cada uma das 38 UPPs existentes.

Em 2015 (p.305), primeiro ano do segundo mandato de Pezão, o investimento para as UPPs era de R$ 251 mil. Em 2016 (p.305), o valor subiu para R$ 3 milhões. Em 2017 (p.187), para R$ 5,4 milhões

Além disso, em dezembro do ano passado, Pezão sancionou uma lei que subordina o efetivo das UPPs aos batalhões das áreas em que as unidades se localizam. Isso significa que, desde então, os policiais de comunidades pacificadas podem ser realocados conforme as necessidades dos comandantes de cada batalhão, reduzindo a autonomia das unidades. Antes dessa lei, a Coordenadoria de Polícia Pacificadora era a responsável, por exemplo, pela adoção da ação de polícia mais adequada.

Procurada, a assessoria de Pezão afirma que o compromisso com o Programa de Polícia Pacificadora foi mantido. Segundo eles, a Secretaria de Estado de Segurança e a PM reavaliaram e estabeleceram mudanças necessárias para as UPPs.


“Vamos chegar a um efetivo de 60 mil policiais militares”
Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, em entrevista ao G1 no dia 1º de janeiro de 2015 RECORTES-POSTS-DE-OLHOA assessoria da Polícia Militar informa que, em dezembro de 2017, o Estado do Rio de Janeiro tinham 44.487 policiais militares. Desse total, mais da metade ficava na capital: 28.349 agentes. Para chegar ao número de PMs prometidos, a gestão de Pezão, que só termina em dezembro, precisa abrir concurso para mais 15.500 policiais militares. Segundo o site da PM, em janeiro de 2017 ainda estava aberto o concurso CFSD de 2014. Desde então não consta no site mais nenhum concurso.

Procurada, a assessoria de Pezão não comentou sobre o número de policiais militares. Eles afirmam que haverá uma renovação da frota da PM. “Em cerca de 60 dias, serão entregues à PM as primeiras 290 viaturas adquiridas em pregão eletrônico realizado em janeiro de 2018”.


“Vamos criar os batalhões em Araruama, Nova Iguaçu e Itaguaí”
Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, em entrevista ao G1 no dia 1º de janeiro de 2015

RECORTES-POSTS-DE-OLHOEntre os municípios citados pelo governador Pezão, Itaguaí é o único que tem um Batalhão da Polícia Militar próprio – 24º Batalhão da Polícia Militar. Nova Iguaçu e Araruama não possuem batalhões em seu município. Eles são atendidos, respectivamente, pelos Batalhões de Mesquita (20º BPM) e Cabo Frio (25º BPM). Essas informações foram confirmadas pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro.

Procurada, a assessoria de Pezão destaca a inauguração da nova sede da 24º BPM. Eles afirmam que o prédio fica localizado entre regiões que apresentam os maiores índices criminais em toda área de cobertura do batalhão. Ele não comentou sobre os Batalhões que deveriam ser construídos em Araruama e Nova Iguaçu.


“Implementar o Centro de Operações Especiais (COE), uma base de operações de 218 mil metros quadrados, localizada em ponto estratégico – em Ramos, entre a Avenida Brasil e a Linha Vermelha”
Programa de governo registrado por Luiz Fernando Pezão no TSE em 2014verdadeiroSegundo a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, o Centro de Operações Especiais (COE) do Rio de Janeiro foi construído. Ele está localizado em Ramos, o que – como diz a proposta de Pezão – visa a otimizar “a logística de deslocamento das unidades de operação” da PM. O COE reúne sedes de unidades de elite da Polícia Militar, como o Bope e o Grupo de Salvamento e Resgate (Gesar).

Leia outras checagens de ‘Cidades’ / Outras publicadas neste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo