A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

SobreElas: Centro de Excelência do futebol feminino não captou nem R$ 1

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
26.mar.2018 | 07h00 |

Em 2014, as mulheres que jogam futebol no Brasil receberam uma boa notícia. Até 2016, o país teria um Centro Desportivo de Excelência para o futebol feminino. O espaço teria 43 mil metros quadrados e seria erguido dentro do Parque Tecnológico Itaipu (PTI), em Foz do Iguaçu, no Paraná. Quatro anos depois, o projeto repousa em uma gaveta do Ministério do Esporte e a oportunidade de investimento  foi perdida. Documentos obtidos pela Lupa via Lei de Acesso à Informação mostram que a prazo para captação de recursos pela Lei de Incentivo ao Esporte expirou em dezembro de 2016 e que a fundação responsável pela obra não conseguiu captar nem R$ 1 sequer ao longo de três anos. Mais um 7 a 1.

O plano era ambicioso. Estava orçado em R$ 60,3 milhões, apenas 0,71% dos R$ 8,44 bilhões gastos para reformar ou construir os estádios usados pelas equipes masculinas na Copa do Mundo. Foi desenvolvido pela fundação que administra o PTI, com o intuito de colocar o centro numa área remanescente da construção da Usina Hidrelétrica de Itaipu – onde já funcionam três universidades.

O centro teria dois campos de futebol, vestiários, alojamento para atletas, academia, arquibancadas, duas piscinas, ciclovia e ginásio. Tudo para atender às seleções brasileiras de futebol feminino – “que historicamente perdem apoio e visibilidade para o futebol masculino” – e um público estimado de 21.650 pessoas, entre estudantes de Educação Física e Fisioterapia, atletas de categorias de base de clubes locais e integrantes de projetos sociais da região.

No dia 20 de fevereiro de 2014, o então ministro do Esporte, Aldo Rebelo, chegou a participar do lançamento da pedra fundamental do Centro Esportivo em Foz do Iguaçu. No evento, discursou animado: “O governo federal apoia o futebol feminino e agradece o apoio de Itaipu, empresa que nos enche de orgulho”. Foi seguido por Juan Carlos Sotuyo, diretor superintendente da fundação que administra o PTI: “esse projeto se tornará realidade e, além de abrigar treinamentos de times e de seleções, teremos também trabalho de inclusão social”.

A captação de recursos para o centro foi de fato liberada a partir de 11 de dezembro de 2013. De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial, a Fundação PTI foi autorizada a captar R$ 17,2 milhões para a construção de um campo de futebol, com arquibancadas, vestiários e alojamentos, no prazo de um ano. Perto deste limite, sem ter arrecadado nem um centavo, a Fundação recorreu ao Ministério do Esporte, pedindo novo prazo para executar o projeto: até dia 31 de dezembro de 2015.

O prazo foi concedido, mas o cenário se repetiu. Em setembro de 2015, a fundação pediu e conseguiu mais um ano para captar os R$ 17 milhões necessários. Em outubro daquele ano, a autorização foi concedida: o dinheiro que seria usado para construir a academia, os campos de futebol e arquibancada, além de reformar o vestiário, deveria ser obtido até 31 de dezembro de 2016.

Novamente, nada aconteceu. Em junho de 2017, a fundação foi notificada pelo Ministério do Esporte de que não havia mais prazo para arrecadar o dinheiro – enterrando o projeto. Veja outras fotos aqui, aqui e aqui

Em nota, a Fundação PTI informou que “infelizmente não houve continuidade do projeto” e se eximiu da responsabilidade pela arrecadação dos recursos aprovados. “A captação seria realizada pelo Ministério dos Esportes, uma vez que a Fundação PTI e Itaipu cederiam a área já existente. Espera-se que em algum momento se retome a questão para a continuidade do projeto”.

O Ministério do Esporte informou, por sua vez, que a inclusão do projeto na Lei de Incentivo é de responsabilidade do proponente, ou seja, da Fundação PTI. “A pasta tem o papel de apreciar a documentação apresentada nos projetos esportivos”. Sobre a prorrogação de prazos para captação de recursos autorizada pela pasta, mesmo sem nada ter sido arrecadado, o ministério informou que até então, era possível que os prazos fossem prorrogados duas vezes.

Perguntado se atualmente apoia a construção de algum espaço específico para o desenvolvimento do futebol feminino, o Ministério do Esporte não respondeu objetivamente. Informou que tem o apoio à modalidade “como uma de suas bandeiras” e que lançou neste ano um programa para “desenvolver o futebol de base de aproximadamente 10 mil meninos e meninas de áreas em vulnerabilidade social”.

A CBF informou que todas as seleções masculinas e femininas treinam na Granja Comary, em Teresópolis (RJ).  

Leia outras checagens da série SobreElas / Leia outras deste mês / Volte à home

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo