A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Indicadores do Brasil: uma série de dados para que você cheque os políticos

03.abr.2018 | 17h00 |

Na campanha eleitoral deste ano, que começa oficialmente daqui a quatro meses, os candidatos vão mentir. Vão exagerar dados, torcer estatísticas e omitir informações importantes. Tudo para conquistar seu voto. Sabendo disso, a Lupa inicia nesta terça-feira (3) uma série especial, a “Indicadores do Brasil”. A ideia é permitir que você mesmo possa encontrar dados e checar aquilo que ouvir por aí.

A partir de hoje, a agência publicará ao menos um gráfico animado por semana aqui no site e em suas redes sociais, mostrando a evolução de índices socioeconômicos relevantes à história do Brasil. Os dados vão cobrir os últimos 20 anos, do governo de Fernando Henrique Cardoso ao de Michel Temer.

A proposta é reunir numa única página, de forma simples, visualmente atrativa e bem objetiva, dados que certamente serão citados pelos candidatos em suas campanhas eleitorais. Aqui, na Lupa, você conseguirá verificar se eles têm ou não razão quando falarem sobre temas como segurança pública, esperança de vida, educação, economia.

(Os vídeos mais recentes estão no alto)

Vídeo 20: Pisa (publicado em 14/08/2018)

O Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), coordenado pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), é uma avaliação comparada de estudantes de 15 anos. O levantamento é feito a cada três anos, em três áreas: Matemática, Ciências e Leitura. O desempenho do Brasil sempre foi inferior à média dos países da OCDE em todas as áreas. Na Matemática, os estudantes brasileiros melhoraram seu desempenho entre 2000 e 2012, mas o resultado do país caiu em 2015 tanto em números absolutos, quanto em relação à média dos países desenvolvidos. Já nas Ciências, o desempenho dos estudantes brasileiros melhorou entre 2000 e 2009 – e se manteve relativamente estável nas edições seguintes. Por fim, na Leitura, o desempenho costuma ser um pouco mais próximo da média – e oscilou entre 2000 e 2015.

Vídeo 19: Rating Fitch (publicado 07/08/2018)

Desde 2003, o Banco Mundial elabora um estudo anual para medir a dificuldade de se abrir e manter uma pequena ou média empresa em cada país, com base nas regulamentações e no cumprimento das leis. Em 2006, a instituição passou a fazer um ranking quanto mais alta a colocação do país, mais fácil é abrir e sustentar uma empresa nele. O Brasil nunca esteve entre os 100 melhores países no estudo, e hoje ocupa na 125ª colocação no ranking.

Vídeo 18: Rating Fitch (publicado 31/07/2018)

A classificação de risco, ou rating, é um indicador para investidores que desejam aplicar seu dinheiro em algum país ou empresa. Ele mede a probabilidade de uma instituição honrar suas dívidas. Na Fitch Ratings, uma das principais empresas que fazem essa classificação, a escala tem 20 patamares, de AAA (mais alta) a D (mais baixa). Notas acima de BBB- significam grau de investimento, ou seja, a agência considera seguro o investimento na instituição. Em 2015, o Brasil perdeu seu grau de investimento, alcançado em 2008. Em 2018, a Fitch baixou a nota do Brasil para BB-.

Vídeo 17: Rating Standard & Poor’s (publicado 17/07/2018)

A classificação de risco, ou rating, é um indicador para investidores que desejam aplicar seu dinheiro em algum país ou empresa. Ele mede a probabilidade de uma instituição honrar suas dívidas. Na Standard & Poor’s, uma das principais empresas que fazem essa classificação, a escala tem 20 patamares, de AAA (mais alta) a D (mais baixa). Notas acima de BBB- significam grau de investimento, ou seja, a agência considera seguro o investimento na instituição. Em 2015, o Brasil perdeu seu grau de investimento, alcançado em 2008. Em 2018, a Standard & Poor’s baixou a nota do Brasil para BB-.

Vídeo 16: Rating Moody’s (publicado 17/07/2018)

A classificação de risco, ou rating, é um indicador para investidores que desejam aplicar seu dinheiro em algum país ou empresa. Ele mede a probabilidade de uma instituição honrar suas dívidas. Na Moody’s, uma das principais empresas que fazem essa classificação, a escala tem 20 patamares, de Aaa (mais alta) a C (mais baixa). Notas acima de Baa3 significam grau de investimento, ou seja, a agência considera seguro o investimento na instituição. Desde 2016, o rating do Brasil na Moody’s é Ba2, grau considerado especulativo, ou seja, o investimento no país não é recomendado.  

Vídeo 15: Dívida pública (publicado 10/07/2018)

A Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) significa as dívidas da União, dos estados, dos municípios e das empresas públicas somadas. Quando falamos em relação entre a dívida e o PIB, este é o indicador que costuma ser levado em conta. Nos últimos anos, a dívida pública cresceu em um ritmo bastante acelerado. No fim de 2013, a dívida equivalia a 51,5% do PIB. Em 2017, chegou a 74%.

Vídeo 14: Resultado primário (publicado 03/07/2018)

O resultado primário é a diferença entre quanto o governo arrecada e quanto ele gasta, excetuando-se receitas e despesas envolvendo juros como empréstimos e emissão de títulos públicos. Quando o resultado é positivo, temos um superávit primário; quando é negativo, temos um déficit. O Brasil teve superávit de 1998 até 2013, mas passou a ter déficit a partir de 2014.

Vídeo 13: Salário Mínimo (publicado em 26/06/2018)

Desde 1998, o salário mínimo mais do que dobrou em valores reais — isto é, corrigidos pela inflação do período. No último ano do primeiro mandato de Fernando Henrique, seu valor estava em  R$ 449,87 (corrigido pela inflação de maio de 2018). Hoje, ele vale R$ 954,00. Ao longo de todo esse período, o mínimo só cresceu abaixo da inflação entre 2002 e 2003.

Vídeo 12: Taxa Selic (publicado em 19/06/2018)

A meta da Taxa Selic é definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central. Ela serve como referência para os juros praticados por instituições financeiras que operam no país. A taxa existe desde 1996, e é medida da forma atual (porcentagem ao ano) desde 1998. As reuniões costumavam ser mensais, mas desde 2006 passaram a ser realizadas a cada seis semanas, em média. Os dados utilizados são da última reunião do ano em questão. Nos primeiros meses de 2018, a taxa caiu para 6,5% ao ano a menor de toda a série histórica.

Vídeo 11: Variação do PIB – Produto Interno Bruto (publicado em 12/6/2018)

O Produto Interno Bruto (PIB) é uma forma de medir o valor dos bens e serviços que um país produz num determinado período. Quando medimos a variação do PIB, vemos quanto a economia se desenvolveu — ou se retraiu — em um período de um ano. Ao longo da década passada, o país cresceu em quase todos os anos. Entretanto, a partir de 2013, o ritmo começou a cair. Em 2015 e 2016, a economia brasileira retraiu significativamente, voltando a crescer, de forma tímida, em 2017.


Vídeo 10: IPCA – Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (publicado em 5/6/2018)

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é medido pelo IBGE e calcula a inflação de uma série de produtos e serviços comercializados para famílias com rendimentos de 1 a 40 salários mínimos. Funciona como um “resumo” mensal do quanto varia o custo de vida no país. Nele, são observadas despesas com moradia, alimentação e bebidas, saúde e higiene, artigos para casa, despesas pessoais, educação, comunicação, transporte e vestuário. São medidos os preços nas regiões metropolitanas de Belém, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Vitória, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Porto Alegre, além do Distrito Federal e dos municípios de Goiânia e Campo Grande. Neste levantamento, a Lupa considerou apenas a variação acumulada do índice.

Quanto maior a variação do índice IPCA, mais caros ficam alguns dos serviços e produtos pesquisados. Há 20 anos, o Brasil já dava sinais de que sairia do cenário de hiperinflação que marcou o final da década de 1980 e o início dos anos 1990. Em dezembro de 1998, a variação acumulada registrada foi de 1,65%, longe dos 916,46% registrados no final de 1994.

Em 2002, o índice chegou a 12,53%. Em 2010, o IPCA foi de 5,91%. Em 2017, o índice voltou a cair e fechou em 2,95%. Veja a série histórica completa aqui.


Vídeo 9: Índice de Desenvolvimento Humano (publicado em 29/5/2018)

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) para avaliar o desenvolvimento dos países em três dimensões: saúde, educação, e renda. O dado mais recente é de 2015. Naquele ano, o Brasil ficou na 79ª posição no ranking mundial.


 Vídeo 8: Ideb – Ensino Médio (publicado em 22/5/2018)

No Ensino Médio, o Ideb médio do país está estagnado desde 2011: 3,7 nas últimas três avaliações. Desde 2013, a nota está abaixo da meta estipulada pelo Ministério da Educação. A média das escolas privadas era 51,4% maior do que a das escolas públicas em 2015.


Vídeo 7: Ideb – Anos Finais do Ensino Fundamental (publicado em 14/5/18)

O Ideb dos anos finais do Ensino Fundamental está abaixo da meta estipulada pelo Ministério da Educação desde 2013, apesar de a nota ter crescido em todos os anos desse período. Isso significa que a evolução está sendo mais lenta do que o planejado. Em 2015, a média das escolas privadas era 45,2% maior do que a das escolas públicas.


Vídeo 6: Ideb – Anos Iniciais do Ensino Fundamental (publicado em 8/5/2018)

O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) foi criado em 2007 para medir a qualidade da educação brasileira. Ele junta a nota da Prova Brasil e os dados de aprovação oriundos do Censo Escolar. É calculado, de forma separada, para três segmentos: os anos iniciais (1º ao 5º ano) e finais (6º ao 9º ano) do Ensino Fundamental, além do Ensino Médio. O Ideb é publicado a cada dois anos e usa uma escala de 0 a 10.

Desde 2007, o Ideb dos anos iniciais do Ensino Fundamental brasileiro cresce e tem estado, desde então, acima da meta estipulada pelo Ministério da Educação. Em 2015, último ano disponível para consulta, a nota média das escolas privadas era 28,3% superior à das escolas públicas. Os dados referentes a 2017 devem ser divulgados em setembro.


Vídeo 5: Coeficiente de Gini (publicado em 3/5/2018)

O coeficiente de Gini é uma das principais métricas para a desigualdade de renda em um país ou região. A fórmula, criada pelo estatístico italiano Corrado Gini, pode resultar em valores entre um e zero, sendo um a desigualdade absoluta e zero a igualdade absoluta. Entre 2001 e 2015, período que corresponde ao fim do governo FHC e praticamente toda a gestão petista, esse índice caiu ano a ano, de 0,593 para 0,513. Nos últimos dois anos, ele voltou a crescer, atingindo 0,524 em 2017.

Apesar da queda significativa de patamar ao longo dos últimos 20 anos, o Brasil ainda é um dos países mais desiguais do mundo. Na Europa, por exemplo, nenhum país possui um coeficiente superior a 0,4. Na Escandinávia, especificamente, nenhum chega a 0,3.

Como a série histórica foi feita com base nos dados da Pnad Contínua Anual, não há dados para os anos de 2000 e 2010, quando ela não foi realizada por causa do Censo.


Vídeo 4: Analfabetismo (publicado em 24/4/2018)

Nos últimos 20 anos, o Brasil reduz sua taxa de analfabetismo em uma média de 3,5% ao ano. Em 1998, 13,8% da população brasileira não sabia ler nem escrever. Em 2016, último dado disponível no IBGE, esse grupo representava 7,3% dos brasileiros com mais de 15 anos de idade.


Vídeo 3: Esperança de vida ao nascer (publicado em 17/4/2018)

No Brasil, a esperança de vida ao nascer tem crescido de forma relativamente estável desde os anos 1960. Segundo dados do Banco Mundial, houve um breve período de desaceleração entre meados da década de 1970 e o início dos anos 1990. Mas a alta é constante. Em 1998, a esperança era de 69,7 anos. Em 2016 (último ano disponível), de 75,8.


Vídeo 2: Mortalidade infantil (publicado em 9/4/2018)

No Brasil, a mortalidade infantil está em queda há quase seis décadas. De acordo com dados do Banco Mundial, em 1960, a taxa era de 128,8 mortos a cada mil crianças nascidas vivas. Em 2016 (último dado disponível), havia caído para 13,5. Desde 1998, a redução nesse indicador é constante. Outro dado positivo é que o país cumpriu sua meta de redução da mortalidade infantil nos Objetivos do Milênio, definidos pela ONU, com quatro anos de antecedência, em 2011.


Vídeo 1: Homicídios (publicado em 3/4/2018)

Para inaugurar a série, a Lupa escolheu apresentar a curva de homicídios registrada entre 1998 e 2015 (último dado disponível) pelo Atlas da Violência, mantido pelo Instituto de Política Econômica Aplicada (Ipea). O ponto mais baixo da série histórica foi registrado em 1998, quando o país teve 41.974 homicídios. O ponto mais alto, por sua vez, foi observado em 2014, ano em que o Brasil teve 60.474 assassinatos.

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo