A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Lula Marques / AGPT
Foto: Lula Marques / AGPT

#Verificamos: Moro não ‘mandou carta pública para o povo brasileiro’

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
29.maio.2018 | 18h44 |

Circulam no Facebook, no Instagram e no WhatsApp diversos links que tratam sobre uma suposta carta aberta publicada pelo juiz federal Sergio Moro para o povo brasileiro. O texto, que já tinha mais de 63 mil interações nas redes sociais em 29 de maio, “informa” que Moro teria dito que, para fazer a revolução, não seria necessário acabar com a vida de ninguém. Que as redes sociais eram a verdadeira arma. A Lupa foi conferir essa história. Veja abaixo o resultado:

“Juiz Sergio Moro manda carta pública para o povo brasileiro”
Título de postagem feita pelo site Top Five TV em 22 de janeiro de 2018 e republicado por sete páginas diferentes do Facebook entre 25 e 29 de maio, totalizando mais de 63 mil interações até as 17h15 do dia 29 de maio de 2018

FALSO

Procurada, a assessoria de imprensa da Justiça Federal do Paraná, onde o juiz Sergio Moro atua, emitiu uma nota, informando que o texto que foi publicado pelas páginas analisadas pela Lupa não foi escrito pelo magistrado. “Esse texto não é de autoria do juiz federal Sergio Moro”, ressaltou.

A carta, na verdade, é de autoria de Gil Cordeiro Dias Ferreira e foi originalmente publicada como carta do leitor no jornal O Globo do dia 18 de abril de 2011 (veja aquicom uma formatação diferente, mas praticamente o mesmo conteúdo.

Desde então, essa “notícia” circula na internet sendo atribuída a diferentes autores. Em janeiro deste ano, o o site Boatos.org pegou uma versão atribuída à ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia.

*Nota: os sites OrdemSecreta.com.br, RobsonSampaio.com.br, PortalVejaAgora.com e EManchetes.com também postaram “notícias” sobre a suposta carta de Moro. Esta checagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook.

*Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Clara Becker e Cristina Tardáguila

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo