A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Metrópoles/Reprodução
Foto: Metrópoles/Reprodução

Em sabatina, Alckmin muda de opinião sobre privatização da Petrobras

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
27.jun.2018 | 07h00 |

Pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin participou de sabatina realizada pelo site Metrópoles na última quarta-feira (20). Durante a entrevista, falou sobre economia e votações anteriores. Chamou atenção, no entanto, o fato de ter mudado de opinião com relação a uma possível privatização da Petrobras. Veja a checagem a seguir:

“Não vou [privatizar a Petrobras]. A pesquisa, produção e prospecção de petróleo devem continuar com a Petrobras. Não vou privatizar a Petrobras. O que eu vou privatizar é a distribuição, transporte e quebrar o monopólio na prática do refino”
Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência pelo PSDB, durante sabatina realizada pelo Metrópoles, no dia 20 de junho de 2018.

CONTRADITÓRIO

A atual posição de Alckmin difere da que ele apresentou publicamente no início deste ano. Em encontro realizado no dia 7 de fevereiro de 2018 na Câmara Brasileira de Indústria e Comércio, em Brasília, Alckmin disse o seguinte: “Inúmeras áreas da Petrobrás que não são o core, o centro objetivo principal, tudo isso pode ser privatizado. E, se tivermos um bom marco regulatório, você pode até no futuro privatizar tudo. Sem nenhum problema” (veja aqui e aqui).

No dia 25 do mesmo mês, em entrevista ao Canal Livre, da TV Bandeirantes, Alckmin voltou a falar sobre o assunto. Ao ser perguntado “se a Petrobras é uma empresa que poderia ser privatizada”, respondeu o seguinte: “Eu sou favorável”, destacando apenas que seria necessário discutir a modelagem. “Acho que o estado não deve ser um estado empresário”, complementou.

Procurado para comentar esta checagem, Alckmin, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmou que “defende e sempre defendeu a redução do tamanho do estado” e que “não houve, portanto, mudança de opinião”. “Nem em fevereiro nem em junho, Alckmin tratou a questão como plano de governo”, diz a nota.


“Em São Paulo, fiz um ajuste, e nós tivemos um superávit de R$ 5,5 bilhões no ano passado”
Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência pelo PSDB, durante sabatina realizada pelo portal Metrópoles, no dia 20 de junho de 2018.

EXAGERADO

De acordo com o relatório “Situação Econômico-Financeira do Governo do Estado de São Paulo”, disponível no site da Secretaria de Fazenda, o estado teve um superávit primário de R$ 5,35 bilhões em 2017 – R$ 150 milhões a menos do que disse Alckmin. Esse total é a diferença positiva entre o que o governo arrecadou e o que gastou, excetuando as despesas com pagamentos de juros.

Ainda vale destacar que, ao longo deste mandato, Alckmin reduziu os investimentos com relação ao mandato anterior. Em 2017, a administração investiu 9,56% da receita corrente líquida em obras de infraestrutura, transporte e meio ambiente, dentre outras. O valor é maior do que os 8,76% de 2016, mas menor do que os 12,52% de 2014.

Em números totais, isso significa que o governo de São Paulo saiu de R$ 21 bilhões em investimentos em 2014 para R$ 17,3 bilhões em 2017. Veja no gráfico a oscilação:

O Tribunal de Contas de São Paulo examinará os números do governo na quinta-feira (28).

Em nota, Alckmin informou que o “Brasil viveu uma profunda recessão entre 2014 e 2017” e que São Paulo “cortou gastos para manter os investimentos”.


“Eu, que perdi as eleições de 2006 para o Lula, tive 40 milhões de votos, praticamente”
Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência pelo PSDB, durante sabatina realizada pelo portal Metrópoles, no dia 20 de junho de 2018.

VERDADEIRO

No primeiro turno das eleições de 2006, quando concorreu à Presidência, Geraldo Alckmin recebeu 39.968.369 votos e isso o credenciou a disputar o segundo turno contra Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que tentava a reeleição. No segundo turno, o tucano teve 2,4 milhões de votos a menos. Terminou a disputa com: 37.543.178.


“A uma semana da eleição [no Tocantins], quem estava em primeiro e segundo lugares não foi para o segundo turno. O terceiro e o quarto foram”
Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência pelo PSDB, durante sabatina realizada pelo portal Metrópoles, no dia 20 de junho de 2018.

VERDADEIRO

No último domingo (24), Mauro Carlesse (PHS) derrotou o senador Vicentinho Alves (PR) e foi eleito, em segundo turno, governador do Tocantins com 75% dos votos válidos. Carlesse vai ocupar o cargo até o fim deste ano. Na última pesquisa de intenção de voto registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) antes do primeiro turno – ocorrido em 4 de junho -, os dois apareciam atrás de Carlos Amastha (PSB), que acabou ficando fora da disputa. Em abril, o TSE determinou a cassação da chapa vencedora em 2014 no Tocantins, formada por Marcelo Miranda (MDB) e Cláudia Lélis (PV), por uso de recursos ilícitos na campanha.

Alckmin usou o exemplo do Tocantins em alusão a seu próprio desempenho nas pesquisas de intenção de voto. Segundo o levantamento mais recente do Datafolha, divulgado no começo de junho, o tucano está em quarto lugar na corrida à Presidência: tem 6% das intenções de voto, numericamente empatado com Ciro Gomes (PDT).

Nesse cenário, o ex-presidente Lula (PT) lidera e é seguido por Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede). No cenário sem Lula, quem lidera é Bolsonaro, seguido por Marina, Ciro e Alckmin – na quarta posição, com 7% das intenções de voto.

Editado por: Cristina Tardáguila e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo