A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Sob intervenção, RJ tem recorde de mortes em ações policiais em 10 anos

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
18.jul.2018 | 12h00 |

Cinco meses depois da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro ser decretada, os índices criminais do estado bateram recordes históricos. O número de casos de homicídios decorrentes de ação policial registrados entre fevereiro e junho de 2018 é o maior desde 2008 no Rio de Janeiro. Já o número de roubos de rua (roubo a transeunte, de aparelho de celular e em coletivo) é o maior desde 2006 para o período. Veja os dados levantados pela Lupa a partir dos índices oficiais divulgados pelo Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro:

609

é o número de mortes em “oposição à intervenção policial” ocorridas de fevereiro a junho de 2018 no Rio de Janeiro, ou seja, no período da intervenção federal na segurança pública no estado. Esse número é 256% maior do que os 171 homicídios em ações policiais registrados em 2013 – o ano com a menor quantidade de ocorrências desse tipo nos últimos 12 anos. Em junho deste ano, morreram 155 pessoas em confrontos com a polícia – apenas duas a menos do que no último janeiro, recorde da série histórica mensal.

12

é o número de policiais militares e civis mortos em serviço no mesmo período (fevereiro a junho de 2018). É o mesmo número do ano passado.

2.927

é o total de casos de letalidade violenta registrados no estado do Rio de Janeiro durante a vigência da intervenção federal na segurança pública. O número é a soma dos homicídios decorrentes de homicídios decorrente de oposição à intervenção policial, latrocínios (roubo seguido de morte), lesão corporal seguida de morte e homicídios dolosos. Este é o maior índice desde 2009, quando foram registrados 3.233 casos em todo o estado.

Recorde de roubos

Durante os meses de intervenção federal na segurança pública do RJ, 55.909 roubos de rua foram registrados no estado, segundo o ISP. É o recorde dos últimos 12 anos para o período de fevereiro a junho e corresponde a um aumento de 8,8% em relação ao mesmo período de 2017. O índice corresponde à soma dos roubos de aparelhos celulares, a transeunte e em coletivos

 

0,53%

foi a queda tímida no índice de roubos de veículos no estado. A diminuição desse índice foi apontada como “prioridade total” pelo secretário de segurança do RJ, general Richard Nunes. De fevereiro a junho de 2018 foram 23.203 veículos roubados no RJ. Em 2017, no mesmo período, foram 23.326 ocorrências desse tipo.

9,59%

foi a redução no número de roubos de carga em todo o estado do RJ nos meses de intervenção federal na segurança pública. Mesmo assim, os 4.059 casos registrados de fevereiro a junho colocam o ano de 2018 como o segundo em que mais ocorreram crimes deste tipo desde 2006.

3.680

é o total de armas apreendidas em todo o estado do RJ durante os meses da intervenção federal. O número de fuzis recolhidos registrou queda de 34%: de 260 em 2017 para 170 em 2018 (no período de fevereiro a junho).

Em nota, o Gabinete de Intervenção Federal informou que há “redução progressiva da maior parte dos índices de criminalidade”. “Os números acima comprovam que esta foi uma decisão acertada e que as ações emergenciais e estruturantes estabelecidas no Plano Estratégico do Gabinete de Intervenção Federal vêm resultando na redução progressiva da maior parte dos índices de criminalidade, conforme dados divulgados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP)”, diz o texto.

Editado por: Cristina Tardáguila e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo