A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Globonews/Reprodução
Foto: Globonews/Reprodução

Votos do CE no impeachment, processo de Lupi: os erros de Ciro Gomes em sabatina

Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
02.ago.2018 | 16h15 |

Candidato pelo PDT à presidência da República, Ciro Gomes foi o terceiro sabatinado pelo programa Central das Eleições 2018, da Globonews, na noite desta quarta-feira (1). Além do pedetista, já foram sabatinados Marina Silva (Rede), no dia 31, e Alvaro Dias (Podemos), no dia 30. Durante a transmissão de quarta, a Globonews anunciou que houve uma troca nas datas dos próximos sabatinados. Geraldo Alckmin (PSDB) irá nesta quinta-feira (2) e Jair Bolsonaro (PSL), na sexta (3). A Lupa conferiu algumas declarações de Ciro no programa. Veja:

“O Ceará foi o único estado que deu dois terços dos votos contra o impeachment”
Ciro Gomes, candidato à presidência da República pelo PDT, em entrevista ao Central das Eleições 2018, na Globonews, dia 1 de agosto de 2018

FALSO

Três estados deram mais votos contrários ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff do que favoráveis em 2016. Mas nenhum deles chegou a dois terços.

No Amapá, que tem oito deputados, quatro foram contrários e um se absteve, o que equivale a 62,5% dos votos. Na Bahia, 22 dos 39 deputados foram contra o impeachment e dois se abstiveram – 61,5% de votos contra o impeachment. Por fim, no Ceará, 11 deputados foram contrários ao impeachment, um se absteve e um não estava em plenário 13 dos 22 votos do estado, ou 59% do total.

No processo de impeachment, as abstenções equivalem a votos contrários, visto que são exigidos 342 votos favoráveis para aprovar o impedimento, segundo o artigo 51 da Constituição Federal.

Procurado, Ciro Gomes não respondeu.


“O Palocci é réu confesso e comandou a economia por oito anos”
Ciro Gomes, candidato à presidência da República pelo PDT, em entrevista ao Central das Eleições 2018, na Globonews, dia 1 de agosto de 2018

EXAGERADO

Palocci se tornou ministro da Fazenda quando Lula assumiu a presidência, em janeiro de 2003. Ele renunciou ao cargo no final de março de 2006, após ter sido acusado de quebrar ilegalmente o sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa, testemunha de acusação de caso que o envolvia no escândalo dos bingos. Logo, “comandou a economia” por três anos e três meses – e não por oito anos. Palocci também foi ministro-chefe da Casa Civil por seis meses no governo Dilma Rousseff, pasta que não trata diretamente de assuntos econômicos.

Procurado, Ciro Gomes não respondeu.


“A Lei da Ficha Limpa não permite que um condenado em segunda instância seja candidato”
Ciro Gomes, candidato à presidência da República pelo PDT, em entrevista ao Central das Eleições 2018, na Globonews, dia 1 de agosto de 2018

VERDADEIRO

A Lei Complementar 135, popularmente conhecida como Lei da Ficha Limpa, diz que são inelegíveis, para qualquer cargo, “os que forem condenados, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, desde a condenação até o transcurso do prazo de 8 (oito) anos após o cumprimento da pena” para alguns tipos de crime. Entre eles, crimes “contra a economia popular, a fé pública, a administração pública e o patrimônio público” e “lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores”.

Ciro se referia ao caso do ex-presidente Lula, condenado por corrupção passiva, um dos crime contra a administração pública segundo o Código Penal, e lavagem de dinheiro. O Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), instituição que condenou Lula em janeiro deste ano, é um órgão judicial colegiado.


“O salário mínimo, com Lula, subiu de US$ 76 em paridade de poder de compra para US$ 320 quando a Dilma tomou posse”
Ciro Gomes, candidato à presidência da República pelo PDT, em entrevista ao Central das Eleições 2018, na Globonews, dia 1 de agosto de 2018

EXAGERADO

Segundo o Ipea, quando Lula assumiu o governo, em janeiro de 2003, o salário mínimo, em paridade de poder de compra, era de US$ 154,69 – mais do que o dobro do valor citado por Ciro. Paridade de poder de compra (PPC) é uma medida em dólar utilizada para indicar quanto uma determinada moeda [no nosso caso, o real] poderia comprar se não fosse influenciada pelas razões de mercado ou de política econômica que determinam a taxa de câmbio.

Em janeiro de 2011, quando Dilma Rousseff assumiu o governo, o salário mínimo, em PPC, subiu para US$ 327,24.

Procurado, Ciro Gomes não respondeu.


“Sem o Lula, o líder nas pesquisas está sozinho no partido dele, o segundo lugar, (…) que é a Marina [Silva], está sozinha no partido dela, o terceiro lugar, que sou eu, estou sozinho”
Ciro Gomes, candidato à presidência da República pelo PDT, em entrevista ao Central das Eleições 2018, na Globonews, dia 1 de agosto de 2018

VERDADEIRO

Segundo as edições mais recentes das pesquisas dos institutos Ibope e Datafolha, os três primeiros colocados na pesquisa são Jair Bolsonaro (PSL), Marina Silva (Rede) e o próprio Ciro – Geraldo Alckmin (PSDB) aparece empatado tecnicamente com ele nos três cenários testados. No momento em que a entrevista foi realizada, nenhum dos três havia confirmado aliança com outro partido.

Bolsonaro e Ciro chegaram a negociar o apoio do chamado “centrão”, aliança de partidos que envolve PP, DEM e PR, que anunciou apoio a Alckmin. O pedetista buscou também o apoio do PSB, mas o partido, nesta semana, negocia sua neutralidade na campanha com o PT. Marina ainda busca o apoio do PV, que pode indicar o vice da chapa.


“O Lupi não é processado por nada. (…) Não responde por nada, por absolutamente nada, não há nenhuma representação contra ele”
Ciro Gomes, candidato à presidência da República pelo PDT, em entrevista ao Central das Eleições 2018, na Globonews, dia 1 de agosto de 2018

FALSO

O ex-ministro do Trabalho Carlos Lupi, atual presidente do PDT, foi denunciado por improbidade administrativa, em 2012. Segundo o Ministério Público Federal, em 2009, o então ministro teria viajado em um avião pago pela entidade sem fins lucrativos Centro de Estudos e Promoção Social (Cepros), que teria convênios com o ministério que ele comandava. A ação tramita na 6ª Vara Federal de Brasília.

Procurado, Ciro Gomes não respondeu.


“Na nossa legislatura [2007-2010], o Congresso votou a revogação da CPMF e tirou do orçamento da União R$ 70 bilhões”
Ciro Gomes, candidato à presidência da República pelo PDT, em entrevista ao Central das Eleições 2018, na Globonews, dia 1 de agosto de 2018

VERDADEIRO

Em 2007, quando Ciro era deputado, o governo tentou prorrogar a vigência da CPMF, um imposto provisório sobre transações financeiras estabelecido em 1999, por mais quatro anos. A proposta foi, inicialmente, aprovada pela Câmara, mas depois foi rejeitada pelo Senado. Com isso, a contribuição deixou de existir naquele ano.

Em valores nominais, a CPMF foi responsável pela arrecadação de R$ 36,3 bilhões em 2007, último ano no qual ela estava em vigência. Em valores corrigidos pelo IPCA, isso representa R$ 66,4 bilhões valor próximo ao citado pelo candidato.


Nós temos, hoje, metade das vagas dos presídios federais ociosas”
Ciro Gomes, candidato à presidência da República pelo PDT, em entrevista ao Central das Eleições 2018, na Globonews, dia 1 de agosto de 2018

EXAGERADO

O número de vagas ociosas em presídios federais é menor do que a metade. Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), das 832 vagas dos quatro presídios federais ativos (Catanduvas, no Paraná, Mossoró, no Rio Grande do Norte, Campo Grande, Mato Grosso do Sul, e Porto Velho, Rondônia), 492 estavam ocupadas. Ou seja, são 340 vagas ociosas, 41% do total.

Procurado, Ciro Gomes não respondeu.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

A Lupa está infringindo esse código? Clique aqui e fale com a IFCN

 

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

SIGNATORY- International Fact-Checking Network
Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo