A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

#Verificamos: Na ditadura, Miriam Leitão não assaltou banco em São Paulo

por Chico Marés
07.ago.2018 | 19h55 |

Circulam nas redes sociais uma imagem e um texto que atribuem à jornalista Miriam Leitão a participação no assalto a um banco no ano de 1968, durante a ditadura militar do Brasil. Por meio do projeto de verificação de notícias, usuários do Facebook solicitaram que essas informações fossem checadas. Confira a seguir a análise da Lupa:

A imagem acima foi publicada no Facebook e tinha sido compartilhada 584 vezes até as 18h do dia 07 de agosto de 2018

FALSO

A imagem analisada vem acompanhada do seguinte texto: “Foto do julgamento do assalto ao Banco Banespa da Rua Iguatemi, em São Paulo, ocorrido no dia 06 de outubro de 1968. A assaltante usava um revólver calibre 38 e junto com seus comparsas levou 80 mil cruzeiros, que seria equivalente a R$ 800 mil. Alguém reconhece a assaltante [foto da jornalista Miriam Leitão dos arquivos da ditadura]?”

A jornalista Miriam Leitão não participou de um assalto a agência do Banespa na capital paulista, em outubro de 1968. À época, ela tinha 15 anos de idade e morava em Caratinga, Minas Gerais, onde nasceu e cresceu.  

Miriam foi realmente presa quatro anos depois, no 38º Batalhão de Infantaria em Vila Velha, no Espírito Santo. Na época tinha 19 anos e morava em Vitória. Estava grávida de seu filho mais velho, Vladimir Netto, e ficou detida por três meses. Nesse período foi torturada, espancada e ameaçada de estupro. Em determinada ocasião, um homem identificado como Dr. Pablo colocou uma jibóia dentro da sala e a deixou nua, sozinha com o animal.

Depois de ser solta, Miriam foi processada por participação na organização do PCdoB, à época um partido clandestino, por aliciamento de estudantes, panfletagem e pichações. Ela não foi acusada, em momento algum, de participar da luta armada ou de assalto a bancos. A jornalista foi inocentada.

A informação analisada nesta checagem circula na internet desde junho deste ano e já havia sido identificada como falsa pelo site Boatos.org. O conteúdo também foi usado como exemplo em vídeo de Youtuber que ensina a desmascarar notícias falsas.

*Atualização feita às 18h40 do dia 31 de agosto de 2018: outras postagens com mesmo conteúdo falso foram encontradas no Facebook. Veja aqui, aqui e aqui.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Cristina Tardáguila e Clara Becker

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo