A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Band / Reprodução
Foto: Band / Reprodução

#DebateBand: checamos em tempo real o 1º debate presidencial de 2018

por Equipe Lupa
09.ago.2018 | 21h26 |

A Band realizou na última quinta-feira (9) o primeiro debate presidencial das Eleições 2018. Do evento, que também foi transmitido pelo YouTube, participaram oito candidatos ao Palácio do Planalto: Alvaro Dias (Podemos), Cabo Daciolo (Patriota), Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL), Henrique Meirelles (MDB), Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede).

A Lupa acompanhou o debate com checagens em tempo real no site e publicações no Twitter (@agencialupa). Todos os candidatos foram avisados por e-mail sobre a cobertura ao vivo da agência e poderão enviar comentários e respostas para a redação até as 14h de sexta-feira (10).

“Vou tributar dividendo”
Geraldo Alckmin, candidato à Presidência pelo PSDB

CONTRADITÓRIO

Ao falar sobre a necessidade de uma reforma tributária, Alckmin prometeu que irá taxar os lucros de empresas. Mas, em sua primeira fala no debate, o candidato anunciou aquelas que suas primeiras medidas seriam “pelo lado fiscal, sem aumentar impostos”.


“Hoje, temos mais de 500 mil crianças fora da escola”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede

VERDADEIRO, MAS

Segundo a última edição do Anuário Brasileiro da Educação Básica, em 2015, apenas na faixa etária de 4 a 5 anos, o Brasil tinha 512.940 crianças fora do sistema de ensino – o que já seria suficiente para considerar verdadeira a frase da candidata. Mas vale ressaltar que, de acordo com a mesma fonte, na faixa etária que vai de 6 a 14 anos, ainda havia outras 430 mil crianças e adolescentes que não frequentavam a escola. Isso significa que o total “fora da escola” era ainda maior do que o citado por Marina. Este é o dado mais recente disponível.


“Não temos piso [salarial] da segurança pública”
Cabo Daciolo, candidato à Presidência pelo Patriota

VERDADEIRO

Tramita no Congresso Nacional uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que institui um piso salarial nacional para os servidores policiais. A última movimentação legislativa da proposta foi feita pelo próprio Daciolo, que no mês passado apresentou requerimento solicitando a inclusão da PEC na ordem do dia de votações da Câmara.

Levantamento da Associação Nacional das Entidades Representativas dos Militares Brasileiros (ANERMB), com números referentes a novembro de 2016, mostra que a diferença no piso salarial dos policiais militares chega a mais de R$ 4,6 mil entre os estados com a maior e a menor remuneração.


“[O juiz Sérgio] Moro recebe auxílio-moradia sendo proprietário [de imóvel] em Curitiba (…)”
Ciro Gomes, candidato à Presidência da República pelo PDT

VERDADEIRO

De fato, Moro recebe auxílio-moradia e possui um apartamento em Curitiba. Segundo o CNJ, o juiz federal recebeu R$ 4.377,73 em auxílio-moradia em maio de 2018.


“(…) sua esposa [do juiz Sérgio Moro] também”
Ciro Gomes, candidato à Presidência da República pelo PDT

FALSO

A esposa de Sérgio Moro não recebe auxílio-moradia, visto que sequer é funcionária pública. Ela trabalha como advogada da Federação das Apaes do Estado do Paraná, uma entidade do terceiro setor. Na abertura do quinto bloco do debate, Ciro Gomes se corrigiu e pediu desculpas: disse que confundiu a mulher de Sérgio Moro com a do juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro.


“Gastamos mais em segurança do que todos os países da OCDE”
Alvaro Dias, candidato à Presidência da República pelo Podemos

FALSO

De acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em 2016, o Brasil gastou R$ 81 bilhões em segurança pública. O valor representou 1,6% do PIB do país.  Em 2016, a média de gasto com financiamento em segurança dos 34 países membros da OCDE foi de 4,5% do PIB. Dos 34 países, apenas Australia (1,1%), Estados Unidos (1,4%) e Alemanha (1,5%) gastaram menos do que o Brasil. Todos os outros 31 gastaram mais.


“Cotão: usei metade disso [do valor a que tinha direito]”
Jair Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo PSL

VERDADEIRO

Todos os deputados federais têm direito a receber a chamada Cota para exercício da atividade parlamentar, conhecida como Cotão. É uma verba destinada a custear os “gastos dos deputados exclusivamente vinculados ao exercício da atividade parlamentar”. Deputados do Rio de Janeiro podem gastar até R$ 429.108 por ano em passagens aéreas, telefonia, manutenção de escritórios, alimentação, locação ou fretamento de aeronaves e automóveis, contratação de consultoria, entre outros – o que equivale a um gasto mensal de R$ 35.759. Em 2017, Bolsonaro gastou R$ 222.949. O valor é R$ 8.395 acima do que o parlamentar diz ter gasto. Ele é o 47º no ranking dos parlamentares fluminenses que mais usaram o cotão: Veja aqui a lista completa.


“[Meirelles] Saiu da JBS, do Joesley, para o ministério”
Guilherme Boulos, candidato à Presidência da República pelo PSOL

VERDADEIRO

Henrique Meirelles, antes de assumir o Ministério da Fazenda, trabalhou no projeto de criação de um banco digital do grupo JBS, o Banco Original. Em 28 de março de 2016, ele participou do lançamento do banco. Em maio daquele ano, Meirelles deixou a empresa e, no dia 12, foi confirmado como ministro.


“[O Brasil tem] 7,3 mil obras paradas”
Ciro Gomes, candidato à Presidência da República pelo PDT

CONTRADITÓRIO

Durante o debate promovido pela Band, Ciro Gomes utilizou dois dados para falar sobre as obras paradas no Brasil – ambos exagerados. Em um primeiro momento, no início do programa, Ciro afirmou que existiam 5.507 obras paradas no Brasil. Contudo, com o decorrer do debate, no terceiro bloco, falou que havia 7,3 mil obras paradas. Segundo estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), publicado em julho de 2018, 2.796 obras estão paralisadas no país – 447 delas são de saneamento básico.


“70% dos professores já foram agredidos física ou moralmente por alunos ou pais”
Jair Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo PSL

EXAGERADO

A pesquisa a que Bolsonaro faz referência é do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e foi publicada em 2012. O levantamento não é nacional e se refere a um universo mais restrito do que o mencionado por Bolsonaro: 70% dos professores paulistas que sofrem de estresse disseram ter sido agredidos física ou moralmente pelos alunos das escolas. Em 2015, 44% dos professores paulistas afirmaram já ter sofrido algum tipo de agressão.


“[O preço do óleo diesel] Na Petrobras é de R$ 2,10; para o consumidor é R$ 4,10”
Cabo Daciolo, candidato à Presidência da República pelo Patriota

EXAGERADO

Segundo a Petrobras, o custo do diesel está em R$ 2,03 por litro desde junho. O dado é do dia 10 de agosto. Já o preço médio do litro do diesel na bomba, segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), é de R$ 3,37 (R$ 3,45 no caso do Diesel S10).


“Os bancos lucraram R$ 17 bilhões”
Guilherme Boulos, candidato à Presidência da República pelo PSOL

VERDADEIRO

O lucro líquido dos quatro principais bancos brasileiros (Itaú, Bradesco, Banco do Brasil e Santander) com ações na Bolsa de Valores no segundo trimestre de 2018 ficou em R$ 16,88 bilhões. Segundo dados da Economatica, que é focada na coleta e gerenciamento de dados do mercado, é o maior lucro consolidado desde o segundo trimestre de 2015.


“A renda do cidadão do Estado de São Paulo caiu ano a ano, inclusive no seu governo [Alckmin]”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência da República pelo MDB

VERDADEIRO

O programa do qual Alckmin afirmou se orgulhar está encolhendo. Segundo dados do Portal de Transparência de São Paulo, a execução orçamentária do Renda Cidadã – programa que atende a famílias com renda mensal per capita de até um quarto do salário mínimo – caiu de 2015 para 2016 e de 2016 para 2017. Em 2015, o governo paulista gastou R$ 169 milhões, em valores pagos. No ano seguinte, esse valor caiu para R$ 100,4 milhões. Já em 2017, o gasto foi de R$ 59 milhões. A redução foi mais de 65,1%.


“14% [dos estudantes que saem do 9º ano] não sabem fazer operações simples de matemática”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede

FALSO

De acordo com um levantamento feito pela ONG Todos Pela Educação, a partir da Prova Brasil de 2015, na verdade, 14% dos alunos do 9º ano da rede pública de ensino é o total dos que sabem fazer operações matemáticas – exatamente o contrário do afirmado por Marina. Dos 2.097.630 alunos, apenas 291.218 demonstraram o aprendizado adequado. Segundo a ONG, estão dentro desse percentual os alunos que conseguiram tirar, no mínimo, 300 em matemática.


“Um Senado composto majoritariamente por homens vetou isso [a legalização do aborto na Argentina]”
Guilherme Boulos, candidato à Presidência da República pelo PSOL

VERDADEIRO, MAS

O projeto de lei pela legalização do aborto na Argentina foi rejeitado na última quarta-feira (8) pelo Senado do país vizinho com 38 votos contrários e 31 a favor. Dos 72 senadores, 42 são homens e 30 mulheres. Porém, metade dessas 30 senadoras também não apoiou a descriminalização da prática. Além disso, considerando que, segundo a Constituição argentina, o voto de minerva é do vice-presidente do país, ainda que só houvesse mulheres no Senado, o projeto provavelmente não passaria. A vice-presidente Gabriela Michetti declarou sua posição contrária à legalização do aborto em diversas ocasiões.


“Um editorial [publicado] no site do seu partido [PSDB] chamava o Bolsa Família de  ‘Bolsa Esmola'”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência da República pelo MDB

VERDADEIRO

No dia 13 de setembro de 2004, o PSDB publicou em seu site um texto com o título “Bolsa Esmola”. Nele, o partido chama o programa Bolsa Família, à época, recém-criado, de “projeto assistencialista” e de “populismo rasteiro”.  “Trata-se de um símbolo tristonho da negligência governamental para aquela que seria prioridade absoluta da atual gestão”, diz o texto. O programa segue em vigor, e o editorial continuava disponível para leitura até o debate da Band.


“O Ministério da Saúde deixou de aplicar R$ 174 bilhões na saúde em 10 anos”
Cabo Daciolo, candidato à Presidência da República pelo Patriota

EXAGERADO

Levantamento feito pela ONG Contas Abertas mostrou que cerca de R$ 174 bilhões deixaram de ser aplicados pelo Ministério da Saúde entre 2003 e 2017 – ou seja, em 15 anos, e não em 10 anos, como disse o candidato. Os dados foram compilados a pedido do Conselho Federal de Medicina (CFM). O valor representa 11% do total autorizado para o Ministério da Saúde no orçamento da União durante o período – cerca de R$ 1,6 trillhão. Parte desses R$ 174 bilhões, de acordo com o CFM, deveria ter sido investido na realização de obras e na compra de equipamentos para uso no Sistema Único de Saúde (SUS).


“[O Brasil recebeu] Menos de 100 mil [venezuelanos]. A Colômbia recebeu 700 mil”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência da República pelo MDB

FALSO

Na verdade, segundo dados do Governo Federal, o Brasil recebeu mais do que 100 mil venezuelanos: foram 127.778 pessoas cruzando a fronteira em 2017 e 2018. A Colômbia recebeu, na contagem mais recente, 870 mil.


“77 das 100 melhores escolas básicas no Brasil estão no meu estado, o Ceará”
Ciro Gomes, candidato à Presidência da República pelo PDT

VERDADEIRO, MAS

No Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de 2015, último disponível, o Ceará emplacou 77 escolas municipais na lista das 100 melhores do país, mas apenas na categoria “anos iniciais”, que vai do 1º ao 5º ano do ensino fundamental. Nos anos finais desse mesmo segmento, ou seja, do 6º ao 9º, o Ceará teve 35 unidades no ranking das 100 melhores escolas, um número inferior ao citado por Ciro. Dessas, uma é federal e 34 são municipais. Os dados estão disponíveis para consulta no site do INEP.


“[No setor privado] R$ 1.391 é a média do valor da aposentadoria. No [setor] público, chega a R$ 28 mil de média na Câmara dos Deputados”
Geraldo Alckmin, candidato à Presidência da República pelo PSDB

VERDADEIRO

Segundo o Boletim Estatístico da Previdência Social de abril de 2018, em média, os benefícios previdenciários eram de R$ 1.391,74. Já o Boletim Estatístico de Pessoal de dezembro de 2016, último disponível no site do Ministério do Planejamento, mostra que aposentados pelo Poder Legislativo federal ganham, em média, R$ 28.593, valor ligeiramente maior do que o citado pelo pré-candidato.


“[São] 32 milhões de brasileiros na informalidade”
Ciro Gomes, candidato à Presidência da República pelo PDT

VERDADEIRO, MAS

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnadc/T), do IBGE, o Brasil tem 43,5 milhões de empregados informais, autônomos ou auxiliares familiares e 44,2 milhões de empregados formalizados. Esses dados se referem ao último trimestre de 2017.


“No referendo de 2005, [o Brasil] foi desarmado”
Jair Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo PSL

FALSO

O referendo de 2005 não “desarmou” o Brasil. A discussão daquele ano, feita por plebiscito, foi sobre a venda de armas e munições, sob os critérios estabelecidos no próprio Estatuto do Desarmamento, e não debateu o porte ou a posse de armas. Os eleitores foram questionados da seguinte forma: “O comércio de armas de fogo e munição deve ser proibido no Brasil?”. A maioria da população respondeu “não”.  Assim, a manifestação da população foi favorável à manutenção da comercialização desses artigos.

De acordo com o estatuto, em vigor desde 2003, só profissionais que trabalham com segurança pública têm autorização para portar armas. Aos cidadãos comuns, é permitida a posse de armas, mas elas só podem ser utilizadas em casa ou no local de trabalho. O estatuto também tornou mais rígidas as regras para a compra de armas e garantiu uma recompensa em dinheiro para aqueles que entregassem sua arma à Polícia Federal.

Tanto o Brasil não foi desarmado após o referendo que, desde 2004, mais de 800 mil armas foram vendidas legalmente no país, segundo dados do Exército obtidos pelo Instituto Sou da Paz via Lei de Acesso à Informação. Também desde 2004, mais de 220 mil novos registros de arma foram concedidos a cidadãos comuns para defesa pessoal. Atualmente, já é possível comprar até seis armas, desde que dentro dos parâmetros estabelecidos pela legislação. Segundo o último levantamento do Datafolha sobre o tema, publicado em janeiro deste ano, 56% dos brasileiros são contrários à extensão do porte legal de armas a todos os cidadãos.


“Renata Abreu é um exemplo da valorização das mulheres no nosso partido [Podemos]”
Alvaro Dias, candidato à Presidência da República pelo Podemos

VERDADEIRO, MAS

A deputada federal Renata Abreu (Podemos-SP), presidente do Podemos nacional, é exceção à regra. Das 25 executivas ou comissões provisórias da sigla, apenas quatro são comandadas por mulheres. Ou seja, as mulheres ocupam 16% dos cargos de comando do partido.


“Eram 13 mil pessoas assassinadas [em São Paulo, em 2001] e reduzimos para 3.503 [em 2017]”
Geraldo Alckmin, candidato à Presidência da República pelo PSDB

VERDADEIRO, MAS

Houve uma redução no número de homicídios no estado de São Paulo em 2017 (veja as informações sobre o 1º trimestre, 2º trimestre, 3º trimestre e 4º trimestre). Mas o dado mencionado por Alckmin diz respeito apenas aos casos de homicídios dolosos. Não estão incluídos nele os latrocínios, os casos de lesão corporal seguida de morte nem as mortes em decorrência da ação das polícias militar e civil. Somando essas ocorrências, o total de mortes violentas intencionais registradas em São Paulo em 2017 sobe para 4.834 casos – 38% acima do total mencionado por Alckmin. Veja os dados completos aqui.


“O senhor [Meirelles] que deveria ter explicação. (…) A dívida pública cresceu de forma assustadora [enquanto Meirelles era presidente do Banco Central]”
Alvaro Dias, candidato à Presidência da República pelo Podemos

FALSO

No período em que Henrique Meirelles foi presidente do Banco Central (BC), a dívida pública caiu com relação ao PIB brasileiro. Em dezembro de 2002, último mês antes de Meirelles assumir o cargo, a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) estava em 76,1% do PIB. Em dezembro de 2010, quando Meirelles deixou o BC, a dívida pública estava em 62,4% do PIB. Foi considerada a metodologia antiga do BC para o cálculo da dívida, vigente durante a maior parte do período citado.


“O Brasil tinha criado 10 milhões de emprego no período em que eu estive no Banco Central”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência da República pelo MDB

VERDADEIRO

Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), entre 2003 e 2010, foram gerados 11,3 milhões de empregos formais.


“Tenho projeto de lei que visa a castração química [para o condenado por estupro]”
Jair Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo PSL

VERDADEIRO, MAS

Em 2013, Bolsonaro propôs o Projeto de Lei 5398/13, que estabeleceria a castração química de condenados por crime de estupro como condição para que voltassem à vida em sociedade. Pela ficha de tramitação da proposta, o projeto, agora, aguarda a designação de um deputado relator na Comissão de Justiça e de Cidadania. Desde 2013, três deputados já foram selecionados como relatores da proposta: Iriny Lopes (PT-ES), Renata Abreu (PTN-SP) e Ronaldo Fonseca (PROS-DF). Os três, porém, devolveram o projeto de lei sem se manifestarem sobre ele.


“Brasil criou 2 milhões de empregos [no governo Temer]”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência da República pelo MDB

EXAGERADO

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Mensal Contínua (Pnadc/M), do IBGE, entre o segundo trimestre de 2016 e o segundo trimestre de 2018, o número de pessoas empregadas cresceu 433 mil. Já o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostra uma redução em 418 mil vagas de empregos formais entre julho de 2016 e junho de 2018.


“[Foram] 8% de estupros a mais neste ano, em relação ao ano passado”
Alvaro Dias, candidato à Presidência da República pelo Podemos

VERDADEIRO

Segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, foram registrados 60.018 estupros no Brasil em 2017. O número é 8,4% maior do que os 54.968  registrados em 2016. Veja na tabela 10.


“Maior parte [da população] não tem esgoto tratado”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede

VERDADEIRO, MAS
Não há dados sobre o número de pessoas no Brasil atendidas pelo serviço de tratamento de esgoto. Mas, segundo o Instituto Trata Brasil, organização que reúne sociedade e empresas privadas para monitorar avanços no saneamento, “em muitos lugares há coleta de esgotos, mas esse esgoto não é tratado. Então, pode-se dizer que esta pessoa tem esgoto coletado, mas não tem esgoto tratado, e isso é (sim) para a maior parte da população”. Anteriormente, a instituição havia informado à Lupa que 50% da população brasileira tinha acesso a esgoto tratado.
O Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis) informa que 103,9 milhões de pessoas no país tinham acesso à coleta de esgoto em 2016, o que equivalia a cerca de 52% da população. No entanto, não há informações sobre quantas delas também eram atendidas pelo serviço de tratamento de esgoto.
Quanto ao volume de esgoto produzido no país, o Trata Brasil indica que 55,08% do total não é tratado. De acordo com o Snis, dos 5,4 bilhões de metros cúbicos de esgoto coletados no país, 1,4 bilhões m³ não são tratados – o equivalente a cerca de 25%.
Correção feita em 13 de agosto de 2018: o Instituto Trata Brasil, consultado pela Lupa nesta checagem, informou que “houve um equívoco” na informação repassada à agência no dia 4 de julho de que 50% da população tem acesso a esgoto tratado no Brasil (leia, abaixo, o texto original). Segundo o instituto, “a candidata [Marina Silva] está correta se pensarmos que em muitos lugares há coleta de esgotos, mas esse esgoto não é tratado. Então, pode-se dizer que esta pessoa tem esgoto coletado, mas não tem esgoto tratado, e isso é (sim) para a maior parte da população. Se formos extremamente técnicos, o certo, seria dizer: ‘O esgoto da maior parte da população não é tratado’, uma vez que o cálculo do esgoto tratado é em cima do volume total gerado e não sobre o número de população. Não se pode dizer que a candidata esteja errada, apenas que a citação é incompleta”. Diante disso, a Lupa mudou a etiqueta “Falso” atribuída anteriormente à fala de Marina – que, agora, passa a ser classificada como “Verdadeiro, mas”.
(Segundo o Instituto Trata Brasil, organização que reúne sociedade e empresas privadas para monitorar avanços no saneamento, 100 milhões de brasileiros não têm acesso a esgoto sanitário – o que equivale a 48,08% da população.

Atualização às 2h30min do dia 10 de agosto de 2018: de acordo com o Instituto Trata Brasil, 44,92% do esgoto do país é tratado – o que significa dizer que 55,08% não é. Mas essa conta é feita sobre o volume bruto de esgoto produzido no Brasil e não sobre o total da população que tem acesso a esse serviço. Ainda de acordo com o Trata Brasil, 50% da população brasileira conta com esgoto coletado e tratado.

Anteriormente, a Lupa havia citado apenas dados sobre coleta de esgoto – e não sobre tratamento, como dito pela candidata. A assessoria de Marina questionou a checagem e citou o Trata Brasil, além de informações do IBGE para justificar a fala da candidata. Segundo informações repassadas pela assessoria, em 2008, dos 5.564 municípios brasileiros, 1.587 tinham esgoto tratado. Nesta época, nem sequer havia o plano específico para a área de saneamento básico no país, aprovado em 2013.)


“Em dezembro, ela [Walderice Santos da Conceição, servidora do gabinete de Bolsonaro] estava de férias”
Jair Bolsonaro, candidato à Presidência da República pelo PSL

VERDADEIRO

De acordo com o Suplemento ao Boletim Administrativo da Câmara dos Deputados, Walderice Santos da Conceição, servidora do gabinete de Bolsonaro, de fato, estaria de férias do dia 26 de dezembro de 2017 ao dia 24 de janeiro de 2018. Reportagem do jornal Folha de São Paulo revelou que ela era dona do comércio “Wal Açaí”, ao lado da casa de Bolsonaro em Mambucaba, na cidade de Angra dos Reis. Moradores da região afirmaram que o marido de Wal trabalhava como caseiro na casa do deputado em Mambucaba. Walderice seria uma “funcionária fantasma” do gabinete do deputado. A Folha esteve em Mambucaba no dia 11 de janeiro, portanto durante o período que corresponde às férias da servidora. 


“O spread bancário é quatro vezes a média do mundo”
Geraldo Alckmin, candidato à Presidência da República pelo PSDB

VERDADEIRO, MAS

Segundo dados do Banco Mundial, a taxa média de spread bancário do Brasil é de 38,4%. No mundo, essa média é de 5,7%, Ou seja, o spread médio no Brasil é 6,7 vezes mais alto do que a média mundial. O spread bancário é a diferença entre quanto os bancos cobram, em juros, por seus empréstimos e quanto eles pagam a quem aplica neles.


“[O Brasil é o] Único país [onde] não existe voto impresso”
Cabo Daciolo, candidato à Presidência da República pelo Patriota

FALSO

De acordo com o Instituto Internacional para a Democracia e a Assistência Eleitoral (IDEA Internacional), 32 países usam urnas eletrônicas, como no Brasil – entre eles, Suíça, Canadá, Austrália e alguns estados dos Estados Unidos. Na América Latina, México e Peru também lançam mão do sistema, assim como a Índia – a maior democracia do mundo em número de eleitores.


“[O Brasil tem] 5.507 obras paradas”
Ciro Gomes, candidato à Presidência da República pelo PDT

EXAGERADO

Segundo estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI), publicado em julho de 2018, 2.796 obras estão paralisadas no Brasil inteiro. 447 dessas obras são de saneamento básico.


“Hoje o Brasil tem 63 milhões de pessoas com nome sujo”
Ciro Gomes, candidato à Presidência da República pelo PDT

VERDADEIRO

Dados apurados em pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) indicaram, em julho de 2018, que o Brasil tem 63,6 milhões de consumidores inadimplentes, que atrasaram o pagamento de suas contas.


“[São] 6 milhões de família sem casa”
Guilherme Boulos, candidato à Presidência da República pelo PSOL

INSUSTENTÁVEL

A Fundação João Pinheiro (FJP), que fornece os dados sobre moradia ao Ministério das Cidades e é considerada a principal referência nesse assunto no Brasil, afirma que não elabora “estudos ou estimativas sobre o número de pessoas sem casa”. De acordo com a FJP, os 6,35 milhões a que Boulos se refere dizem respeito ao déficit habitacional registrado no país em 2015. Mas, segundo a metodologia da fundação, déficit habitacional não é sinônimo de “famílias sem casa” – como sugeriu Boulos.

Em 2017, a Fundação Getúlio Vargas (FGV) estimou que o déficit habitacional no Brasil estaria em 7,7 milhões de domicílios – não famílias. O estudo foi feito a pedido do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São paulo (Sinduscon-SP) e utilizou a mesma metodologia adotada pela FJP. Ou seja: também não considerou “famílias sem casa”.


“Fui eleito [senador] com quase 80% dos votos do meu estado”
Alvaro Dias, candidato à Presidência da República pelo Podemos

VERDADEIRO

Alvaro Dias foi reeleito senador pelo Paraná nas eleições de 2014 com 77% dos votos válidos. Ele recebeu 4,1 milhões de votos.


“Abri mão (…) [da] verba indenizatória”
Alvaro Dias, candidato à Presidência da República pelo Podemos

VERDADEIRO, MAS

O que Álvaro Dias chamou de “verba indenizatória” é parte da Cota Para Exercício da Atividade Parlamentar, disciplinada pelo Senado em 2011 e que se divide entre Verba de Transporte Aéreo (VTA) e a Verba Indenizatória (VI). Pela norma, senadores do Paraná podem gastar até R$ 32.586,60 por mês nesta cota: R$ 15 mil em VI e R$ 17.586,60 em VTA. Na atual legislatura, de fato, desde 2015, o candidato gasta apenas o valor destinado à passagens aéreas. Mas este é o quarto mandato de Dias como senador – o segundo com a Cota regulamentada.


“A Constituição Federal, em seu artigo de número 6, prevê o direito ao trabalho”
Cabo Daciolo, candidato à Presidência da República pelo Patriota

VERDADEIRO

De fato, a Constituição prevê, em seu artigo 6º, que o trabalho é um dos direitos sociais do brasileiro. “São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados”, diz o texto constitucional.   


“Quatro anos atrás estávamos aqui [no debate] e foi anunciado pela Band que (…) as mortes violentas [eram de] 59 mil pessoas por ano. Agora, temos 63 mil pessoas assassinadas”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pelo Rede

VERDADEIRO, MAS

O crescimento citado por Marina foi ainda maior. O 8º Anuário Brasileiro de Segurança Pública, publicado em 2014, mostrava 53.646 mortes violentas. Os dados são do ano anterior, 2013. Na 12ª edição do anuário, publicada nesta semana, esse número cresceu para 63.880.

*As checagens contidas nesta página também foram republicadas pelo site e pelas redes sociais do jornal Folha de S.Paulo.

Editado por: Natália Leal e Cristina Tardáguila

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo