A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Alexandre Campbell
Foto: Alexandre Campbell

Agência Lupa terá ombudsman durante a cobertura eleitoral de 2018

| Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
16.ago.2018 | 11h30 |

Entre agosto e novembro de 2018, a Lupa terá um profissional exercendo a função de ombudsman. Uma jornalista exclusivamente dedicada a ouvir a crítica dos leitores/ouvintes/espectadores da agência e repassá-la à redação, de forma a aprimorar o trabalho oferecido.

Ombudsman é uma palavra de origem sueca que significa “aquele que tem uma delegação” ou “aquele que representa”. Em português, já foi traduzida como “ouvidor” ou ainda “advogado do leitor”.

Para ocupar este cargo, a Lupa contratou Fernanda da Escóssia, jornalista e professora universitária.

Fernanda foi repórter dos jornais O Povo (Fortaleza), Folha de S.Paulo e O Globo, diário em que também trabalhou como editora de Política/País. Fernanda leciona no IBMEC Rio, foi professora da Escola de Comunicação da UFRJ e pesquisadora Fellow da Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas. É doutoranda em História no CPDOC/FGV e mestra em Comunicação pela UFRJ. Cursou o Master em Gestão Estratégica e de Marcas do Instituto Internacional de Ciências Sociais/Universidade de Navarra e foi aluna do Poynter Institute (EUA), num curso sobre cobertura de questões raciais. Hoje integra a equipe de jornalistas da Adufrj (Associação dos Docentes da UFRJ).

Até o fim da campanha eleitoral, Fernanda acompanhará a produção da Agência Lupa de perto, assim como as críticas dos leitores. Realizará uma auditoria independente sobre todo o conteúdo publicado, apontando falhas, ressaltando acertos e propondo melhorias.

“Transparência, prestação de contas e escrutínio público contribuem tanto para o jornalismo quanto para a democracia. O ombudsman é um representante dos leitores nesse exercício democrático”, diz Fernanda.

“Com essa medida, mostramos que estamos abertos às críticas, que queremos aprimorar nosso serviço e que, ao mesmo tempo, estamos dispostos a ser avaliados de forma profissional”, destaca Cristina Tardáguila, diretora da Lupa. “Poucos meios de comunicação do Brasil têm a figura do ombudsman em seus quadros. No mundo do fact-checking, seremos os primeiros. Isso mostra o tamanho do nosso comprometimento”.  

Fernanda foi apresentada à metodologia de trabalho da Lupa, aos cinco pontos do código de ética da International Fact-checking Network (IFCN) e já dispõe de um e-mail público (ouvidoria@lupa.news) para ouvir os leitores.

Ela deverá:

a) Ler todas as checagens feitas pela Lupa entre agosto e novembro de 2018;

b) Acompanhar a postagem da agência nas redes sociais e avaliar sua pertinência;

c) Produzir um relatório interno semanal sobre as manifestações dos leitores via e-mail;
d) Publicar uma coluna semanal na seção “Ombudsman” do site da Lupa, com a avaliação da cobertura feita pela agência;

e) Manter-se apartidária nas análises feitas, seguindo o código de ética da IFCN;

f) Manter-se apartidária nas redes sociais durante o período de contratação;

g) Defender a importância da checagem de fatos.
Nesta função, Fernanda afasta-se do conselho editorial da Agência Lupa durante o período eleitoral.
“Estou muito contente com a decisão da Lupa de ter um ombudsman justamente num momento em que essa importante figura vem sendo abolida das redações. Os checadores pretendem conferir a veracidade do que outros dizem. Então, da mesma forma, devem ser checados ao fazer seu trabalho”, diz Alexios Mantzarlis, diretor da IFCN. “Estou certo de que o trabalho da Fernanda levará os fact-checkers da Lupa a serem ainda mais transparentes, responsivos e conscientes do que fazem, num momento tão crucial para a democracia brasileira”.
Editado por: Equipe Lupa

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo