A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Sabatina Folha, UOL e SBT: Marina erra sobre outros candidatos e sua gestão no Meio Ambiente

por Chico Marés, Clara Becker, Leandro Resende e Plínio Lopes
04.set.2018 | 15h00 |

Na manhã de terça-feira (4), Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede Sustentabilidade, foi sabatinada por Folha, UOL e SBT. A série de entrevistas com os principais postulantes ao Planalto começou na segunda, com Ciro Gomes, e vai durar duas semanas. A Lupa checou as declarações da presidenciável. Veja o resultado:

“Não vejo nenhum candidato dizendo que a idade mínima [para se aposentar numa eventual reforma da Previdência] dele é essa ou aquela”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede, na Sabatina Folha, UOL e SBT, no dia 4 de setembro de 2018

FALSO

No plano de governo que registrou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), João Amoêdo, candidato no Novo à Presidência da República, escreveu com clareza que, se eleito, vai estabelecer como “critério único de aposentadoria a idade mínima de 65 anos”. Henrique Meirelles (MDB) não tem sido específico sobre o assunto, mas vem propondo a adoção de uma idade mínima. Alvaro Dias (Podemos) disse, na última sabatina da Folha, que ainda precisava analisar a questão, mas que a reforma proposta pelo presidente Michel Temer poderia ser utilizada, com algumas mudanças. A candidata Vera Lucia (PSTU), por sua vez,  escreveu, em seu plano de governo, que não vai “permitir nenhuma reforma da Previdência”. Procurada, Marina Silva não retornou.


“Eu fui ministra do Meio Ambiente e consegui aprovar todas as leis que eram importantes para a minha pasta no Congresso Nacional”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede, na Sabatina Folha, UOL e SBT no dia 4 de setembro de 2018

FALSO

Em 2003, o governo federal enviou ao Congresso um projeto de lei para estabelecer normas de segurança e fiscalização de atividades que envolvessem organismos geneticamente modificados e seus derivados. Essa proposta foi alterada na Câmara e no Senado e acabou sendo aprovada em 2005 – ainda na gestão de Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente – como a Lei da Biossegurança. A própria Marina considerou esta uma de suas grandes derrotas à frente da pasta. Em sua versão original, a proposta previa um modelo de coexistência entre áreas de plantio transgênico e áreas livres de transgenia, mas isso não foi aprovado. Ainda vale lembrar que, em sua carta de demissão, entregue em 2008, a agora candidata elencou a falta de sustentação política para dar prosseguimento à sua agenda ambiental como o principal motivo para deixar o Ministério do Meio Ambiente. Procurada, Marina não retornou.


“A maior parte dos funcionários [no Acre] são funcionários públicos”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede, na Sabatina Folha, UOL e SBT no dia 4 de setembro de 2018

FALSO

Segundo os dados mais recentes da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), do Ministério do Trabalho, o Acre tem 128.137 trabalhadores formalizados. Destes, 52.051 são funcionários públicos – o que equivale a 40,6% do total, menos da metade. A proporção é maior do que a média nacional: 19,1% das pessoas com emprego formal no país são funcionários públicos, de acordo com a Rais. Procurada, Marina não retornou.


“A educação no Acre melhorou significativamente”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede, na Sabatina Folha, UOL e SBT no dia 4 de setembro de 2018

VERDADEIRO

Entre 2005 e 2017, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) cresceu na rede de ensino pública do Acre. Em dois dos três níveis de ensino avaliados, a evolução foi maior do que a média nacional. No período analisado, a nota média das escolas públicas acreanas cresceu 72,7% nos anos iniciais do Ensino Fundamental e 16,7% no Ensino Médio. No resto do país, esse crescimento foi de 52,8% e 12,9%, respectivamente. Já nos anos finais do Ensino Fundamental, o crescimento no período foi de 35,5%, enquanto no resto do país a melhora foi de 37,5%.


“Isso eu tenho dito desde 2010. Eu sou contra o aborto (…) O que eu tenho defendido desde 2010 é que se for para ampliar além do que já existe que seja feito um plebiscito”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede, na Sabatina Folha, UOL e SBT no dia 4 de setembro de 2018

VERDADEIRO

Em 2010, em entrevista ao programa Roda Viva, Marina disse o seguinte: “Eu já respondi essa questão várias vezes: eu pessoalmente tenho uma posição contrária ao aborto e defendo que se faça um plebiscito para as propostas hoje debatidas que não são previstas em lei”.


“Houve uma exportação dessas facções criminosas, inclusive, o Acre está invadido por essas quadrilhas”
Marina Silva, candidata à Presidência da República pela Rede, na Sabatina Folha, UOL e SBT no dia 4 de setembro de 2018

VERDADEIRO

Três facções criminosas atuam no Acre, segundo a edição especial do Anuário de Segurança Pública 2018: PCC (Primeiro Comando da Capital, de São Paulo), CV (Comando Vermelho, do Rio de Janeiro) e Bonde dos 13 (local). O estado é um dos nove que têm três ou mais facções ativas, de acordo com a publicação. Desde 2015, há registro de ações violentas comandadas por organizações criminosas no Acre.

Editado por: Cristina Tardáguila e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo