A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução/Fotos Públicas
Foto: Reprodução/Fotos Públicas

#Verificamos: Atentado contra Jair Bolsonaro com checagens em tempo real

por Equipe Lupa
06.set.2018 | 17h42 |

O candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, foi esfaqueado na tarde da quinta-feira (6), durante um ato de campanha na cidade de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Bolsonaro recebeu atendimento médico no município e se recupera de uma cirurgia. Desde as 17h40, a equipe da Lupa está checando em tempo real as informações que circulam na internet e têm relação com o ataque cometido contra o presidenciável.

Esta publicação, que faz parte do projeto de verificação de notícias do Facebook, poderá ser atualizada a qualquer momento, ao longo das próximas horas

(Nota: Este material não pode ser republicado, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia da Lupa).

“O suspeito [de esfaquear de Bolsonaro] seria José Adélio Bispo de Oliveira, filiado ao PDT mineiro”
Informação divulgada por portais como FolhaMax, Metrópoles e LuisCardoso.Com.Br

FALSO

De acordo com informações oficiais, o nome do homem que foi preso em flagrante por esfaquear Jair Bolsonaro é Adélio Bispo de Oliveira – não José Adélio.

José Adélio Bispo de Oliveira, que aparece nas notícias analisadas, é de fato filiado ao PDT de Minas Gerais, mas não é o homem preso pela agressão a Bolsonaro. Trata-se apenas de um homem com nome muito parecido.

Uma consulta ao site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) revela que Adélio foi filiado ao PSOL do município de Uberaba, em Minas Gerais, de 2007 a 2014, ano em que pediu a desfiliação da legenda. A Lupa conferiu o título de eleitor informado na relação do PSOL, e ele confere com os documentos divulgados pela Polícia Militar de Minas Gerais.

Em nota, o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, afirmou que o partido não deve responder pelo ex-filiado que atacou Bolsonaro. “Queremos que ele seja julgado no rigor da lei. Parece que é uma pessoa bem confusa. Se fosse ligado ao PSOL, seria minha responsabilidade. Como não é filiado, não acho que seja da nossa alçada”, disse. Anteriormente, o partido havia repudiado a agressão ao candidato e afirmado que se tratava de um grave atentado à normalidade democrática.

A Lupa alertou os sites analisados. O Metrópoles alterou a informação.


Circula na internet foto que mostra Jair Bolsonaro entrando a pé num hospital acompanhada de legenda que levanta suspeita sobre o ataque cometido contra o presidenciável na tarde de hoje.

“Foto mostra o candidato que sofreu uma tentativa de homicídio entrando a pé no hospital”
Legenda da foto que está circulando na internet e que até as 18h do dia 6 de setembro de 2018 já havia sido compartilhada mais de 1,3 mil vezes

FALSO

A imagem analisada pela Lupa foi feita na manhã desta quinta-feira (6), quando Jair Bolsonaro fazia campanha em um hospital filantrópico da Associação Feminina de Prevenção e Combate ao Câncer de Juiz de Fora (Ascomcer). Em seguida, ele foi a um hotel para um almoço com empresários locais. O registro não foi feito, portanto, após o atentado sofrido pelo presidenciável na parte da tarde.

O evento também foi filmado. Vídeos da visita matutina de Bolsonaro à Ascomcer também estão sendo usados para colocar em dúvida o atentado da tarde e criticar o candidato. Eles foram filmados horas antes do ataque.

Segundo o jornal Tribuna de Minas e o UOL, a ida de Bolsonaro à Ascomcer nesta manhã foi marcada por tumulto. Outras imagens da visita circulam nas redes sociais:


“Adélio Bispo de Oliveira é o nome de quem tentou matar Jair Bolsonaro em Juiz de Fora. Ele é filiado ao Partido dos Trabalhadores”
Informações divulgadas por sites como Blog do Vava Luz e Blog do Cleuber Carlos.

FALSO

O homem que esfaqueou Bolsonaro nunca foi filiado ao PT. Entre 2007 e 2014, ele foi membro do PSOL.

Atualização às 14h do dia 11 de setembro: O site 1News, antes mencionado na matéria, corrigiu a informação em seu site.


“Veja o meliante [que esfaqueou Bolsonaro] aí”
Frase que acompanha foto falsa (aqui e aqui) que, até às 19h20 do dia 6 de setembro de 2018, já tinha mais de mil compartilhamentos no Facebook

FALSO

A foto analisa pela Lupa é numa montagem. Foi alterada para inclusão de Adélio Bispo de Oliveira, preso em flagrante por ter esfaqueado Jair Bolsonaro na tarde desta quinta-feira (6).

A imagem original pode ser encontrada no site do PT e foi tirada pelo fotógrafo oficial do ex-presidente, Ricardo Stuckert, no dia 5 de maio de 2017. Naquele dia, ele prestou depoimento ao juiz Sérgio Moro, em Curitiba. A mesma imagem pode ser vista no site Conversa Afiada. Oliveira não estava presente na imagem.

Compare as imagens:


Circula pelo WhatsApp uma imagem que mostra o que aparentemente seria o planejamento do atentado cometido contra Jair Bolsonaro na tarde do dia 6.

“Vou da (sic) uma facada no peito desse fasista (sic) FDP!”
Frase que aparece em diálogo e não está relacionada ao atentado cometido contra Bolsonaro em Juiz de Fora

FALSO

A imagem analisada pela Lupa não parece manipulada, mas data de 16 de agosto de 2017, ou seja, foi escrita há mais de um ano. O mesmo conteúdo circula em outra versão, que faz referência explícita ao senador Magno Malta.

 No dia 18 de agosto de 2017, o deputado Jair Bolsonaro estava numa cafeteria de Ribeirão Preto (SP) quando foi atacado por uma jovem que jogou um ovo nele. Horas mais tarde, Magno Malta fez uma gravação falando do assunto e afirmando que ela e seu grupo de amigos “estavam planejando um crime”.

Ou seja, a imagem que circula hoje em dia parece real não tem qualquer relação com o episódio de Juiz de Fora. É antiga.


“O criminoso que tentou matar Bolsonaro (…) assessora a campanha de Dilma ao senado em Minas”
Frase contida num tuíte feito pelo pastor Silas Malafaia, presidente da Assembleia de Deus Vitória, na noite de 6 de setembro de 2018 e que já tinha 2,3 mil retuítes às 12h do dia 7 de setembro de 2018

FALSO

A Lupa não localizou nenhum registro oficial da contratação de Adélio por parte da campanha de Dilma Rousseff para o Senado.

Em nota, a assessoria da candidata petista nega que o agressor de Bolsonaro faça parte da equipe de campanha e informa que o “senhor bispo Malafaia vai ter de provar o que disse em rede social”. Além disso, antecipa que tomará medidas legais contra ele. “[Malafaia] É um mentiroso e terá de responder na Justiça”.

A reportagem procurou Silas Malafaia na manhã desta sexta-feira (7) para que ele comentasse a checagem, mas não obteve retorno até o momento.

*Nota: esta reportagem faz parte do projeto de verificação de notícias no Facebook. Dúvidas sobre o projeto? Entre em contato direto com o Facebook.

Editado por: Cristina Tardáguila e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo