A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Sabatina Folha, UOL e SBT: Meirelles erra sobre violência contra mulher e transporte de cargas

por Chico Marés, Clara Becker, Leandro Resende, Nathália Afonso e Plínio Lopes
13.set.2018 | 15h00 |

Na manhã de quinta-feira (13), Henrique Meirelles, candidato à Presidência da República pelo MDB, foi sabatinado por Folha, UOL e SBT. A série de entrevistas com os principais postulantes ao Planalto começou na semana passada. Ciro Gomes, Marina Silva, Guilherme Boulos, Alvaro Dias e Geraldo Alckmin também foram ouvidos. A Lupa checou as declarações de Meirelles. Veja o resultado:

“Se falou muito no botão de pânico. [Eu disse] ‘Tá bom, eu quero ver o botão de pânico’. ‘Não, não tem nenhum funcionando ainda, o sistema não está operacional’. Só tem a conversa, o botão mesmo, não”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência pelo MDB, em sabatina de Folha, UOL e SBT, no dia 13 de setembro de 2018

FALSO

De acordo com o Conselho Nacional de Justiça, o botão de pânico já é utilizado em varas especializadas no atendimento à mulher nos tribunais de Justiça de Espírito Santo, São Paulo, Paraíba, Maranhão e Pernambuco. O TJES foi pioneiro na implantação do equipamento, formalmente chamado de Dispositivo de Segurança Preventiva, em 2013. Naquele ano, 12 mortes de mulheres em situação de violência doméstica foram evitadas no estado, segundo a juíza Hermínia Maria Silveira Azoury, coordenadora das varas de violência doméstica e familiar contra a mulher. No total, 100 botões de pânico foram distribuídos pela Justiça no ES em 2013. Em São Paulo, o município de Limeira foi o primeiro a distribuir 50 dispositivos, que funcionam desde 2016. A prefeitura exporta o projeto como um case de sucesso. Procurado, Meirelles não retornou.


“Tudo [no Brasil] é transportado por caminhão: 90% ou mais”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência pelo MDB, em sabatina de Folha, UOL e SBT, no dia 13 de setembro de 2018

EXAGERADO

O Plano Nacional de Logística indica que os caminhões transportam 65% das cargas no país. As ferrovias, em segundo lugar, respondem por 15% do volume. Já a Confederação Nacional dos Transportes mostra que o sistema rodoviário é responsável pelo tráfego de 60% das cargas. O número citado por Meirelles corresponderia apenas ao transporte de passageiros: 90% dele é feito por rodovias, segundo a CNT. Procurado, Meirelles não retornou.


“Eu apresentei 15 projetos no Congresso Nacional visando a aumentar a taxa de crescimento e a taxa de renda e o número de empregos”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência pelo MDB, em sabatina de Folha, UOL e SBT, no dia 13 de setembro de 2018

EXAGERADO

Em fevereiro de 2018, ministros do governo Michel Temer apresentaram 15 projetos para estimular o crescimento da economia. Desses 15 projetos, somente cinco foram, de fato, apresentados pelo Poder Executivo durante a gestão de Meirelles. Outros nove são de autoria de congressistas e um deles, a reforma do PIS/Cofins, ainda não foi formalmente apresentado ao Congresso. Até o momento, um desses projetos, referente a reoneração da folha de pagamento, foi aprovado e sancionado com veto parcial, e outro, sobre a extinção do fundo soberano, foi apresentado como medida provisória que, posteriormente, foi rejeitada pelo Congresso. Procurado, Meirelles não retornou.


“Criamos 2 milhões de empregos no ano de 2017”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência pelo MDB, em sabatina de Folha, UOL e SBT, no dia 13 de setembro de 2018

VERDADEIRO, MAS

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral (Pnadc/T), do IBGE, entre o 4º trimestre de 2016 e o 4º trimestre de 2017, o número de pessoas ocupadas no Brasil subiu de 90,262 milhões para 92,108 milhões – um crescimento de 1,846 milhão, pouco abaixo dos 2 milhões citados por Meirelles. Mas esse crescimento ocorreu no setor informal – e vale ressaltar que no 1º trimestre deste ano, esse número voltou a cair para 90,581 milhões. Já as vagas formais caíram em 2017. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), naquele ano, o setor privado perdeu 20.832 vagas com carteira assinada.  


“A minha candidatura está crescendo [nas pesquisas]”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência pelo MDB, em sabatina de Folha, UOL e SBT, no dia 13 de setembro de 2018

VERDADEIRO, MAS

Henrique Meirelles tinha 3% das intenções de voto na pesquisa mais recente divulgada pelo Ibope, em 11 de setembro. No levantamento anterior, de 4 de setembro, ele tinha 2% e, em agosto, 1%. Já o Datafolha mostra que a intenção de voto em Meirelles subiu de 1% a 2% em agosto para 3% em setembro. Mas vale ressaltar que essas variações estão dentro da margem de erro das pesquisas, que é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.


“Em 2016, apenas as despesas previdenciárias [eram] 51% do orçamento. Em 2017, foram 57%”
Henrique Meirelles, candidato à Presidência pelo MDB, em sabatina de Folha, UOL e SBT, no dia 13 de setembro de 2018

VERDADEIRO

Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostram que a participação da previdência na despesa primária do governo central subiu de 53,4%, em 2016, para 57,4%, em 2017.

Editado por: Cristina Tardáguila e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo