A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Foto: Reprodução de TV
Foto: Reprodução de TV

Problemas com o Detran e inquérito na Justiça: erros de Romário no RJTV

por Leandro Resende e Cristina Tardáguila
14.set.2018 | 18h00 |

O senador Romário, candidato ao governo do Rio de Janeiro pelo Podemos, foi entrevistado nesta sexta-feira (14) no RJTV 1ª edição. Na segunda, o convidado foi Anthony Garotinho (PRP). Na terça, Tarcísio Motta (PSOL). Na quarta, Indio da Costa (PSD). Na quinta, Eduardo Paes (DEM). Confira as checagens da Lupa:

“Eu deixei de poder dirigir tem três, quatro meses”
Romário, candidato do Podemos ao governo do RJ, em entrevista concedida ao RJTV 1 no dia 14 de setembro de 2018

FALSO

Uma consulta ao site do Detran-RJ revela que a carteira de habilitação de Romário venceu no dia 2 de maio de 2017. Portanto, o candidato não poderia dirigir há, no mínimo, um ano e quatro meses. Na última quinta-feira (13), o 2º Juizado Especial Fazendário do RJ anulou o processo administrativo que cassou a carteira de Romário. Mesmo assim, para que o candidato volte a dirigir, precisará que o processo seja julgado mais uma vez pelo Detran.

Procurado, Romário não retornou.


“Eu nunca vou me negar a soprar [o bafômetro]”
Romário, candidato do Podemos ao governo do RJ, em entrevista concedida ao RJTV 1 no dia 14 de setembro de 2018

CONTRADITÓRIO

Na mesma entrevista, Romário conta que deixou de soprar o bafômetro algumas vezes por não ter concordado com a forma como foi abordado pelos agentes de fiscalização. “Eu não soprei nessas duas ou três vezes porque a abordagem da pessoa não foi do jeito que eu achava que deveria ser”. Em 2010, 2011 e 2014, Romário não aceitou fazer o teste para comprovar se havia consumido bebida alcoólica ao ser parado em blitz da Lei Seca.

Procurado, o candidato não retornou.


“Eu não apareço nem no inquérito desse acidente [atropelamento de motoqueiro]”
Romário, candidato do Podemos ao governo do RJ, em entrevista concedida ao RJTV 1 no dia 14 de setembro de 2018

CONTRADITÓRIO

No dia 16 de dezembro de 2017, Romário se envolveu em um acidente de trânsito, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Um motociclista foi atropelado pelo Porsche que está em nome da irmã do ex-jogador de futebol. Em um primeiro momento, a Polícia Militar informou que quem estava dirigindo era um amigo do hoje candidato a governador. Mas, em junho desde ano, o Ministério Público pediu que o caso fosse investigado, depois de uma testemunha dizer que era Romário quem conduzia o veículo.  

Ao comentar o caso, o senador disse ter ciência da audiência que ocorrerá no próximo dia 20 e mostrou saber que, sim, aparece como autor no inquérito em questão: “Meus advogados vão ali para perguntar por que eu apareço ali, como autor do incidente”.

Uma consulta ao portal do Tribunal de Justiça mostra que Romário é um dos indiciados por lesão corporal culposa.

Procurado, o candidato não retornou.


“A intervenção [federal na segurança do RJ] tem mais de 78% de aprovação”
Romário, candidato do Podemos ao governo do RJ, em entrevista concedida ao RJTV 1 no dia 14 de setembro de 2018

VERDADEIRO, MAS

Pesquisa publicada pelo Datafolha em março deste ano mostrou que 76% dos cariocas eram favoráveis à intervenção do governo federal na segurança do RJ. Levantamento divulgado no último dia 7 pelo mesmo instituto indica que 72% dos entrevistados são “a favor da continuidade” da intervenção federal. Mas na pesquisa feita pelo Ibope e divulgada em 20 de agosto, o percentual foi menor: 55% dos entrevistados diziam aprovar a intervenção.


“Entre autorias e relatorias, tenho mais de 100 projetos”
Romário, candidato do Podemos ao governo do RJ, em entrevista concedida ao RJTV 1 no dia 14 de setembro de 2018

VERDADEIRO

Dados disponíveis no site do Senado mostram que, desde 2015, Romário assinou 75 projetos de lei e três propostas de emenda à constituição. Como relator, ele atuou em 73 proposições, entre projetos de lei da Câmara e do Senado.

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo