A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Tecnologia fica de fora de quatro dos 13 programas enviados pelos presidenciáveis ao TSE

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
25.set.2018 | 06h01 |

Dos 13 candidatos que disputam a Presidência da República em 2018, apenas cinco presidenciáveis – Ciro Gomes (PDT), Guilherme Boulos (PSOL), João Goulart Filho (PPL), Marina Silva (Rede) e Fernando Haddad (PT) – citam propostas para a área de tecnologia nos programas de governo que registraram no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Outros quatro candidatos – Alvaro Dias (Podemos), Geraldo Alckmin (PSDB), Jair Bolsonaro (PSL) e João Amoêdo (Novo) – escolheram alinhar a tecnologia a outras áreas de atuação governamental, como educação, saúde, segurança, meio ambiente e economia.

O resto dos candidatos sequer cita propostas sobre o assunto. São eles: Henrique Meirelles (MDB), Vera Lúcia (PSTU), Cabo Daciolo (Patriota) e Eymael (DC).

Análise feita a pedido da Lupa pelo Coordenador do MBA de Marketing Digital da Fundação Getúlio Vargas, Andre Miceli, conclui que o Brasil continua sem ter uma proposta de política pública clara para o desenvolvimento da tecnologia.

“O que a gente percebe é que, na maior parte das vezes, eles (os políticos) tratam a tecnologia como meio e não como fim”, lamentou.

Miceli acredita que a tecnologia deva ser utilizada para promover o desenvolvimento do país como um todo, tanto em meio a processos quanto a inovações focadas no próprio setor. Destaca ainda que esse fenômeno – de ver políticos considerando a tecnologia como algo acessório – não é de agora. Persiste com o passar dos anos e das eleições.

“Desde a redemocratização, quando os candidatos efetivamente passaram a fazer campanha e a deixar mais claro suas propostas de governo, (…) a gente nunca ouviu falar [de propostas específicas para a tecnologia]. Nas últimas eleições (de 2014), a gente só ouviu falar nesse formato [de utilizar a tecnologia como um acessório e não como prioridade]”, destacou. “Ou o candidato não toca no assunto do jeito que deve ser, ou toca da pior forma, inchando o estado”

Veja em detalhes, em ordem alfabética, o que cada presidenciável diz sobre tecnologia:

Alvaro Dias (Veja o programa aqui)

O programa de governo do candidato do Podemos, Alvaro Dias, trouxe sete tópicos das principais diretrizes do Plano de 19 Metas, sendo um deles a “tecnologia como aliada para preservar o meio-ambiente”. Além dessa proposta ligada ao meio ambiente, Alvaro Dias relacionou em seu documento tecnologia com economia. Segundo o programa, “o estímulo ao empreendedorismo, ao desenvolvimento tecnológico e à educação são considerados essenciais para aumentar o nível de emprego”.

Cabo Daciolo (Veja o programa aqui)

O candidato do Patriota à Presidência da República, Cabo Daciolo, não traz propostas para tecnologia em seu programa de governo. Ele apenas ressalta que, para uma boa gestão do país, é necessário tecnologia, educação, infraestrutura, segurança pública, saúde e entre outros.  O texto informa ainda a necessidade de valorizar a tecnologia e inovação para a criação de Institutos Federais de ensino técnico

Ciro Gomes (Veja o programa aqui)

O candidato do PDT dividiu seu programa de governo em 12 tópicos, sendo que o quarto visa trazer propostas específicas sobre “Ciência, Tecnologia e Inovação”. Ao todo, neste tópico, há 10 propostas discorrendo sobre o assunto. Entre elas estão:  a elaboração de um plano nacional de ciência e tecnologia e o estímulo à produção de conhecimento aplicado ao desenvolvimento tecnológico. Além disso, o programa fala ainda sobre o financiamento da tecnologia no Brasil. No documento de Ciro Gomes, a tecnologia aparecer ainda alinhada com outros assuntos como saúde e educação.  

Eymael (Veja o programa aqui)

O candidato do Democracia Cristã, José Maria Eymael, não traz proposta para a melhoria e aumento da tecnologia no país em seu programa de governo. Contudo, o documento fala na necessidade de “dotar todos os segmentos do serviço público federal dos recursos humanos, equipamentos e tecnologia, necessários”.  

Fernando Haddad (Veja o programa aqui)

Uma das diretrizes elencadas no programa de governo de Haddad é o investimento em Ciência, Tecnologia e Inovação, determinando quatro propostas. A primeira promessa é a remontagem do Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). Um segundo tópico prometido pelo PT é recomposição e ampliação do Sistema Nacional de Fomento de CT&I. A terceira proposta do candidato petista é a recriação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Por último, o programa de governo também traz a proposta de implementar o Plano Decenal de Ampliação dos Investimentos em CT&I.  

Geraldo Alckmin (Veja o programa aqui)

O programa de governo de Geraldo Alckmin, traz apenas uma proposta sobre tecnologia. Ela está alinhada a educação e visa estimular as parcerias entre universidade, empresas e empreendedores tendo como objetivo transformar a tecnologia em um “vetor” da produtividade e da competitividade no país.    

Somente no plano de governo disponível no site do candidato é que Alckmin apresentou propostas específicas para tecnologia. Entre as propostas estão a elaboração do programa nacional de “difusão e disseminação de pesquisas e conhecimentos em Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I)” e a remoção de obstáculos para a efetiva aplicação do novo Marco Legal de Ciência e Tecnologia.

Guilherme Boulos (Veja o programa aqui)

O candidato do PSOL, Guilherme Boulos, traz três propostas sobre tecnologia em seu programa de governo. Caso seja eleito, Boulos afirma que irá recriar o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, garantido um orçamento para o trabalho do órgão. Além disso, ele propõe consolidar o processo de regulamentação e aplicação do Marco Legal da Ciência e Tecnologia. Por último, o candidato destaca a importância da elaboração de um Plano Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Henrique Meirelles (Veja o programa aqui)

O programa de governo do candidato do MDB, Henrique Meirelles, não tem propostas para a tecnologia brasileira. Contudo, o documento destaca a importância da tecnologia para “reduzir a distância entre a prestação de serviços públicos e a população, por isso precisa ser usada como uma política de Estado, refletindo a realidade de uma parcela cada vez maior de brasileiros”.

Jair Bolsonaro (Veja o programa aqui)

O candidato Jair Bolsonaro apresentou uma única proposta de tecnologia, sendo que ela está ligada a segurança. Para diminuir a criminalidade, o deputado propõe investir em equipamentos, tecnologia e inteligência. Além disso, o candidato dedicou duas páginas de seu programa de governo para falar sobre Inovação, Ciência e Tecnologia. Contudo, nessa parte do documento, não apresenta uma proposta para tecnologia, apenas fala que é necessário criar um ambiente favorável ao empreendedorismo para gerar novas tecnologias, emprego e renda.

João Amoêdo (Veja o programa aqui)

O candidato do Novo, João Amoêdo, traz propostas de tecnologia alinhadas com segurança, saúde, gestão e meio ambiente em seu programa de governo. Na segurança, Amoêdo se propõe a aprimorar a prevenção e as investigações com o uso de mais tecnologia. Já na saúde, o candidato promete utilizar a tecnologia para ter um prontuário único, universal e com o histórico do paciente.

Além disso, o programa de governo do Amoêdo coloca como um tópico de sua gestão a necessidade de um governo responsável, simples e digital e coloca como proposta uma política pública mais inteligente com o uso da tecnologia. Por último, no meio ambiente, o candidato se propõe a reduzir o desmatamento utilizando a tecnologia para fiscalização.  

João Goulart Filho (Veja o programa aqui)

O candidato PPL, João Goulart Filho, traz uma proposta de tecnologia em seu programa de governo: reconstruir o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Além disso, ele também propõe aumentar o investimento em pesquisa de 1% para 3% do PIB nos próximos quatro anos.

Marina Silva (Veja o programa aqui)

O programa de governo de Marina Silva, candidata da Rede, traz propostas de tecnologia alinhados com educação, saúde, segurança, cultura, sociedade e economia. Na saúde e tecnologia, Marina propõe utilizar as novas tecnologias para modernizar o serviço, auxiliando no agendamento de consultas e em um prontuário eletrônico. Para a segurança, por exemplo, existe a proposta de usar tecnologia para monitoramento da população carcerária.

Além disso, Marina propõe recriar o Ministério da Ciência e Tecnologia, buscando recompor seu orçamento. Em seu documento, a candidata afirma que irá implementar a meta da Estratégia Nacional de CT&I para aumentar o investimento em pesquisa e inovação em 2% do PIB.

Vera (Veja o programa aqui)

O programa de governo da candidata do PSTU, Vera Lúcia, não apresentou propostas para a tecnologia.

Editado por: Cristina Tardáguila e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo