A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Quatro dos 13 presidenciáveis não têm propostas sobre meio ambiente nos planos de governo

Repórter | Rio de Janeiro | lupa@lupa.news
28.set.2018 | 12h15 |

Quatro candidatos à Presidência da República não apresentaram propostas sobre o meio ambiente em seus programas de governo. São eles: Cabo Daciolo (Patriota), Jair Bolsonaro (PSL), José Maria Eymael (DC) e Vera Lúcia (Pstu). Desses, Bolsonaro e Eymael mencionam o tema no documento registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas sem definir medidas a serem tomadas em um possível governo.

Todos os demais candidatos que concorrem ao cargo sugeriram propostas para melhorar e preservar o meio ambiente. Entre os tópicos mais citados estão saneamento básico, desmatamento e gestão dos recursos hídricos.

Em agosto, o meio ambiente foi tema de 5.518 publicações em redes sociais, com 56.361 interações. Os dados são da Stilingue, ferramenta de monitoramento de conversas em redes sociais, que mostra também que o tema teve mais menções negativas (61,4%) do que positivas (3,4%) entre os dias 1º e 31 de agosto. Os outros 35,1% das referências são neutras. Ainda no mês de agosto, Alvaro Dias (Podemos), Guilherme Boulos (Psol) e Marina Silva (Rede) se destacaram como os candidatos que mais publicaram sobre o assunto.

Veja o que dizem os candidatos sobre meio ambiente em seus programas:

Alvaro Dias (veja o programa completo aqui)

O programa de governo de Alvaro Dias afirma que o meio-ambiente não pode ser negligenciado e promete desenvolver tecnologias para auxiliar na preservação. Além disso, entre as sete metas, o candidato do Podemos cita o descarte de resíduos sólidos e o saneamento básico. Na questão dos recursos hídricos, Alvaro Dias propõe uma meta denominada “Água Verde”, porém o candidato não explica em que consistiria.

Cabo Daciolo (veja o programa completo aqui)

O candidato do Patriota, Cabo Daciolo, não tem propostas para o meio ambiente em seu programa de governo. Ele nem sequer cita o tema.

Ciro Gomes (veja o programa completo aqui)

O candidato Ciro Gomes dividiu seu programa de governo em 12 tópicos, e o terceiro é “Desenvolvimento e Meio Ambiente”. O candidato propõe, por exemplo, operacionalizar as ações para implementar as metas climáticas e de redução da emissão dos gases de estufa. Além disso, Ciro destaca a tragédia de Mariana, afirmando que é necessária atenção especial aos impactos ambientais das ações extrativistas.

O programa do candidato propõe o investimento em energias renováveis – como biocombustíveis, biomassa e energias hidráulica, solar e eólica. Entre as propostas do candidato do PDT também estão o investimento em saneamento básico, no abastecimento de água, na coleta e no tratamento de esgoto, além da implementação das Unidades de Conservação já criadas e a proteção de animais.

José Maria Eymael (veja o programa completo aqui)

O programa de governo de Eymael é uma carta com 27 tópicos. No 15º, ele fala sobre a importância de proteger o meio ambiente e assegurar o direito de usufruir a natureza sem agredi-la. Mas não há propostas específicas para o meio ambiente neste tópico. O tema só aparece em outros itens, com propostas amplas – como na proposta de incentivo à construção civil, que prevê políticas de desenvolvimento urbano e saneamento básico.

Fernando Haddad (veja o programa completo aqui)

O programa de governo de Fernando Haddad traz a bandeira de uma “economia de baixo impacto ambiental e alto valor agregado”. O candidato do PT propõe introduzir uma agenda estratégica de transição ecológica e sugere a criação de uma reforma fiscal verde, que visa aumentar o custo da poluição e premiar o investimento em iniciativas de baixo carbono. Além disso, Haddad colocou como meta zerar a emissão dos gases do efeito estufa da matriz elétrica brasileira até 2050 e ampliar a infraestrutura de oferta de tratamento de água e saneamento básico.

O documento do petista defende o desmatamento zero e promete alcançar a meta até 2022. Outra proposta é a retomada da implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), visando a eliminação de lixões e o cumprimento das metas de reciclagem no país. O candidato também se compromete a construir políticas públicas nacionais de proteção e defesa dos animais

Geraldo Alckmin (veja o programa completo aqui)

O programa de governo de Geraldo Alckmin disponível no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) se compromete apenas com o cumprimento das metas assumidas no Acordo de Paris e propõe priorizar o desenvolvimento de políticas voltadas a energias renováveis para o Norte e o Nordeste.

O candidato do PSDB, contudo, disponibilizou um novo documento, com propostas para diversas áreas – uma delas é o meio ambiente. Nesse relatório, Alckmin planeja ampliar a fiscalização para diminuir o desmatamento ilegal, incentivar e fortalecer a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) e estimular a economia de baixo carbono. Fala ainda da conservação da biodiversidade, do solo e da água.

Guilherme Boulos (veja o programa completo aqui)

Boulos tem um programa de governo com 19 tópicos – o décimo traz propostas sobre terra, território e meio ambiente. Entre as metas estabelecidas estão o desmatamento zero e a proteção de águas e sistemas hídricos. Também aparecem o cumprimento das metas estabelecidas pelo Acordo de Paris e a não construção de mais usinas hidroelétricas. Outra proposta está relacionada ao lixo: Boulos quer ampliar a destinação de resíduos a aterros sanitários – encerrando lixões – e universalizar o serviço de saneamento.    

Henrique Meirelles (veja o programa completo aqui)

Meirelles propõe a criação de programas que reduzam o desmatamento da Amazônia e defende a recuperação de nascentes, a revitalização do rio São Francisco, o cumprimento do Acordo de Paris e a  proteção de áreas marinhas. O candidato ainda destaca a necessidade de investimento em energias renováveis e a redução do desmatamento.

Jair Bolsonaro (veja o programa completo aqui)

O candidato Jair Bolsonaro do PSL propõe, em seu programa de governo, que os recursos naturais e o meio ambiente rural deve ser parte de uma nova estrutura de agricultura, assim como o Desenvolvimento Rural Sustentável. O candidato não tem propostas para a área.

João Amoêdo (veja o programa completo aqui)

A responsabilidade com as futuras gerações é uma das 10 bandeiras defendidas por Amoêdo no programa de governo. O foco é a sustentabilidade. A longo prazo, o candidato defende a universalização do saneamento, a conciliação entre conservação ambiental e desenvolvimento agrícola e a eliminação do desmatamento ilegal. Amoêdo também propõe o fim dos lixões e a ampliação da energia renovável na matriz energética.

João Goulart Filho (veja o programa completo aqui)

João Goulart Filho destaca a questão do meio ambiente no 11º dos 20 tópicos que compõem seu programa de governo. O candidato do PPL propõe rever o Código Florestal,  aumentar a multa e a pena para crimes ambientais e garantir o fim dos lixões. Além disso, destaca a importância de garantir a universalização da coleta e o tratamento de esgoto e fortalecer a transição para combustíveis menos poluentes.  

Marina Silva (veja o programa completo aqui)

O programa de governo da candidata da Rede lista diversas propostas ligadas ao meio ambiente, como a universalização do saneamento básico e a necessidade de investimento em pesquisas para a redução das emissões de gases de efeito estufa. Marina fala também sobre a recuperação de nascentes e propõe políticas de redução, reutilização e reciclagem dos resíduos sólidos.

Vera Lúcia (veja o programa completo aqui)

A candidata do PSTU não tem propostas para o meio ambiente em seu plano de governo. Ela apenas cita a necessidade de resolver o déficit de saneamento básico.  

Editado por: Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo