A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

Transparência: documentaristas filmam trabalho da Lupa durante debate da TV Globo

por Equipe Lupa
04.out.2018 | 18h00 |

Como funciona uma agência de checagem durante um debate presidencial de TV? Desde 2015, quando a Lupa começou a publicar suas reportagens, recebe perguntas desse tipo: como é possível verificar, em questão de minutos, se um político disse uma informação falsa durante uma sabatina? Uma entrevista? Pois bem. É hora de sanar essa curiosidade.

Nesta quinta-feira (10), a Lupa recebe em sua redação uma equipe de documentaristas para filmar todo seu trabalho durante aquele que certamente será o debate de maior audiência do primeiro turno das eleições de 2018 – o da TV Globo.  

A partir das 20h, um time de profissionais da EloCompany, capitaneados pela jornalista Petria Chaves, se instalará no escritório da Lupa, na Zona Sul do Rio de Janeiro, com 2 câmeras para fazer uma série de entrevistas e filmar o processo de produção das checagens ao vivo. A produção é feita em parceria com o IT&E (Instituto Tecnologia e Equidade) e conta com pesquisadores do porte do jornalista Julio Lubianco.  

“A transparência é um dos pilares do fact-checking. É algo exigido pelo código de ética da International Fact-checking Network (IFCN)”, destaca Cristina Tardáguila, diretora da Lupa. “Abrir a redação para receber câmeras e outros jornalistas num dia tão tenso e vital como este dialoga de forma direta com esse princípio básico do nosso trabalho. Queremos mostrar de uma vez por todas que a checagem de fatos é feita com muito preparo, atenção e coordenação. É jornalismo puro”.

O material colhido nas gravações servirá de base para um documentário que busca “investigar como a tecnologia – a inteligência artificial, as fazendas de robôs e o jornalismo de dados, por exemplo –  impacta as eleições presidenciais no Brasil e o sistema democrático como um todo”. A obra também pretende “mostrar as frentes de resistência do universo digital no combate à desinformação”, entre elas o monitoramento de redes e a interceptação de notícias falsas. Para o IT&E, a tecnologia – mais do que o dinheiro das campanhas – tem o poder de impactar o processo democrático.

“Nosso filme busca investigar o fenômeno da desinformação como um todo”, diz Maria Carolina Telles, diretora do “Democracia Digital” (título temporário). “Vamos mostrar a tecnologia que permite a produção e divulgação de conteúdo enganoso e quem se beneficia com isso; quem são os impactados, que são os que consomem os conteúdos e aqueles que combatem a desinformação, seja no campo da comunicação ou no da tecnologia”.

O time da EloCompany, que também acompanhará o trabalho de outros membros da Sala de Democracia Digital – #Observa2018, coordenada pela Fundação Getulio Vargas/DAPP, pretende lançar o documentário no início de 2019 tanto no Brasil quanto no exterior. O filme entrará em cartaz em cinemas de todo o país e participará do circuito de festivais internacionais.

Nos Estados Unidos, a IFCN recebeu com bons olhos o ar de transparência que circula na redação da Lupa e a visibilidade que o documentário dará ao universo da checagem de fatos no Brasil.

“O fact-checking se baseia no pressuposto de que a credibilidade parte da transparência, não da autoridade; na ideia de que você deve acreditar nas conclusões de uma checagem por que ela é transparente com relação a suas fontes, não por conta da pessoa que a escreveu”, destaca Alexios Mantzarlis, diretor da rede mundia de fact-checkers. “Num mundo em que a credibilidade da maioria das instituições está em declínio, os checadores precisam ampliar cada vez mais os limites da transparência”.

Para saber mais sobre o sobre o debate, siga @agencialupa no Twitter e @agencia_lupa no Instagram.

Para saber mais sobre o documentário, siga @elocompany no Instagram, Elo Company Facebook e no Linkedin.

Editado por: Equipe Lupa

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo