A PRIMEIRA AGÊNCIA DE FACT-CHECKING DO BRASIL

O (in)acreditável mundo do WhatsApp

por Chico Marés e Clara Becker
17.out.2018 | 13h15 |

A pedido da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), os fact-checkers da Agência Lupa analisaram o grau de veracidade de 50 imagens que circularam no WhatsApp entre os dias 16 de agosto e 7 de outubro de 2018, durante o primeiro turno das eleições de 2018. Desse conjunto, apenas quatro eram comprovadamente verdadeiras.

O conjunto sobre o qual a Agência Lupa trabalhou foi determinado pelos pesquisadores das duas universidades, a partir de um levantamento feito com 347 grupos públicos de discussão política no WhatsApp, monitorados pelo projeto Eleições sem Fake, mantido pela UFMG.

Nesses grupos públicos e no período citado, 18.088 usuários postaram 846.905 mensagens. Dentre elas, 107.256 eram imagens; 71.931 eram vídeos; 13.890, áudios; 562.866, mensagens de texto e 90.962, links externos.

O conjunto analisado pela Agência Lupa corresponde às 50 imagens mais compartilhadas nesses WhatsApps coletivos durante o período citado. Veja aqui o detalhamento sobre as conclusões dos checadores. E aqui a lista detalhada das oito imagens falsas mais compartilhadas.

Agora leia a versão – em português – do artigo que foi publicado nesta quarta-feira (17) no “The New York Times” com base no estudo:

‘Notícias falsas contaminam a política brasileira.
O WhatsApp pode reduzir isso’

O WhatsApp, aplicativo de mensagens de propriedade do Facebook, é uma das principais ferramentas utilizadas pelos brasileiros para contatar amigos e família – e para fazer negócios. A cada dia que passa, ele está mais inserido na política do país. Levantamento do Datafolha mostrou que 44% dos eleitores no Brasil utilizam o WhatsApp para ler informação de cunho político e eleitoral. Infelizmente, no período que antecedeu o primeiro turno da eleição presidencial, ocorrido  em 7 de outubro, o aplicativo foi utilizado para difundir um nível alarmante de desinformação, boatos e notícias falsas.

Faltando poucas semanas para o segundo turno, que será realizado em 28 de outubro, entre o candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro, e seu oponente de esquerda, Fernando Haddad, ainda há tempo para o WhatsApp implementar mudanças temporárias na plataforma, medidas capazes de reduzir a intoxicação da vida política brasileira. A empresa precisa agir antes que seja tarde demais.  

Medidas importantes de combate às notícias falsas foram encampadas de forma bastante positiva no Brasil nos últimos meses. Somos um dos 17 países onde o Facebook implantou seu projeto de verificação de notícias e onde os fact-checkers trabalham para reduzir a presença de notícias falsas no Feed de Notícias. O Facebook e o Google também apoiam a iniciativa Comprova, que reúne 24 redações profissionais que, juntas, atuam para verificar links, vídeos e imagens supostamente falsos.

Mas esses esforços parecem ter empurrado as campanhas sujas para outros espaços – em particular o WhatsApp, onde a atividade consiste em conversas individuais, criptografadas e em chats que podem envolver até 256 pessoas. São espaços muito mais difíceis de serem monitorados do que o Feed de Notícias do Facebook ou os resultados das buscas feitas no Google.

De 16 de agosto a 7 de outubro, nós monitoramos e analisamos postagens feitas em 347 grupos públicos de WhatsApp – espaços focados em discussões políticas, mas que representam apenas uma pequena porcentagem dos milhares de grupos usados pelos brasileiros todos os dias para obter informações. Nosso estudo, fruto de uma parceria entre a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Universidade de São Paulo (USP) e a Agência Lupa será divulgado nesta quarta-feira (17) e mostra como a desinformação se espalha nesse ambiente.

É difícil determinar em que medida a propagação de informações falsas e distorcidas está ligada aos partidos políticos e aos candidatos, mas a tática das campanhas sujas é clara: elas combinam uma estratégia piramidal e em rede, na qual produtores criam conteúdo malicioso e o transmitem para ativistas regionais e locais que, então, espalham as mensagens de forma ampla em grupos públicos e privados. Assim, os conteúdos  se disseminam ainda mais, à medida que são reencaminhados para outros contatos por pessoas que acreditam neles.

A partir de um universo de mais de 100 mil imagens de conteúdo político que circularam pelos 347 grupos monitorados, selecionamos as 50 mais compartilhadas e pedimos que elas fossem analisadas pela Agência Lupa, a plataforma de checagem líder no Brasil. Oito das 50 fotos foram consideradas falsas; 16 eram reais, mas usadas fora de contexto ou com dados distorcidos; quatro eram insustentáveis, ou seja, não se baseiam em nenhum banco de dados público confiável. Isso significa que 56% das imagens mais compartilhadas nesses grupos eram enganosas. Apenas 8% das 50 imagens mais populares nesse universo foram consideradas verdadeiras.

O problema das notícias falsas no Brasil transcende as divisões políticas.

Os apoiadores de Bolsonaro compartilharam diversas imagens descrevendo políticos – inclusives nomes da centro-direita – como “comunistas”. A foto mais popular dentro do universo estudado é uma imagem em preto e branco que mostra Fidel Castro e uma jovem mulher. A descrição que acompanha a foto informa que se trata da ex-presidente Dilma Rousseff e que ela teria sido pupila do líder cubano, uma “aprendiz de socialista”. Mas a mulher da foto não é Dilma. A imagem foi feita nos Estados Unidos, em abril em 1959, quando a ex-presidente tinha apenas 11 anos de idade. Fotos como essa têm surtido efeito em ataques contra Dilma e o PT – partido de Haddad – num país cuja classe média parece rechaçar o comunismo.

As notícias falsas espalhadas pelos apoiadores de Haddad são geralmente diferentes. Distorcem posições e propostas de Bolsonaro sobre impostos e salário mínimo, exagerando dados. Mas algumas mensagens que circularam no WhatsApp alimentam teorias da conspiração. No dia 6 de setembro, quando Bolsonaro foi esfaqueado, militantes de esquerda compartilharam fotos do candidato entrando sorridente num hospital, como se ele tivesse fingido o ataque. A imagem tinha sido feita antes do atentado.

O alarmante fluxo de informações distorcidas pode ser reduzido. Se, de hoje até o dia 28 de outubro, o WhatsApp fizer algumas alterações em seu sistema, será possível reduzir o compartilhamento de mentiras. São mudanças simples que em nada afetarão a liberdade de expressão ou a privacidade dos usuários.

Sugerimos que o WhatsApp adote essas três medidas imediatamente:

Restrição de encaminhamentos: no início deste ano, depois da disseminação de rumores que foram compartilhados via WhatsApp e que provocaram linchamentos na Índia, a empresa estabeleceu restrições no número de vezes que uma mesma mensagem pode ser encaminhada. Globalmente, fixou em 20. Na Índia, reduziu para cinco. Acreditamos que o WhatsApp deve adotar temporariamente a mesma medida no Brasil.

Restrição de transmissões: o WhatsApp permite que qualquer usuário envie uma mesma mensagem para até 256 contatos de uma só vez, via lista de transmissão. Isso significa que um pequeno grupo coordenado pode facilmente orquestrar uma grande campanha de desinformação usando o aplicativo. Ao limitar o número de pessoas que podem ser atingidas por uma transmissão, o WhatsApp pode impedir que isso aconteça.

Limitar o tamanho de novos grupos: Novos grupos criados no Brasil nas próximas semanas devem ter um número máximo de usuários. Essa medida não afetaria os grupos já existentes.

No início desta semana, contactamos o WhatsApp e apresentamos essas sugestões. A empresa respondeu sinalizando que não haveria tempo suficiente para implementar essas mudanças. Nós discordamos. Na Índia, foram necessários apenas poucos dias para que o WhatsApp começasse a fazer ajustes. O mesmo pode ser feito no Brasil.

Nosso país está num momento político decisivo. As posições de extrema-direita de Bolsonaro – incluindo as relativas a direitos humanos e ao regime militar – levaram muitos eleitores a temer pelo futuro da democracia. Outros muito estão incomodados por ver que Haddad parece seguir ordens diretas de Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-presidente que está preso desde abril por corrupção.

Diante de questões tão importantes e em meio a um debate tão polarizado, os brasileiros não deveriam decidir seus votos com base em informações falsas ou distorcidas. Nenhuma de nossas sugestões significa que o WhatsApp limitará suas operações ou impedirá que brasileiros se comuniquem com suas famílias e amigos. Sugerimos que a empresa, temporariamente, adote alguns limites para impedir o avanço das notícias falsas e de perigosos boatos.

Cristina Tardáguila é diretora da Agência Lupa. Fabrício Benevenuto é professor de Ciência da Computação na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Pablo Ortellado é professor de Políticas Públicas da Universidade de São Paulo (USP)

Editado por: Cristina Tardáguila e Natália Leal

O conteúdo produzido pela Lupa é de inteira responsabilidade da agência e não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem autorização prévia.

A Agência Lupa é membro verificado da International Fact-checking Network (IFCN). Cumpre os cinco princípios éticos estabelecidos pela rede de checadores e passa por auditorias independentes todos os anos

Esse conteúdo foi útil?

1 2 3 4 5

Você concorda com o resultado desta checagem?

Sim Não

Leia também

Etiquetas
VERDADEIRO
A informação está comprovadamente correta
VERDADEIRO, MAS
A informação está correta, mas o leitor merece mais explicações
AINDA É CEDO PARA DIZER
A informação pode vir a ser verdadeira. Ainda não é
EXAGERADO
A informação está no caminho correto, mas houve exagero
CONTRADITÓRIO
A informação contradiz outra difundida antes pela mesma fonte
SUBESTIMADO
Os dados são mais graves do que a informação
INSUSTENTÁVEL
Não há dados públicos que comprovem a informação
FALSO
A informação está comprovadamente incorreta
DE OLHO
Etiqueta de monitoramento
Seções
Arquivo